• Conjuntura
  • A economia, o confinamento (do gado) e as eleições

    30/07/2018
    A atratividade do confinamento prejudicada, principalmente do primeiro giro, poderá dar força às cotações do boi gordo, apesar da situação da economia ter piorado nos últimos meses.

    Hyberville Neto*

    Passado o carnaval, festas juninas e a Copa do Mundo, iniciamos o segundo semestre no calendário, e o ano para alguns. Daqui em diante teremos as eleições, que tendem a ser tímidas, com regras eleitorais e Lava Jato limitando gastos com campanhas. De toda forma, espera-se um efeito positivo no consumo, que se mistura ao incremento de demanda típico do segundo semestre.

    Por outro lado, temos expectativas piores para a economia, frente ao que se esperava no começo do ano. O relatório Focus, do Banco Central, aponta para um crescimento de 1,5% em 2018, enquanto no início do ano esta projeção estava em 2,7%.

    Para o confinamento de bovinos, a pressão sobre os custos, com a alta do milho, limitou a lucratividade do primeiro giro.

    Considerando, no entanto, preços para o último trimestre a viabilidade tem aparecido, mas sem folga. No cenário externo, a sinalização de taxas de juros maiores nos Estados Unidos contribui para a migração de investimentos para o país, o que tira dólares do Brasil e valoriza a moeda norte-americana. As incertezas relacionadas às eleições também afetam o câmbio, podendo influenciar nos embarques de milho neste ano.

    MERCADO FUTURO

    Fizemos uma análise dos movimentos da cotação da arroba do boi gordo a partir de julho, no período de 2000 a 2017. A tabela 1 mostra as variações médias dos preços do boi gordo frente ao observado em julho de cada ano.

    Por exemplo, em 2017 a cotação média em outubro foi 11,2% maior que em julho. As últimas quatro linhas apresentam um resumo do histórico do mês (variações frente a julho) e o que o mercado futuro (13/7) apontava de variações, também na comparação com o preço deste mês.

    Para novembro, por exemplo, a variação média frente a julho, foi de 9%, enquanto as cotações no mercado futuro apontam para alta de 4,8%, na comparação com os preços médios no mercado físico.

    A figura 1 mostra as projeções de preços do mercado futuro (linha) e o que teríamos conforme variações entre julho e cada mês, apresentadas na tabela 1.

    Observe que, dos 19 pontos de dados analisados (18 de histórico e um projetado no mercado futuro), as cotações futuras estão em patamares intermediários, nem otimistas, nem pessimistas frente ao histórico.

    Em outubro, por exemplo, a alta projetada seria a nona maior (dentre as 19 da comparação).

    CONSIDERAÇÕES FINAIS

    O cenário de restrição da oferta de boiadas no primeiro giro de confinamento pode dar força para o mercado nos próximos meses.

    A chegada de um volume maior de gado de cocho, esperada para o final do ano, pode ter seu efeito amenizado por um consumo melhor no último trimestre.

    Os indicadores econômicos têm perdido força, mas ainda há notícias positivas, como o indicador de atividade do comércio da Serasa Experian, que subiu 6,3% nos primeiros seis meses do ano, melhor resultado em cinco anos para o semestre.

    A Intenção de Consumo das Famílias, pesquisa da Confederação Nacional do Comércio (CNC), caiu 0,5% no índice em junho, na comparação mensal. Frente ao mesmo período do ano passado, o cenário é de melhoria de 12,4%.

    No que diz respeito ao emprego, a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) mostra piora nos últimos dados disponíveis (trimestre terminado em maio), frente ao trimestre anterior, mas melhoria na comparação anual, tanto para ocupação (+0,6 ponto percentual), quando para rendimentos (+3,7%).

    Para quem vai fechar o gado nos próximos meses e vendê-lo no final do ano, perto da definição do próximo presidente, a sugestão é avaliar a viabilidade e travar cotações, ao menos os mínimos.

    Mesmo com a possibilidades de que o mercado tenha valorizações, esperar mais de noventa dias com o gado confinado e torcendo pelo mercado não é a melhor estratégia, ainda mais em ano de eleições incertas como observamos atualmente.

    * Hyberville Neto é Médico veterinário, MSC em administração de organizações, com MBA em gestão financeira e consultor da Scot Consultoria.

    Fonte: Scot Consultoria – Carta Boi Volume 16 • Número 189 - julho de 2018

     



  • Temple Grandin: Práticas de bem-estar animal traz vantagens para o gado e para o pecuarista

  • Pesquisadora norte-americana Temple Grandin está no Brasil e fala sobre a preocupação com o bem estar animal e sua importância para obter-se mais produtividade na fazenda. Ela é uma das maiores autori

    + leia mais
  • Planejamento estratégico é requisito para pasto produtivo

  • Pasto produtivo, no novo conceito de mercado, é fundamental para que o produtor sobreviva e tenha rentabilidade.

    + leia mais
  • Agro tem papel de destaque na preservação ambiental

  • Cálculos do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (Gite) da Embrapa, a partir das análises de dados geocodificados do Cadastro Ambiental Rural (CAR), mostram significativa participação da agri

    + leia mais
  • Por uma nova pecuária brasileira

  • O livro Carne e Osso lançado em 2015 pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne traz um relato inédito sobre as origens e a evolução da indústria da carne brasileira, a reboque da

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites