• Manejo
  • Manejo correto de vacinação diminuem chance de abscesso nos animais

    05/07/2017
    A recente suspensão dos EUA à carne in natura brasileira em razão de abscessos provocados por reação de animais à vacina contra febre aftosa reascendeu a discussão sobre a importância do manejo na fazenda no momento da vacinação.

    Cuidados com a conservação da vacina, realizar o manejo com calma e com os animais contidos individualmente estão entre os fatores que podem contribuir para diminuir a chance de reação dos animais, com consequente perdas no frigorífico e risco do mercado não aceitar o produto.

    “Ainda há muito a melhorar no campo para diminuir os índices de perda em razão dos abcessos. Estima-se que em média se perca no Brasil cerca de 500 gramas de carne por animal abatido devido a aplicações em locais impróprios que podem causar fibrose e até abscessos em cortes nobres, como picanha, alcatra, contrafilé, entre outros”, afirma o médico veterinário Renato dos Santos, responsável pela Área de Manejo Racional da Beckhauser e um dos principais especialistas nesse tema.

    Segundo ele, uma das preocupações que é preciso ter é com a conservação da vacina. Elas devem ser conservadas no gelo, na temperatura de 2º a 8º C, desde sua aquisição até o momento da aplicação, para que preserve sua qualidade e produza os efeitos protetores desejáveis. “A conservação de vacinas em fazendas usando a geladeira é de alto risco porque o fornecimento de energia é bastante deficiente e instável. Muita gente, porém, tem dificuldade em usar corretamente a caixa térmica. É preciso se lembrar de retirar a água que forma no interior da caixa térmica constantemente, pois essa água contaminada pode entrar na agulha e ser aplicada no animal. O ideal é utilizar gelo seco, que é distribuído gratuitamente nas lojas de produtos agropecuários”, orienta Renato.

    Outro aspecto crítico, segundo o veterinário, é retirar o ar da seringa, que é a maior causa de erros de dosagem e refluxo. “Os aplicadores costumam ter muita dificuldade com o ar misturado na vacina e injetar ar no animal gera lesão. Além disso, deve-se observar com frequência se a dose está dentro do estabelecido pelo fabricante da vacina”, destaca.

    Evitar que a vacinação seja sinônimo de estresse também ajuda a diminuir a chance de reações, pois isso pode provocar aumento de até dois terços na produção de hormônios, como o cortisol, consequências fisiológicas que fazem com que o animal tenha menor probabilidade de reagir imunologicamente à vacina. “Por isso, o manejo deve ser feito com calma e sem agressões para que seja possível aproximar-se dos 100% de eficiência na imunização; do contrário, provavelmente a fazenda estará jogando boa parte da vacina fora. A condução dos animais até o curral deve sempre ser realizada com calma, sem correrias ou gritos. Uma dica é usar sempre um vaqueiro diante da tropa (ponteiro) e não utilizar objetos pontiagudos para conduzir o gado, muito menos choque”, recomenda o veterinário.

    Conter individualmente os animais ao invés de vaciná-los no brete coletivo também ajuda a diminuir os riscos de abscessos. Soltos no corredor, há ainda o risco de quebra da agulha, perda de equipamentos e de doses, sangramento e refluxo da vacina por causa dos movimentos constantes dos animais. Tudo isso influencia nos gastos finais com a vacinação e nas perdas no frigorífico por lesões vacinais causadas por aplicações incorretas.

    Ao contrário do que se imagina, a vacinação em contenção individual leva o mesmo tempo que a vacinação em brete coletivo, mas traz muito mais benefícios ao produtor. A conclusão é do ETCO (Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia e Ecologia Animal). Segundo o estudo feito pelo Grupo, o tempo médio gasto para vacinação na contenção individual é menor que o gasto no brete (9,3 segundos contra 10,2 segundos por animal). No brete, as interrupções para socorrer acidentes, como levantar animais que caíram, acabam prolongando o tempo de trabalho.

    “Se a fazenda fizer o teste dividindo um lote em dois – no mesmo curral, com a mesma equipe – e marcar o tempo desde a entrada do primeiro animal até a saída do último, vai ver que o tempo é o mesmo, isso se não cair nenhum animal no brete coletivo que dê trabalho para levantar. Mas a qualidade do trabalho, o rendimento do manejo, a tranquilidade da equipe e dos animais e a segurança é muito maior na vacinação racional, com os animais contidos um a um no equipamento de contenção”, destaca o veterinário.

    Para saber mais, acessa o episódio a websérie Manejo Racional sobre vacinação feita pela Beckhauser: https://www.youtube.com/watch?v=uBNql7LSKHU

    Fonte: Beckhauser / Attuale



  • Por uma nova pecuária brasileira

  • O livro Carne e Osso lançado em 2015 pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne traz um relato inédito sobre as origens e a evolução da indústria da carne brasileira, a reboque da

    + leia mais
  • Agro tem papel de destaque na preservação ambiental

  • Cálculos do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (Gite) da Embrapa, a partir das análises de dados geocodificados do Cadastro Ambiental Rural (CAR), mostram significativa participação da agri

    + leia mais
  • iLPF proporciona estabilidade da oferta de forragem na propriedade leiteira

  • A região de Unaí, no Noroeste de Minas Gerais, é uma das principais bacias leiteiras do estado. Além do período da seca, a forte influência de veranicos e as altas temperaturas durante as águas são um

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites