• Genética
  • Avaliação do desempenho reprodutivo de vacas leiteiras

    08/07/2014
    A pecuária leiteira é profundamente dependente de um bom desempenho reprodutivo. Quanto mais partos por ano, maior a produção, pois o número de vacas em início de lactação (pico de produção) será maior, o percentual de vacas secas no rebanho será menor e haverá mais bezerras nascidas por ano.

    Ernane Campos*

    Porém, avaliar o desempenho reprodutivo em função dos partos não é uma boa estratégia, já que, para isso, os partos precisariam ocorrer, tornando a avaliação tardia. Em outras palavras, o índice obtido hoje refletirá uma situação que ocorreu há pelo menos nove meses atrás. Um índice muito comum, que avalia a reprodução dessa forma, é o intervalo entre partos ou IEP.

    São necessários, então, índices de monitoramento que sejam obtidos de forma rápida, permitindo a identificação precisa dos problemas e em tempo hábil para que as medidas sejam tomadas a tempo de corrigir as falhas. Um bom índice de avaliação do desempenho reprodutivo de vacas de leite é a Taxa de Prenhez, que dá uma ideia da velocidade com que as vacas ficam gestantes em função do número de vacas aptas do rebanho (vacas que não estão gestantes e estão liberadas para inseminação ou cobrição).

    Analisando melhor, a taxa de prenhez reflete o resultado de dois outros índices que devem ser avaliados de forma independente: a taxa de serviço, que é o percentual de vacas que são inseminadas em um período de 21 dias em função do total de vacas aptas e a taxa de concepção, que representa o percentual de vacas que ficam gestantes em função do total de vacas inseminadas. Uma boa taxa de prenhez reflete bons resultados da taxa de serviço e taxa de concepção. Se a taxa de prenhez não é boa, preciso investigar a origem do mal resultado e este pode estar relacionado à baixa eficiência na taxa de serviço, na taxa de concepção ou até mesmo em ambas. Estes índices devem ser avaliados a cada 21 dias (período médio do ciclo estral). No caso da taxa de serviço, conseguimos analisar o desempenho das últimas 3 semanas, tornando a identificação de falhas muito rápida. No caso da taxa de concepção, a velocidade de obtenção dos resultados é um pouco mais lenta em função do limite mínimo para o diagnostico de gestação.

    Outro ponto importante índice a ser monitorado visando um melhor desempenho reprodutivo são as perdas de gestação. Não podemos monitorar este número simplesmente pelo número de abortos, pois na maioria dos casos as perdas são precoces e invariavelmente imperceptíveis no dia a dia da fazenda. Devemos então criar um método mais completo de avaliar estas perdas. Normalmente, calculamos as perdas em função do número de matrizes confirmadas e determinamos a fase de gestação e a época em que ocorreram as perdas.

    Em relação às perdas precoces, ou seja, que acontecem antes do diagnóstico de gestação, podemos ter indícios da ocorrência do problema avaliando a distribuição por faixas de intervalos de cios das matrizes. Por exemplo, quando o percentual de repetições que ocorrem com 25 a 37 dias de intervalo for alto, pode ser que as vacas estão concebendo, mas por algum motivo estão perdendo esta gestação precocemente e retornando ao cio tardiamente.

    Para que possamos monitorar o desempenho reprodutivo de forma eficiente, possibilitando a identificação rápida de possíveis problemas, precisamos de uma coleta de dados no campo que seja completa e confiável, um banco coeso onde estes dados podem ser lançados e uma ferramenta de trabalho que permita transformar, com cálculos confiáveis, anotações em índices que serão extremamente importantes na tomada de decisões.

    O monitoramento deve ser contínuo, observando o comportamento do rebanho ao longo do tempo. As metas devem ser definidas para cada sistema de produção e podem ser variáveis ao longo do ano. Precisamos investir em treinamento da mão de obra, pois é ela quem vai permitir em primeiro lugar uma coleta de dados eficiente e invariavelmente está ligada de forma direta aos resultados obtidos. Coloque metas para os seus funcionários, mantenho-os conscientes da importância de cada ação realizada no dia a dia motivando-os. O sucesso invariavelmente estará nas pessoas.

    *Ernane Campos é médico veterinário da Rehagro

    Fonte: Rehagro

     


  • Grupo Matsuda encerra celebração dos 70 anos na Unidade de Goiânia (GO) com anúncio de mais uma parceria nelorista

  • O ponto alto da festa foi o anúncio de mais uma parceria com os produtores neloristas. Dessa vez, a aliança da marca se deu com a entidade goiana do Nelore, a ACNG – Associação dos Criadores de Nelore

    + leia mais
  • A vez delas também na pecuária

  • Estamos falando das fêmeas bovinas como fiel da balança na hora de melhorar a rentabilidade do negócio. Na cobertura a campo, predominante na pecuária nacional, produzem em média 28 filhotes por ano,

    + leia mais
  • Uma nova revolução

  • Eficiência alimentar passa a ser grande preocupação dos principais selecionadores de bovinos do País. A característica promete conferir maior competitividade à produção de carne vermelha.

    + leia mais
  • Genética no tempo, sem artificialismos

  • Respeitando a fixação de características no rebanho ao longo do tempo sem quaisquer maquiagens nas informações observadas e coletadas no campo.

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites