• Genética
  • Fertilização In Vitro revoluciona pecuária no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba

    10/06/2021
    Brasil é líder mundial neste mercado, que promete melhorar a genética dos plantéis de corte e de leite em todo o mundo.

    A Fertilização In Vitro (FIV) em bovinos tem revolucionado a pecuária para produtores do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. A tecnologia ajuda a melhorar a genética dos plantéis de corte e de leite. O Brasil é pioneiro nesta tecnologia e vende embriões para diversos países em todo o mundo.

    De acordo com o médico veterinário Matheus Cunha, o processo da FIV começa na escolha a dedo de um macho e uma fêmea para doarem o material genético.

    Esse material é levado para um laboratório, onde passa por análise e são escolhidas as melhores células reprodutoras para serem fecundadas. Após a fecundação, o embrião recém-formado é transferido para uma vaca que seja capaz de gestá-lo até o nascimento.

    O diferencial desta técnica é que, com a seleção cuidadosa dos animais e das células reprodutoras, os produtores conseguem garantir que apenas as melhores características serão passadas adiante.

    Além disso, é possível que uma mesma vaca geneticamente superior gere diversos embriões em um ano e vacas que, por alguma razão, não consigam se reproduzir naturalmente, possam gestar mesmo assim.

    “Hoje eu diria que é inadmissível multiplicar um animal comum. Nós temos que multiplicar animais superiores, seja na cadeia do corte ou do leite. Então esse é o nosso objetivo, melhorar a genética no Brasil e no mundo com animais que sejam agregadores em qualquer plantel”, explicou o produtor rural de Uberaba, Plauto Demétrio.

    Por isso, o uso dessa tecnologia é indicado para os produtores que queiram melhorar a produtividade dos negócios, seja ele a produção de gado de corte ou de leite. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia), Márcio Nery, esta técnica tem se tornado cada vez mais acessível para os produtores brasileiros.

    Somente na Zebu Embryo, central e fazenda de fertilização que fica a 20 km de Uberaba, o comércio deste produto é realizado através de um rebanho de mais 300 animais. Apenas uma dose de sêmen bovino é capaz de gerar até 25 embriões, diminuindo os custos do uso da FIV. Além de vender para o mercado interno, a empresa também vende para outros oito países.

    No entanto, o presidente da Asbia emitiu um alerta para que os produtores adotem esta técnica com cautela.

    “A FIV imprime muita velocidade ao melhoramento genético, afinal será utilizado o melhor do touro e o melhor do lado materno das vacas. E nesse sentido, tem que ser muito escolhido. O rebanho de doadoras é fundamental ser muito bem escolhido para que a FIV realmente seja bem sucedida e haja melhoramento genético", disse Nery.

    Fonte: Globo / G1  com curadoria Boi a Pasto.



  • CAP disponibiliza curso gratuito de proteção de ruminantes e equinos em transporte de longa duração

  • CAP disponibiliza curso gratuito de proteção de ruminantes e equinos em transporte de longa duração

    + leia mais
  • Starrett troca plástico por papelão nas embalagens de Serra Manual e eliminará o consumo de 7,9 toneladas do material ao ano

  • Substituição reduzirá ainda em 25% as emissões de CO2; Objetivo da empresa é que todas as suas embalagens sejam sustentáveis

    + leia mais
  • IICA e Fundo Verde do Clima fecham parceria de US$ 100 milhões para projetos de redução das emissões de metano nas Américas

  • Para secretário de Inovação do Mapa, Fernando Camargo, iniciativa pode ajudar países a cumprirem meta de diminuir as emissões de metano na pecuária

    + leia mais
  • Lei de pagamento por serviços ambientais é incentivo para cuidar do pasto

  • Pesquisadores da Embrapa destacaram a ligação entre das boas práticas de manejo do pasto e a nova lei de pagamento por serviços ambientais

    + leia mais


  • Criação de sites