• Genética
  • Estação de monta ajuda a controlar calendário na fazenda

    17/11/2016
    Especialista discute janela ideal, principais benefícios, cuidados e preparação para o ciclo que deve se iniciar em breve

    Entre as vantagens está a concentração dos partos

    Você faz estação de monta na sua fazenda? De quantos meses? Com o período ideal batendo à porta, a veterinária e especialista em reprodução da Embrapa Gado de Corte, Alessandra Nicácio, relembra as vantagens de concentrar os acasalamentos em três ou, no máximo, quatro meses após o início das chuvas.

    De acordo com Alessandra, a recomendação por essa época do ano se dá em função da melhor qualidade das pastagens. “Como o pasto já estará rebrotando, as vacas conseguem ter um aporte nutricional mais adequado”, diz.

    Tendo bom escore corporal, o desempenho das fêmeas é melhor e, com os acasalamentos limitados a um intervalo, o produtor tem maiores chances de calendarizar as atividades na fazenda. “A estação de monta facilita bastante o manejo e também a gestão da propriedade”, afirma Alessandra.

    Trabalhando com a estação de monta, é possível estipular, por exemplo, uma data para diagnóstico da prenhez. “É acabar tudo e o produtor pode esperar em torno de 60 dias, no máximo, para fazer esse diagnóstico. As vacas vazias ele descarta, liberando as pastagens para outras categorias animais”, explica Alessandra. Considerando que a estação aconteça entre os meses de novembro, dezembro e janeiro, o descarte se dá até março.

    Daí em diante, dado o prazo de nove meses e meio, o nascimento dos bezerros também fica concentrado. Acontece durante a seca, quando o risco de transmissão de doenças no parto é menor. No ambiente da fazenda, em geral, a preocupação também diminui quanto à ação de parasitas, sejam eles carrapatos, bernes, moscas ou vermes.

    Por conta de parir na estação seca, no entanto, a ressalva que se faz é sobre a nutrição das vacas, que têm uma demanda intensa no final da gestação e início da lactação.

    “Isso acontece porque no final da gestação é que o bezerro cresce bastante e, na sequência, essa vaca precisa de energia para a lactação e, em pouco tempo, para voltar a ciclar”, diz Alessandra. Segundo ela, como raramente os produtores têm condições fazer uma suplementação, a alternativa é recorrer a pastos-maternidade – áreas que devem ser reservadas ainda no período chuvoso para estarem aptas a receber essas fêmeas.

    Outro benefício da estação de monta é a possibilidade de fazer a castração e marcação dos novilhos na idade correta e em época de baixa incidência de bicheiras. “Em uma propriedade onde se tem acasalamento o ano todo, você quase sempre está com bezerro para desmamar, vacinar, castrar. À medida em que concentra as atividades, facilita muito a organização do dia a dia”, diz. Isso sem falar que os lotes de animais passam a ser mais homogêneos.

    Estações de monta muito longas

    “Se você tem três meses de estação de monta, a gente fala em quatro meses de parto. Se tem seis, já são sete meses. Daí a importância de concentrar os acasalamentos. Senão, nesse caso dos seis meses de estação, por exemplo, vão ser necessários 13 meses para fechar um ciclo”, alerta a pesquisadora. Quanto maior a janela, menor é o retorno em termos de planejamento das atividades.

    Para quem trabalha hoje com um período de seis meses e tem a intenção de reduzir esse tempo, Alessandra recomenda focar em que as vacas emprenhem no início da estação ou o quanto antes possível.

    Nesse processo, o encurtamento da janela deve ocorrer de forma gradual. “A recomendação é encurtar de 15 a 20 dias por ano. Então, se sua estação de monta tiver seis meses esse ano, ano que vem você vai fazer com 5,5, e assim por diante. Se tentar encurtar de seis para quatro de uma só vez você vai ter uma quebra muito grande de produção. Muitas vacas que não vão emprenhar e menos bezerros nascendo no ano seguinte”, explica.

    Para encurtar a estação, Alessandra lembra que a inseminação-artificial-de-tempo-fixo (IATF) é uma excelente ferramenta, desde que o produtor tenha condições de arcar com seu custo e tenha a infraestrutura necessária para implementar seu manejo. “As vantagens atreladas à técnica são aquelas que os produtores conhecem: maior sincronização dos acasalamentos, eliminação da necessidade de fazer observação de cio, melhor controle das atividades, lotes mais homogêneos e ganho genético com a utilização de sêmen de animais provados”.

    Preparação para o acasalamento - De acordo com Alessandra, o melhor momento para planejar a estação de monta é durante o processo no ano anterior. “Porque é ali que eu estou vendo o que está dando errado, que posso observar como melhorar da próxima vez”.

    A pesquisadora também pondera que o produtor deve fazer anualmente o exame andrológico em seus touros de cobertura. Além disso, recomenda ter em mente algumas questões: Qual foi a minha taxa de prenhez? Será que os meus touros estão bons? Como está a condição corporal das vacas? “E aí não tem jeito, isso depende de um acompanhamento ao longo do ano, que não adianta querer fazer de uma hora para outra”, completa.

    Fonte: Portal DBO

  • Projeto Campos do Araguaia busca adequação ambiental em propriedades do MT

  • O projeto irá apoiar a intensificação e restaurar de 130 mil hectares de pastagens no Médio Araguaia/MT. Serão realizadas adequação ambiental e intensificação sustentável em 50 propriedades rurais em

    + leia mais
  • Rally da Pecuária 2017 vai a campo em cenário de maior oferta

  • Produtores mais tecnificados tendem a manter ou até aumentar a rentabilidade apesar da queda nos preços

    + leia mais
  • iLPF proporciona estabilidade da oferta de forragem na propriedade leiteira

  • A região de Unaí, no Noroeste de Minas Gerais, é uma das principais bacias leiteiras do estado. Além do período da seca, a forte influência de veranicos e as altas temperaturas durante as águas são um

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites