• Notícias
  • Contratos de gergelim e feijão recebem registro na Bolsa Brasileira de Mercadorias

    22/05/2020
    O registro envolve 124 toneladas de gergelim e 1,9 mi de toneladas de feijão.

    Divulgação.

    A Correpar, corretora associada à Bolsa Brasileira de Mercadorias, registrou na última semana dois contratos de gergelim e um de feijão no Sinag, o Sistema de Registro de Negócios Agrícolas da Bolsa Brasileira de Mercadorias. A origem dos produtos é o estado de Mato Grosso e o registro envolve 124 toneladas de gergelim e 1,9 mi de toneladas de feijão caupi. “Orientamos as partes a registrar os contratos devido à confiabilidade da Bolsa Brasileira de Mercadorias”, declarou Erick Matheus de Zorzi Dalke, gerente de processos da Correpar. 
     
    Erick lembra que os contratos registrados na Bolsa regem os direitos e deveres dos negociantes, sendo uma importante referência com o objetivo de assegurar às partes um meio seguro para controle de qualidade, quantidade e orientação de entrega. Tudo é feito digitalmente. “A digitalização no agronegócio se faz interessante por conta de agilidade e facilidade em administrar”, comenta. “Cada dia temos novidades digitais no setor com o objetivo de ampliar os negócios e diminuir prazos. Esta é uma ferramenta muito útil, podendo suportar até mesmo crises biológicas”, conclui.
     
    As ferramentas digitais têm se mostrado fundamentais no agronegócio, especialmente no atual período de pandemia e isolamento social enfrentado globalmente. Neste caso, por exemplo, o contrato entre as partes foi fechado rapidamente e com a segurança, mantendo a administração dos processos por meios totalmente digitais. É o campo cada vez mais conectado e contando.
    SINAG - Sistema de Registro de Negócios Agrícolas
     
    A segurança do negócio é prioridade
     
    A Bolsa Brasileira de Mercadorias disponibiliza ao mercado o Sistema de Registros de Negócios com Produtos de Origem Agrícola - Sinag - com o objetivo dar mais segurança operacional aos vendedores e compradores.
     
    Todos os negócios com produtos de origem agrícola, formalizados por meio de contrato de compra e venda em operações a vista, a prazo ou a termo, intermediados por corretoras associadas, podem ser registrados na Bolsa.
     
    São passíveis de registro na Bolsa os negócios com arroz, café, carvão, feijão, etanol anidro ou hidratado, madeira, milho, soja, sorgo, trigo e outros.  O registro do negócio na Bolsa dá mais segurança às partes contratantes. A Câmara Arbitral da Bolsa pode ser acionada para dirimir eventuais pendências.
     
    Já para o mercado do algodão, a Bolsa disponibiliza o Sinap - Sistema de Informações de Negócios com Algodão em Pluma.
     
    Pulses
     
    O mercado de pulses, que envolve feijão, gergelim, grão-de-bico e outros grãos, vem ganhando cada vez mais espaço no Brasil com um potencial enorme e, de acordo com o Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses (Ibrafe), podem alcançar um negócio de US$ 1 bi nos próximos anos. Todas essas culturas podem ser conciliadas com a produção de soja. Saiba mais
  • Entidades reforçam cuidados durante período de vacinação contra febre aftosa

  • A primeira etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa no Espírito Santo terá prazo maior: de 1º de maio a 30 de junho.

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites