• Notícias
  • CNA vê protecionismo de produtor dos EUA após pedido de bloqueio à carne do Brasil

    23/11/2021
    A Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA) do Brasil afirmou na sexta-feira que os produtores de carne dos Estados Unidos estão adotando postura protecionista com viés econômico após pedido para impedir a entrada do produto brasileiro no mercado norte-americano.

    O pedido da Associação de Produtores de Carne dos Estados Unidos (NCBA) veio após registros de casos atípicos de Encefalopatia Espongiforme Bovina, conhecida como “doença da vaca louca”, no Brasil.

    Os casos foram considerados “atípicos” por serem de um tipo espontâneo, e não por transmissão no rebanho.

    A Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA) do Brasil afirmou nesta sexta-feira que os produtores de carne dos Estados Unidos estão adotando postura protecionista com viés econômico após pedido para impedir a entrada do produto brasileiro no mercado norte-americano, segundo nota divulgada nesta sexta-feira.

    O pedido da Associação de Produtores de Carne dos Estados Unidos (NCBA) veio após registros de casos atípicos de Encefalopatia Espongiforme Bovina, conhecida como “doença da vaca louca”, no Brasil.

    Os casos foram considerados “atípicos” por serem de um tipo espontâneo, e não por transmissão no rebanho.

    A CNA ressaltou no comunicado que o Brasil nunca teve qualquer caso de forma típica da doença.

    Segundo a confederação, a legislação brasileira proíbe o uso de qualquer proteína animal para alimentação bovina, sendo essa a única causa de contaminação da doença típicas.

    Em relação aos casos atípicos da doença no Brasil, registrados no início de setembro, a confederação afirmou que o país seguiu todos os procedimentos exigidos pela OIE e reforçou o forte sistema de defesa sanitária.

    “A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) condena qualquer medida arbitrária que vá contra os pilares do comércio internacional. Assim, repudia a conduta adotada pela entidade americana”, afirmou a organização em nota.

    A nota ainda acrescentou que os EUA, diferente do Brasil, apresentaram três casos típicos da doença em 2003, 2005 e 2012.

    “Diante deste contexto, entendemos que, ou a NCBA está desinformada ou adota a postura protecionista com viés econômico e sem nenhum caráter sanitário”, defendeu a CNA.

    Na quinta-feira o senador dos EUA, Jon Tester, apresentou um projeto de lei para suspender as importações de carne bovina brasileira pelos Estados Unidos, devido aos relatos de casos da doença vaca louca.

    O senador também pediu que especialistas revisem a “segurança das commodities” em meio a pressões políticas de produtores de carne dos EUA.

    Ainda que não haja justificativa sanitária, a China decidiu suspender compras de carne bovina do Brasil, com forte impacto negativo nos embarques de outubro. 

    Por Reuters

     



  • MANEJO EFICIENTE DA PASTAGEM AJUDA NA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE

  • Para acessar mercado premium e que melhor remunera com a criação a pasto, é preciso planejamento, animais de boa genética e principalmente escolher cultivares com alto valor nutritivo para alimentação

    + leia mais
  • Pantanal tem 14 cidades em emergência, mais incêndios e mortes de animais no MS

  • Região vive período de forte estiagem, o que motivou o decreto de emergência por parte do governo local

    + leia mais
  • Pasto rotacionado: sobrou capim? Saiba por que isso é um ótimo sinal

  • Confira as novas dicas do doutor em zootecnia Gustavo Rezende Siqueira, pesquisador do Polo Regional de Alta Mogiana da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA)

    + leia mais


  • Criação de sites