• Nutrição
  • Irrigação de pastagem ganha espaço

    08/01/2014
    A irrigação de pastagem vem ganhando espaço no Brasil nos últimos anos, principalmente para a pecuária leiteira. E pode ser utilizada nas mais diversas variedades de capim cultivadas no país.

    irrigação de pastagem

    O quadro Conversa de Curral, do Jornal da Pecuária, debateu o assunto, focando na região Nordeste, com o engenheiro agrônomo e doutor em Irrigação e Drenagem, André Fernandes. Segundo o especialista, antes de investir no sistema é preciso estar preparado para manejar toda a pastagem a fim de não ter desapontamentos.

    Em se tratando de irrigação para o Nordeste, tem alguma diferença em relação às outras partes do país? 

    Fernandes: Sem dúvida. A irrigação no Nordeste tem uma série de vantagem em relação a nós que estamos aqui no centro sul. Porque grande parte das áreas de pastagem no Nordeste está em regiões que tem temperaturas muito mais altas. A temperatura mínima praticamente em nenhum mês do ano fica abaixo de 15, 16 graus. E isso favorece demais o crescimento da pastagem.

    Qual o mínimo de recurso hídrico por hectare que se precisa pra ter uma ideia se há esse recurso em volta?

    Fernandes: A conta que a gente faz, claro, depende da evaporação de cada região, mas vai aí de 1,5 a 2 mil litros por hectare por hora que se precisa ter disponível. É possível ter um parâmetro por hectare de quanto custa a irrigação, considerando todos os sistemas que existem? Fernandes: Para pastagem a gente usa basicamente dois sistemas, que é o mecanizado, tipo pivô central, se tiver uma área grande que caiba um pivô central que é uma irrigação circular, e ele vai gastar aí em torno de R$ 5 mil a R$ 5,5 mil por hectare. Agora se for uma área pequena, que aí o pivô se torna inviável, aí ele vai colocar aspersão. Ou aspersão convencional ou aspersão em malha. O custo da malha é de R$ 3 a R$ 4 mil por hectare. Ele é mais barato que o pivô central e atende muito ao pequeno produtor.

    Alguma forrageira seria mais indicada para o Nordeste?

    Fernandes: Pelo o que a gente tem trabalhado no Nordeste, pela temperatura, dando água, dando nutriente, praticamente todas as forrageiras vão muito bem. Tifton, braquiária, mombaça, tanzânia, tudo isso vai muito bem lá, sem nenhum problema. O que a gente tem que pensar é o seguinte: quando a gente adota, passa de um sistema de sequeiro para um sistema irrigado, tem que mudar a cabeça do pecuarista, é outra realidade. Então aí ele vai ter que investir em corretivo do solo, em adubação, nutrição folear, uma série de coisas que são bem diferentes do que ele faz na agricultura de sequeiro. Porque daí é um sistema de produção altamente eficiente. Água não vai resolver tudo. É o sistema inteiro que tem que mudar. Inclusive com rotação de pastagem. O manejo da pastagem é fundamental. Água só não vai resolver o problema.

    Fonte: CANAL RURAL



  • Suplementação mineral é essencial para rebanho, mas exige medida específica

  • Não existe receita de sucesso e é preciso fazer análise real de cada caso

    + leia mais
  • A vez delas também na pecuária

  • Estamos falando das fêmeas bovinas como fiel da balança na hora de melhorar a rentabilidade do negócio. Na cobertura a campo, predominante na pecuária nacional, produzem em média 28 filhotes por ano,

    + leia mais
  • Uma nova revolução

  • Eficiência alimentar passa a ser grande preocupação dos principais selecionadores de bovinos do País. A característica promete conferir maior competitividade à produção de carne vermelha.

    + leia mais
  • Genética no tempo, sem artificialismos

  • Respeitando a fixação de características no rebanho ao longo do tempo sem quaisquer maquiagens nas informações observadas e coletadas no campo.

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites