• Sanidade
  • Doenças respiratórias em bovinos aumentam no inverno

    17/05/2017
    Os surtos de DRB podem apresentar elevada prevalência, causando grande número de animais acometidos (morbidade) e altas taxas de mortalidade

    A Doença Respiratória Bovina (DRB) pode ser um grande gargalo na produção intensiva característica do confinamento e tem uma incidência maior nos períodos mais frios do ano e durante a seca, pois a baixa umidade e o excesso de pó em suspensão são importantes fatores de risco. Além disso, DRB também pode ser desencadeada pelo estresse nos confinamentos, causado pelo transporte prolongado, adaptação dos animais às novas condições e às dietas, estabelecimento de hierarquia social e manejo em geral do sistema.

    Os surtos de DRB podem apresentar elevada prevalência, causando grande número de animais acometidos (morbidade) e altas taxas de mortalidade associadas aos quadros clínicos. As lesões pulmonares nos bovinos que se recuperam da DRB causam perdas crônicas em seu desempenho, tais como, a redução no ganho de peso diário (GPD), que pode ser de 80 a 150g/dia inferiores aos ganhos de animais sadios. Bovinos acometidos e tratados mantêm esse desempenho inferior até seu abate.

    A metafilaxia (ou tratamento em massa) é uma ferramenta eficaz na prevenção da DRB, que reduz a morbidade e mortalidade dos animais, permitindo que respondam melhor ao sistema de confinamento, e que racionalize os custos da mão de obra envolvida com o monitoramento diário dos animais para o diagnóstico das doenças respiratórias (prática necessária nos sistemas convencionais), além de reduzir prejuízos econômicos e proteger o patrimônio dos pecuaristas. A metafilaxia é composta por medidas terapêuticas (de tratamento), higiênicas e outras formas de prevenção, que diminuem os impactos sobre a produtividade e o surgimento de lesões permanentes no sistema respiratório dos bovinos.

    A atividade de confinamento tem sido cada vez mais utilizada no tratamento e na gestão de gado no Brasil. Um fato curioso é que o bovino apresenta o hábito comportamental de ocultar determinados sinais clínicos das doenças, dificultando seu diagnóstico mais precoce. Por isso, a prevenção de certas epidemias se torna tão importante para reduzir os impactos financeiros e evitar o aparecimento de infecções massivas nos rebanhos.

    A Elanco, divisão de saúde animal da Lilly, recomenda o uso de antibióticos intramamários na secagem das vacas leiteiras, visando reduzir riscos de infecções no úbere durante o período seco e/ou início da próxima lactação.

    Fonte: Elanco / Ketchum



  • MANEJO EFICIENTE DA PASTAGEM AJUDA NA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE

  • Para acessar mercado premium e que melhor remunera com a criação a pasto, é preciso planejamento, animais de boa genética e principalmente escolher cultivares com alto valor nutritivo para alimentação

    + leia mais
  • Pantanal tem 14 cidades em emergência, mais incêndios e mortes de animais no MS

  • Região vive período de forte estiagem, o que motivou o decreto de emergência por parte do governo local

    + leia mais
  • Pasto rotacionado: sobrou capim? Saiba por que isso é um ótimo sinal

  • Confira as novas dicas do doutor em zootecnia Gustavo Rezende Siqueira, pesquisador do Polo Regional de Alta Mogiana da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA)

    + leia mais


  • Criação de sites