• Notícias
  • Brasil precisa de uma boa estratégia de marketing para o agronegócio, aponta Tejon

    06/07/2016
    Apesar dos tabus com relação ao agronegócio aos poucos estar sendo quebrado, o mesmo ainda precisa de uma boa estratégia de marketing, não apenas para sua divulgação perante a sociedade, mas também para mostrar ao produtor o que ele pode fazer.

     A afirmação é do publicitário e jornalista José Luiz Tejon. Na visão do especialista, tanto o Brasil quanto Mato Grosso deixam no “chinelo” os demais países quando o assunto é “conseguir produzir em áreas que alegam ser improdutivas”.

    Com especialização em Harvard, Pace University, MIT e Insead (na França), José Luiz Tejon foi um dos palestrantes do primeiro dia do Fórum das Cadeias Produtivas, durante a 52ª Expoagro, em Cuiabá, no último dia 04 de julho. O tema central de sua palestra foi “Agronegócio. O que eu tenho a ver com isso?”. 

    Utilizando de toda sua experiência, Tejon destacou que por mais que o agronegócio seja um case de sucesso no Brasil, ainda é preciso trabalhar com mais profissionalismo a questão de imagem do setor. Segundo ele, falta no país alguém que faça isso. "Talvez o atual ministro da Agricultura, o Blairo Maggi, possa ser o grande articulador desse marketing que falta para o agronegócio. Não é só a conscientização e informação ao consumidor que precisamos levar, mas também ao produtor”.

    A prova de que o Brasil é um case de sucesso é visto por meio da transformação pela qual o país passou, destacou Tejon. Em 1966 não havia nada no Centro-Oeste e o Brasil, conforme o especialista, tinha um faturamento de US$ 3 bilhões apenas com exportações, sendo o café a sua principal commoditie. “Hoje, o Brasil é o quarto maior exportador do Mundo. Enquanto a China tem medo de faltar comida, o Brasil não possui”.

    O Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF), salienta Tejon, é a grande jogada do Brasil, pois é um sistema que obriga o produtor a ser um melhor gestor e possibilita se ter mais de uma cultura/atividade ao mesmo tempo. “É algo genial e que precisa ser difundido. Mais uma vez, o Brasil precisa de uma boa estratégia de marketing para o seu agronegócio. O iLPF precisa ser divulgado”, ressaltou.

    Antes da porteira

    O agronegócio, de acordo com Tejon, é o centro de cadeias produtivas, a começar na ciência, tecnologia, passando pelo campo até chegar ao consumidor final. “O agronegócio é um sistema com começo, meio e fim. A indústria de pesquisa para agricultura é a segunda que mais fatura no país, ficando atrás apenas da indústria farmacêutica. Há um hall de múltiplas possibilidades de agronegócio”.

    Fonte: Agro Olhar / Foto: Karol Rocha/52ª Expoagro


     

  • Pegada hídrica entre bovinos pode variar até sete mil litros por quilo de carcaça

  • É a primeira vez que é calculada no Brasil a pegada da carne bovina com dados gerados no próprio sistema de produção

    + leia mais
  • Artigo - Ataques de percevejo castanho em pastagem exigem atenção do produtor

  • Fabrícia Zimermann Vilela Torres, engenheira-agrônoma e pesquisadora em entomologia de forrageiras tropicais.

    + leia mais


  • Criação de sites