• Notícias
  • Marfrig monitorou 62% de seus fornecedores de gado na Amazônia em 2020

    03/03/2021
    Percentual inclui fornecedores diretos e indiretos e representa crescimento de cerca de 30% ante o registrado em 2019.
    (Foto: AFP)
     
    Segunda maior processadora de carne bovina do Brasil, a Marfrig ampliou em cerca de 30% o monitoramento de seus fornecedores na Amazônia em 2020, ano em que o bioma foi alvo de uma série de críticas e pressões internacionais devido ao aumento do desmatamento.
     
    Segundo números divulgados pelo diretor de sustentabilidade e comunicação da companhia, Paulo Pianez, 62% dos pecuaristas que venderam animais direta ou indiretamente aos frigoríficos da Marfrig no bioma foram monitorados no último ano ante cerca de 48% em 2019.
     
    “Ao longo do ano passado, mais os esforços que foram feitos principalmente nos últimos três meses, a gente conseguiu elevar esse nível de identificação na Amazônia e já estamos em 42% também no Cerrado”, detalhou o executivo ao anunciar um financiamento de US$ 30 milhões da companhia junto a um fundo internacional para desenvolver mecanismos de rastreabilidade nos dois biomas.
     
    De acordo com Pianez, a Marfrig possui cerca de 30 mil fornecedores diretos no Cerrado e na Amazônia, podendo chegar a 330 mil quando considerados os indiretos.
     
    O monitoramento de fornecedores indiretos é parte de um compromisso firmado pela empresa ainda em 2009, mas ganhou força no ano passado – quando o aumento do desmatamento no bioma elevou as pressões internacionais sobre empresas agropecuárias que atuam na região.
     
    Foi nesse contexto que a empresa anunciou, em junho último, um plano para eliminar o desmatamento da sua cadeia de fornecimento no Amazônia e no Cerrado até 2030 com um investimento total de US$ 500 milhões.
     
    “O desafio não é a tecnologia, o desafio é o engajamento do produtor e a identificação ao longo da cadeia. De uma cadeia que é complexa, não verticalizada e que não tem contrato formal com a companhia”, ressalta o diretor de sustentabilidade e comunicação da Marfrig.
     
    Para obter o financiamento de US$ 30 milhões, anunciado na quarta-feira (24/2), a companhia comprometeu-se a seguir um plano de ação que inclui aprimorar os critérios de sustentabilidade na compra de gado nos dois biomas ainda este ano com base em mapeamentos de risco elaborados a partir de informações públicas de desmatamento e crimes ambientais.
     
    É com base nesse levantamento que a Marfrig buscará se aproximar dos pecuaristas onde há mais risco de desmatamento para, a partir do diagnóstico dos problemas locais, propor ações que promovam a regularização social, ambiental e fundiária desses fornecedores.
     
    “O que não existia era a possibilidade de se ter um approach como esse. Ou pelo menos não tínhamos identificado que poderia ter esse tipo de approach. O approach anterior que  tentamos não foi suficiente. Mas a gente acredita que agora temos o melhor caminho para que se possa efetivamente fazer a rastreabilidade ao longo da cadeia tanto no Cerrado quanto na Amazônia”, conclui Pianez.
     
    Fonte: Globo Rural com curadoria Boi a Pasto.
  • Pegada hídrica entre bovinos pode variar até sete mil litros por quilo de carcaça

  • É a primeira vez que é calculada no Brasil a pegada da carne bovina com dados gerados no próprio sistema de produção

    + leia mais
  • Artigo - Ataques de percevejo castanho em pastagem exigem atenção do produtor

  • Fabrícia Zimermann Vilela Torres, engenheira-agrônoma e pesquisadora em entomologia de forrageiras tropicais.

    + leia mais


  • Criação de sites