• Manejo
  • Bem-estar animal: fazenda no Mato Grosso substitui marca fogo por brincos eletrônicos

    10/07/2017
    Uma das formas mais tradicionais de identificação de bovinos é a marcação a fogo feita com ferro aquecido em brasa quente.

    Assim que é feita a primeira cura do umbigo, os bezerros recebem um colar de identificação, que ainda está em fase de testes e adaptação. Foto: Divulgação/Fazenda Orvalho das Flores


    Pelo seu baixo custo, a prática ainda é considerada por muitas propriedades como eficiente e permanente. No entanto, este sistema vem sendo revisto por produtores que estão atentos às boas práticas de manejo racional e ao bem-estar animal.

    Com a proposta de diminuir o sofrimento do animal e tornar o manejo menos aversivo e reativo, a pecuarista Carmen Perez, da Fazenda Orvalho das Flores, que faz cria, localizada no município de Barra do Garças (MT), decidiu investir e abolir a marca fogo de sua propriedade. Desde dezembro do ano passado, o rebanho, composto por 1.500 matrizes Nelore e suas crias, recebeu brincos de identificação e brincos eletrônicos que substituem a marcação a fogo na carcaça. O projeto, ainda em fase experimental, ocorre em parceria com a Allflex – empresa líder mundial em identificação de animais – sob a supervisão do coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisa em Etologia e Ecologia Animal (Grupo Etco), Mateus Paranhos da Costa.

    “Fizemos um experimento no momento da marca fogo, com a gravação em vídeo. Posteriormente, toda equipe assistiu e pôde perceber que é nítido o sofrimento animal neste tipo de manejo. Foi quando optamos por investir na brincagem ao invés da marcação tradicional”, explica Carmen Perez.

    Para que as mudanças pudessem ocorrer, a produtora promoveu algumas ações simples e efetivas, como oferecer treinamentos para a equipe de peões. O manejo, por exemplo, atualmente é feito com bandeiras e sem gritarias, apenas para orientar o rebanho no curral. Além de preservar o bem-estar dos animais, a substituição da marcação a fogo por brinco de identificação permite identificar os animais mais jovens, como é o caso da Fazenda Orvalho das Flores. “Assim que é feita a primeira cura do umbigo, os bezerros recebem um colar de identificação, que ainda está em fase de testes e adaptação. Mas, já não precisamos submeter o animal a um manejo agressivo, de forma que ele não associa o curral a um local de agressão, já que há a memória negativa associada às pessoas”, salienta a pecuarista.

    Pesquisas comprovam que a prática da marca fogo é dolorosa ao animal, sobretudo se for na cara. Segundo o professor Mateus Paranhos, o estudo do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), feito por Donald C. Lay Jr, apontou evidências concretas de estresse em vacas e bezerros após a marcação a fogo, além de forte sensação de dor. Outros estudos, em 1997, de Karen Schwartzkopf-Genswein e colaboradores, do Departamento de Agricultura do Canadá, mostraram que o local da marca a fogo fica quente por até 168 horas, indicando inflamação local e dano à pele. Entre os estudos mais recentes estão o da pesquisadora americana Cassandra Tucker, que, em 2014, identificou que a dor produzida pela marca a fogo pode durar até oito semanas, quando também ocorre a cicatrização da queimadura.

    “A pecuária vem cada vez mais adotando tecnologias que tornam a atividade mais produtiva e eficiente. Substituir a marcação a fogo pela brincagem, além de reduzir o sofrimento do animal, que impacta diretamente na qualidade da carne, oferece ao produtor uma importante ferramenta de gestão do seu rebanho. Por isso, apoiamos o projeto da Fazenda Orvalho das Flores, que vem obtendo resultados muito interessantes com essa substituição”, destaca o o gerente comercial da Allflex, Ivo Martins.

    Entre as vantagens da utilização de brincos no lugar da marcação a fogo estão a automatização da coleta de dados, redução do tempo de trabalho e da ocorrência de acidentes, menor contato com os animais, diminuição de estresse – tantos para os animais como para o homem – e menos contusões dos animais nas diferentes fases de manejo e na carcaça. “Outro fator positivo é que não há erro na coleta de dados e na transmissão. Se feito de forma manual, acabávamos perdendo informações importantes. É um investimento que facilita o gerenciamento da produção”, enfatiza Carmen Perez.

    Sobre a Allflex

    Presente em mais de 100 países, o Grupo Allflex é líder mundial em identificação de animais. Conta com fábricas localizadas estrategicamente em cinco diferentes países: França, Brasil, Polônia, China e Argentina, responsáveis pela produção diária de mais de 1,5 milhões de identificadores, que são ferramentas que ajudam na gestão da pecuária.

    A fábrica da Allflex no Brasil está instalada em Joinville (SC) desde 2002. Considerada uma das mais modernas fábricas do Grupo no mundo, foi dimensionada para atender a todo continente americano.

    Fonte: Allflex / Attuale

  • Banana pra dar e vender

  • Espírito Santo se consolida entre os cinco maiores produtores de banana do Brasil. A fruta está presente em 90% dos municípios capixabas.

    + leia mais
  • Dia Internacional do leite: um alimento que agrega muita tecnologia

  • Consumido há pelo menos sete milhões de anos, o leite de vaca é hoje é uma das commodities agropecuárias mais importantes do mundo, e está entre os cinco produtos mais comercializados no planeta...

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (1)



  • Rubens De Oliveira
  • Caros, boa reportagem. Já pensei em fazer este tipo de identificação em bezerros recém nascidos. Entretanto fiquei com medo de haver algum acidente em função do colar. Foi percebido algum tipo de acidente? Que tipo de colar que vocês usaram? Foi um lacre grande? De qual tamanho usado no bezerro? Att Rubens

    Postado: 06/04/2020 09:28:00

    Criação de sites