• Notícias
  • Gigantes da carne no Brasil estão mais cautelosas com desmatamento, aponta estudo inédito

    07/09/2019
    Líderes nas exportações e mercado doméstico, quatro companhias brasileiras de capital aberto aparecem com risco de médio a alto em ranking global de sustentabilidade

    Desmatamento na Amazônia

    Pecados da carne

    Inconsistência na rastreabilidade da soja e do gado e ausência de planos para lidar com

    a escassez de água são alguns dos riscos verificados em gigantes brasileiras

    • Empresas têm ações negociadas na Bolsa e embutem riscos ainda desconhecidos por investidores
    • Notícia positiva: três das quatro brasileiras estudadas já anunciaram investimentos e lançamentos  em proteínas alternativas

    Londres e Rio - O debate sobre preservação ambiental já pressiona as gigantes brasileiras do setor de carne. Elas se mostraram as mais atentas do mundo em relação a desmatamento, embora no conjunto dos parâmetros de sustentabilidade (ESG) sejam classificadas em alto e médio risco, conforme estudo inédito da Fairr Initiative, associação fundada pelo investidor Jeremy Coller. Com 163 membros - incluindo UBS, Schroders e Robecco, a Fairr Initiative acompanha 107 empresas da cadeia de proteína animal e elabora um ranking de sustentabilidade com as 60 maiores do mundo.

    O objetivo é identificar riscos e oportunidades no segmento. Quatro brasileiras estão no ranking, o Coller Fairr Index. Três - JBS, Marfrig BRF - foram classificadas como companhias de risco médio em parâmetros ESG (riscos de governança e socio-ambientais). A Minerva, que estreia no índice, foi considerada de alto risco.

    Ainda que melhor que a de outras regiões, a pontuação das brasileiras também é medíocre (51%). Além do mais, seus compromissos parecem relacionados só à Amazônia, ignorando o Cerrado e outros biomas. As empresas brasileiras também se mostram pouco dispostas a assumir compromisso com a rastreabilidade do gado e da soja para rações. 

    Fogo na Amazônia

    O fogo na Amazônia e as subsequentes ameaças de sanções pelas empresas europeias deixam claro que os problemas de sustentabilidade, como devastação e emissão de gases de efeito estufa, são um risco material para as companhias brasileiras. Este cenário manda um forte sinal ao mercado: as empresas estão levando a sério os riscos ambientais”, diz Iman Effendi, pesquisador e gerente de engajamento da Fairr Initiative

    E os resultados do Coller Fairr Index também mandam uma mensagem clara: a demanda por carne continuará a impulsionar a devastação ambiental e a gerar outros riscos ambientais. Assim, é essencial que os produtores brasileiros diversifiquem suas fontes de matéria-prima, reduzindo a dependência de ativos mais arriscados e incluindo produtos mais sustentáveis, como a ‘carne vegetal’, em seus portfólios.” 

    Outros insights no estudo da Fairr:

    • Rastreabilidade da soja: apenas a Marfrig tem controle do grão a partir das plantações e do gado e a partir do pasto. A JBS só rastreia o gado de fornecedores diretos, bem como o faz com a soja 
    • Escassez de água: Marfrig e JBS reconhecem o debate sobre o uso de recurso nas plantações, mas não discutem planos para mitigar o problema
    • Resíduos e poluição: Marfrig e Minerva não discutem o tema
    • JBS e BRF abrem os dados sobre emissões de gases de efeito estufa das operações nas fazendas de gado, mas não das plantações para rações, que representam 45% do volume das emissões do setor. BRF e Marfrig informam aumento nas emissões. JBS afirma que suas emissões estão em queda, mas não completou o questionário sobre o assunto 
    • Proteínas alternativas: três das quatro anunciaram investimentos e lançamento de produtos

    Iman Effendi, pesquisadora



  • Santander e Esalq/USP revelam vencedores da segunda edição do Prêmio Novo Agro

  • O Santander e a Esalq/USP revelam os oito vencedores do “Prêmio Novo Agro”.

    + leia mais
  • YAMI - Youth Agribusiness Movement International encerra sua primeira edição e amplifica presença do jovem no agronegócio

  • Com temas voltados para modernização do campo, liderança e sucessão, as novas mentes do agronegócio debateram o futuro em um evento disruptivo.

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites