• Nutrição
  • Com suplementação adequada, IATF e genética, fazenda em Tocantins alcança 84% de índice de prenhez e garante lucratividade

    12/01/2021
    Em propriedades de cria, um dos problemas mais agravantes e recorrentes são os baixos índices reprodutivos; suplementação estratégica pode melhorar os resultados.
    Foto: Divulgação.
     
    Um dos maiores desafios que o pecuarista enfrenta em propriedades de cria é atingir um bom índice reprodutivo, que só é possível quando há um conjunto de fatores envolvidos, como a genética, sanidade e, principalmente, a nutrição da matriz.
     
    A taxa de prenhez influencia diretamente o resultado financeiro da propriedade, pois caso a vaca não emprenhe, ela se torna um animal que dá prejuízo, devido ao seu custo ao produtor, que envolve alimentação, área de pastejo, doses de sêmen, horas trabalhadas pelos colaboradores e, o mais importante: o fato de não gerar bezerros, que são o lucro do criador. Neste quesito, a média brasileira atinge 72% de prenhez, sendo que o índice ideal é de 83% de prenhez total. Ou seja, de 100 vacas expostas ao manejo reprodutivo, 83 delas precisam emprenhar.
     
    O Brasil é o país que mais se utiliza da técnica de IATF (Inseminação Artificial em Tempo Fixo) e o segundo maior produtor de bezerros do mundo. “Se a taxa de prenhez ideal fosse alcançada, poderíamos nos tornar o maior produtor de bezerros, o que resultaria aos criadores maior lucro pela associação da técnica e eficiência nos índices reprodutivos”, observa a analista de produtos da Minerthal, Letícia de Souza Santos.
     
    Um exemplo bem sucedido de propriedade de cria é a marca Nelore Laçada, que se destaca no mercado por sua genética de excelente qualidade, evidenciada pela melhora nos índices produtivos e reprodutivos a cada ano.
     
    A Minerthal, em conjunto com a equipe da Fazenda Laçada, em Pium (TO) e da empresa Clivar, desenvolveu uma estratégia de suplementação em 768 animais, entre novilhas precoces, novilhas, primíparas e multíparas da raça Nelore. A meta estabelecida era alcançar elevadas taxas de prenhez utilizando como ferramenta animais de genética de qualidade, pastagem e suplementação mineral aditivada (e ureada aditivada na época da seca).
     
    As novilhas obtiveram uma taxa de prenhez de 86,8%; as primíparas, de 83,1%; as multíparas, de 82%; e as novilhas precoces, 74%. A média geral foi de 81,5%.
     
    “Depois que começamos a suplementar o rebanho com os produtos sugeridos pela Minerthal, ficamos muito satisfeitos com os resultados. Os suplementos são muito bons, não somente para o rebanho reprodutivo, que é nosso foco em seleção genética, mas também para a atividade de recria”, avalia o produtor e proprietário da Fazenda Laçada, Luis Humberto Consoni Guimarães.
     
    As multíparas e novilhas foram expostas apenas a uma IATF e repasse com touros. Já as primíparas e novilhas precoces foram expostas a duas IATFs e repasse com touros, sendo que os resultados de taxa de prenhez final foram obtidos por meio destes protocolos.
     
    “As novilhas precoces, que nasceram no final do ano 2018, tiveram suplementação mais minuciosa. Porém, esta categoria ainda é um desafio por demandar nutrientes para crescimento e reprodução. Mesmo com esta dificuldade, apresentaram excelente índice para categoria. Excluindo a taxa de prenhez das novilhas precoces, foi possível alcançar prenhez geral de 84%. O resultado se mostrou bastante interessante, pois mesmo o que foi obtido pelas novilhas precoces, o índice geral reprodutivo do rebanho alcançou 81,5%. Portanto, com mais bezerros nascendo e mais quilos de bezerros desmamados por vaca, é lucro convertido ao produtor”, complementa Letícia.
     
    Recuperar a condição corporal após a parição
     
    “Em propriedades que utilizam Estação de Monta (EM), a estação de cobertura das fêmeas se concentra no período do ano em que há maior disponibilidade de alimento, no caso entre dezembro e fevereiro. Consequentemente, os nascimentos dos bezerros ocorrem entre setembro e novembro e a vaca precisará estar com escore corporal adequado para o próximo período”, pontua Letícia.
     
    É neste momento que o produtor encontra o maior desafio: fazer o animal recuperar a condição corporal após a parição. As alterações climáticas promovem variações na quantidade e na qualidade da forragem, impactando a nutrição das matrizes e o terço final da gestação coincide com o momento de escassez e falta de qualidade da pastagem. Esta fase da gestação, representada pelo ganho do peso e crescimento do feto, gera grande necessidade de nutrientes pela matriz para mantença e gestação.
     
    “Ao aliar a escassez de alimento, à alta demanda por nutrientes e à necessidade de escore corporal adequado para estação de monta, é extremamente necessário traçar um manejo alimentar para as matrizes com fornecimento do que falta no pasto na época das águas e na época seca do ano”, conclui a analista da Minerthal.
     
    Sobre a Minerthal
    A Minerthal Produtos Agropecuários, fundada em 1973, atua em âmbito nacional, levando ao mercado uma linha completa de produtos capaz de suprir as necessidades dos pecuaristas nos sistemas produtivos de pecuária de corte (cria, recria e/ou engorda e confinamento), pecuária de leite e indústrias ligadas à pecuária, em qualquer época do ano. Mais informações: www.minerthal.com.br.
  • Inseminação artificial ajuda a difundir trabalho genético na pecuária

  • Segundo dirigente da Conexão Delta G, ferramenta permite utilização de tecnologias para melhoramento dos rebanhos.

    + leia mais
  • A hora e a vez de emprenhar as vacas

  • *Por Marisa Rodrigues, especial de São Paulo

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites