• Nutrição
  • As novas cultivares do Grupo Matsuda são apresentadas a produtores do MT

    16/11/2015
    Com a participação de aproximadamente 200 produtores rurais e pecuaristas do Mato Grosso, o Grupo Matsuda apresentou suas novas cultivares de gramíneas forrageiras, desenvolvidas com material proveniente da Matsuda Genética: MG12 Paredão (Panicum maximum) e MG13 Braúna (Brachiaria brizantha), cultivares de alto melhoramento genético, em evento realizado no último dia 10, na sede da Filial de Cuiabá da empresa.

    Segundo Takashi, a MG 13 Braúna "é uma cultivar de Brachiaria brizantha de rápida rebrota, com boa produção de forragem, bem distribuída e de boa qualidade nutricional".

    A programação começou às 9h00, na sede da filial (Rodovia dos Imigrantes, km 8,5 – Distrito Industrial de Cuiabá), com visita aos canteiros de demonstração das gramíneas e visita monitorada às instalações fabris de suplementos minerais, laboratório de análises e área PET.

    Para o presidente do Grupo Matsuda, Jorge Matsuda, “a pecuária de corte do Brasil e, muito especialmente, a de Mato Grosso, está vivenciando um momento de grandes transformações e de oportunidades, que fazem desse Estado, além de maior produtor do Brasil, também produtor de carne bovina de qualidade. Hoje, o pecuarista brasileiro está cada vez mais profissional e adepto a novas tecnologias e vem conseguindo produzir mais em uma área menor, sem desmatar. Essa é a importância maior da tecnologia: aumentar a produtividade e a rentabilidade, sem expandir suas fronteiras. Para atender essa demanda de tecnologias que melhorem a rentabilidade da pecuária, as empresas que atuam no setor tiveram que investir em novas alternativas e técnicas para o segmento. Empresas de insumos, como as de sementes de forrageiras, não podem mais se preocupar somente com a pureza e germinação de seus produtos, qualidades estas que são no mínimo uma obrigação para seguirem no mercado”.

    Jorge Matsuda ressaltou também que essas duas novas cultivares, a MG Paredão e a MG Braúna, “são resultados da dedicação de seu corpo técnico, muita pesquisa e avaliações desenvolvidas durante quase 15 anos de trabalho sério e comprometido. Além dessas, outras cultivares, selecionadas a partir de seu próprio banco de germoplasma e também devidamente registradas e protegidas junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, estão sendo preparadas para lançamento em breve”.

    MG12 Paredão

    A MG12 Paredão (Panicum Maximum) é uma gramínea perene, considerada pelos técnicos como excelente para a produção de carne e leite, nas fases de cria, recria e engorda. Para o engenheiro agrônomo Ronaldo Villa, que apresentou aos convidados o canteiro da MG 12 Paredão, tem como principal característica a alta produção de forragem, com folhas largas e compridas, maior tolerância às cigarrinhas e excelentes índices nutricionais.  Villa destacou também “a capacidade vigorosa de rebrota e a presença de joçal na base das plantas, o que impede o ataque da larva da cigarrinha e evita que os animais superpastejem a planta”.

    Outro aspecto importante da MG 12 Paredão é sua resistência, o que pode contribuir para amenizar um problema que preocupa principalmente os pecuaristas do Norte do Estado, com a morte súbita do braquiarão. Não há ainda consenso sobre o que causa esse fenômeno, mas, segundo os técnicos, está relacionado a um conjunto de fatores, como a umidade, a monocultura e o manejo, e há também suspeitas que recaem sobre o a seca e o ataque de pragas como cigarrinha e lagartas. Para Ronaldo Villa, “as características de maior tolerância à seca, a rebrota rápida e a defesa contra o ataque das cigarrinhas, contribuem para que a MG 12 Paredão seja uma boa opção contra a morte súbita”.

    Essa nova cultivar é recomendada tanto para pastejo direto como para corte, bem como, em face da grande quantidade de folhas, para silagens.

    A MG-13 Braúna

    O engenheiro agrônomo Alberto Takashi, que apresentou a cultivar da MG 13 Braúna para os produtores presentes, explica que as maiores características dessa cultivar de Brachiaria brizantha são “a boa tolerância à seca e aos veranicos, a boa aceitação pelos animais, a rápida rebrota após o pastejo, a boa produção de forragem e o crescimento decumbente, o que a torna ideal para bovinos em fase de cria, recria e engorda. Seus talos mais finos facilitam seu manejo e proporcionam boas condições de fechamento do solo”.

    Além dessas características, o agrônomo da Matsuda ressalta a produção estacional de forragem que, no caso da Braúna, é bem distribuída, “sendo 40,1% no período seco e 59,9% no período chuvoso. Essa boa distribuição da MG13 proporciona um bom potencial produtivo durante todo o ano, uma grande vantagem em relação às outras braquiárias”.

    Outra aplicação importante dessa cultivar, segundo Takashi, “é sua utilização no mercado agrícola para a formação de palhada, devido ao seu crescimento mais prostrado, talos finos e susceptibilidade ao glifosato, semelhante à Brachiaria ruziziensis, podendo ser utilizada também no sistema de integração Lavoura-Pecuária (iLP).

    Sementes incrustadas

    As sementes dessas cultivares serão comercializadas através da tecnologia de revestimento “Série GOLD MATSUDA”, que  utiliza no tratamento polímero e fungicida, facilitando o plantio. Opcionalmente, a critério do cliente, poderão ser adicionados ao tratamento, inseticidas específicos. Jorge Matsuda ressalta que o Grupo Matsuda “sabe de sua responsabilidade para com nosso País e para o mundo e este lançamento é marcante para nós, pois representa uma oportunidade de imersão sobre o significado da marca Matsuda, nos segmentos da pecuária de corte e de leite; e de refletirmos sobre os imensos desafios que temos pela frente, para continuarmos crescendo comercialmente, e oferecendo produtos com alto índice de desempenho no campo, seja em termos de produtividade do rebanho, seja em rentabilidade para o pecuarista, priorizando a sustentabilidade na pecuária”. 

    O presidente do Grupo Matsuda destaca ainda “o papel que o Brasil tem como protagonista, pois é o único país do mundo com condições climáticas, solo fértil, grande quantidade de terras e água em abundância, para tomar para si o papel de alimentar o mundo”.

    Fonte: Taxi Blue Comunicação Estratégica

     



  • Grupo Matsuda encerra celebração dos 70 anos na Unidade de Goiânia (GO) com anúncio de mais uma parceria nelorista

  • O ponto alto da festa foi o anúncio de mais uma parceria com os produtores neloristas. Dessa vez, a aliança da marca se deu com a entidade goiana do Nelore, a ACNG – Associação dos Criadores de Nelore

    + leia mais
  • A vez delas também na pecuária

  • Estamos falando das fêmeas bovinas como fiel da balança na hora de melhorar a rentabilidade do negócio. Na cobertura a campo, predominante na pecuária nacional, produzem em média 28 filhotes por ano,

    + leia mais
  • Uma nova revolução

  • Eficiência alimentar passa a ser grande preocupação dos principais selecionadores de bovinos do País. A característica promete conferir maior competitividade à produção de carne vermelha.

    + leia mais
  • Genética no tempo, sem artificialismos

  • Respeitando a fixação de características no rebanho ao longo do tempo sem quaisquer maquiagens nas informações observadas e coletadas no campo.

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites