• Conjuntura
  • Cresce demanda por carne bovina Halal

    05/06/2018
    Certificadora brasileira inicia processo de habilitação de empresas para exportação

     Do campo à mesa de consumidores, a carne bovina faz parte da alimentação diária de milhões de pessoas. O Brasil é considerado um dos maiores produtores dessa proteína no mundo, resultado de muito investimento em sanidade, alimentação e tecnologia para, além do mercado interno, estar presente em mais de 150 países.

    A exportação de carne bovina já representa 3% das exportações brasileiras. Segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (ABIEC), em 2017 o Brasil atingiu a cifra de aproximadamente US$ 6,3 bilhões, aumentando em mais de 10 vezes o valor de suas exportações.

    Atualmente, o Brasil produz 10 milhões de toneladas de carne bovina, 20,8% são negociados para dezenas de países em todo o mundo, seguindo os mais rigorosos padrões de qualidade.

    Na última década, o país registrou um crescimento de 135% no valor de suas exportações. Para alcançar esse posto, a pecuária bovina sofreu uma modernização elevada, sustentada principalmente, na tecnologia dos sistemas de produção e organização da cadeia, como por exemplo, alimentação, genética, manejo e saúde animal, conferindo o resultado na qualidade, sabor e durabilidade da carne. 

    Novo mercado

    Com habilitação para certificar empresas brasileiras e observando o potencial do setor, a SIILHalal – Serviço de Inspeção Islâmica, ingressa neste novo mercado: a carne bovina Halal.

    Conforme o diretor presidente da certificadora, Chaiboun Darwiche, muitas empresas brasileiras têm interesse em expandir o mercado aos países muçulmanos, alavancando as vendas e ingressando neste setor.

    “Estamos em fase de negociação com instituições e, esperamos, a partir deste segundo semestre certificarmos e enviarmos a carne bovina, principalmente aos países árabes”, destaca.

    Conforme o The Islamic Food and Nutririon Council of América e The Muslim Food Boar, para a carne de bovinos e frangos ser considerada Halal, os animais devem ser abatidos seguindo os rituais islâmicos, como:

    - O animal deve ser abatido voltado para Meca.

    - O animal não deve estar com sede no momento do abate.

    - A faca deve estar bem afiada e ela não deve ser afiada na frente do animal.

    - O corte deve ser no pescoço feito por um muçulmano que tenha atingido a puberdade. Ele deve pronunciar o nome de Allah durante o abate, com a face do animal em movimento de meia-lua.

    - Devem-se cortar os três principais vasos (jugular, traquéia e esôfago) do pescoço.

    - A morte deve ser rápida para evitar sofrimentos para o animal.

    - O sangue deve ser totalmente retirado da carcaça.

     Fonte: SIILHalal



  • A vez delas também na pecuária

  • Estamos falando das fêmeas bovinas como fiel da balança na hora de melhorar a rentabilidade do negócio. Na cobertura a campo, predominante na pecuária nacional, produzem em média 28 filhotes por ano,

    + leia mais
  • Uma nova revolução

  • Eficiência alimentar passa a ser grande preocupação dos principais selecionadores de bovinos do País. A característica promete conferir maior competitividade à produção de carne vermelha.

    + leia mais
  • Pecuária competitiva é quebra de paradigma

  • Nada de fórmulas milagrosas. Tudo é trabalho, transpiração, interpretação de números e fatos, além de contínuo aprimoramento pessoal como empreendedor.

    + leia mais
  • Temple Grandin: Práticas de bem-estar animal traz vantagens para o gado e para o pecuarista

  • Pesquisadora norte-americana Temple Grandin está no Brasil e fala sobre a preocupação com o bem estar animal e sua importância para obter-se mais produtividade na fazenda. Ela é uma das maiores autori

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites