• Notícias
  • Como amenizar a escassez de pasto no vazio outonal

    03/03/2021
    *Por Joseani M. Antunes
    Foto: Gado em pastagem de trigo BRS Tarumã em resteva de soja em propriedade rural do RS (Luiz Magnante).
     
    Na produção agropecuária da Região Sul o período de março a junho é conhecido como vazio forrageiro outonal, quando as pastagens de verão estão com baixo crescimento, fibrosas e com baixa qualidade, e as pastagens de inverno ainda não estão prontas para serem pastejadas. Uma alternativa para proteger o sol, logo após as colheitas de verão e aumentar a oferta de alimentos para bovinos, é realizar a semeadura tardia com espécies de verão ou a antecipação de espécies de inverno, visando forragem de alto valor nutritivo em sistema de integração lavoura-pecuária.
     
    Neste momento, final do mês de fevereiro, muitos produtores da Região Sul estão trabalhando na colheita de verão, principalmente milho e soja, e já fizeram a silagem de milho. Após a colheita, o solo acaba ficando descoberto até as primeiras semeaduras de inverno, a partir de maio. Outro problema ainda maior é a escassez de pasto, já que as pastagens de verão estão com pouco crescimento, envelhecidas e com baixo valor nutricional. Uma alternativa para proteger o solo, na transição das culturas de verão e inverno, e aumentar a oferta de alimentos de boa qualidade para bovinos, é a semeadura de forrageiras anuais de verão, como milheto, capim-sudão, híbridos de sorgo e milho comum em alta densidade.
     
    De acordo com Renato Fontaneli, pesquisador da Embrapa Trigo, a proposta é de semeadura tardia dessas forrageiras anuais de verão em  dezembro/janeiro/fevereiro, após uma safra de grãos (feijão, milho ou soja) ou silagem. “Embora seja inegável o menor potencial produtivo dessas forrageiras do que quando semeadas em setembro/outubro, elas oferecerão forragem de elevado valor nutritivo durante o vazio forrageiro outonal, ideal para suprir as demandas de animais mais exigentes, como vacas leiteiras, novilhas de reposição, vacas de primeira cria e mesmo engorda de novilhos ”, argumenta o pesquisador.
     
    Conforme resultado da pesquisa, a semeadura escalonada de forrageiras anuais de verão, com intervalos de 4 a 5 semanas, pode propiciar 5 meses de pastejo. A proposta é usar áreas que já renderam uma colheita de grãos ou silagem, e estabelecer uma safrinha de forragem para ser utilizada de março a maio/junho, até a ocorrência de geadas, em pastejo, colhida verde para fornecimento no cocho ou mesmo ensilada.
     
    Na orientação prática, nas áreas liberadas cedo (janeiro/fevereiro) pela colheita de grãos, sugere-se semear milheto, sorgos, capim-sudão ou milho grão em alta densidade (de 150 mil a 300 mil plantas por hectare, algo em torno de 50 kg de grãos de milho por hectare).
     
    Na antecipação da semeadura de espécies anuais de inverno, nos meses de março/abril, podem ser utilizadas aveias, centeio, triticale, cevada e trigo. Quando semeadas logo após a colheita de verão, essas espécies podem produzir forragem durante todo o outono e inverno. “É preciso investir em cultivares destinadas ao forrageamento animal, seja através de pasto, silagem ou colheita de grãos”, conclui Fontaneli.
     
     
    Fonte: Embrapa com curadoria Boi a Pasto.
  • Pegada hídrica entre bovinos pode variar até sete mil litros por quilo de carcaça

  • É a primeira vez que é calculada no Brasil a pegada da carne bovina com dados gerados no próprio sistema de produção

    + leia mais
  • Artigo - Ataques de percevejo castanho em pastagem exigem atenção do produtor

  • Fabrícia Zimermann Vilela Torres, engenheira-agrônoma e pesquisadora em entomologia de forrageiras tropicais.

    + leia mais


  • Criação de sites