• Sustentabilidade
  • Moeda Semente abre apoio para projeto que é solução para agricultores familiares no RJ

    18/02/2021
    Primeira Fintech de Impacto Socia do país vai expandir o Projeto Semente VVIDAA para o segundo Estado brasileiro atendendo 7 ODSs da ONU
    Foto: Divulgação.
     
    A Moeda Semente, primeira fintech a utilizar blockchain para impacto social no Brasil, vai expandir seu Projeto Semente VVIDAA para o Rio de Janeiro. Já aberto para apoio no site da Moeda e no app MoedaPay, a iniciativa espera angariar R$250 mil dos apoiadores para a implementação de um centro de logística e distribuição no Estado. Com isso, pretende impactar direta e indiretamente 272 famílias. Agricultores familiares, entregadores e consumidores se beneficiarão não apenas economicamente, mas também se manterão seguros durante a crise sanitária provocada pela Covid-19. Além disso, o projeto democratiza o investimento em impacto, uma vez que os apoios começam em R$25,00.
     
    “O Rio de Janeiro tem características únicas e criar uma ferramenta que apoie o produtor local cumprirá o propósito da Moeda Semente, que é gerar impacto social e garantir melhores condições para micro e nano produtoras e empreendedoras”, comenta Taynaah Reis, fundadora e CEO da fintech. Por isso, ainda segundo a executiva, o Rio de Janeiro foi escolhido como a primeira cidade para a expansão do projeto que contempla ainda SP, CE, MG e GO, entre outros.
     
    A segurança alimentar é uma das ocupações foco da Moeda. O projeto foi lançado em março de 2019, buscando apoio em sua plataforma para que agricultores familiares e entregadores do DF pudessem manter suas atividades sem colocar em risco sua segurança. Em sua primeira fase, recebeu R$80 mil, a partir do apoio de 31 pessoas (Semeadores de Impacto), o que possibilitou a criação do Market Place Portal VVIDAA. Um total de 53 famílias já foram impactadas desde a implementação, e 5 entre os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU foram atendidos.
     
    Utilizando blockchain para garantir a transparência em cada passo desde a arrecadação do dinheiro até sua utilização, em sua primeira fase o projeto automatizou a operação de associações e cooperativas, implantou o mktplace para comercialização dos produtos alimentícios, possibilitou acesso a serviços financeiros e crédito orientado. A principal meta era capacitar os envolvidos sobre riscos e formas de mitigação em todo o processo do trabalho tendo em vista o cenário de contaminação por Covid-19. 
     
    Para os Semeadores de Impacto, além da transparência por parte da Moeda Semente em todo o processo, no final da primeira fase do projeto receberam o valor colocado acrescido de 8% como bônus – o que também acontecerá na segunda fase, bem como em todos os projetos semente.
     
    Sobre a Moeda Semente
    Fundada em 2017 em um Hackaton da ONU para estimular a criação de projetos em pro dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável com uso do Blockchain, a Moeda Semente atua como um ecossistema com diversas soluções tecnológicas para micro e nano produtores e empreendedoras. A fintech é a primeira do Brasil com foco em impacto social e sua MDA – primeira Criptomoeda criada por uma brasileira – é a única nacional listada na Binance. Nos seus 4 anos de atuação já viabilizou 120 Projetos Sementes, levando impacto social direto e indireto a 7781 pessoas.
  • Setor de genética questiona aumento do ICMS

  • Documento entregue aos legisladores de São Paulo pede a retificação deste incremento

    + leia mais
  • Consórcio de leguminosa e gramínea resulta em aumento de ganho de peso de bovinos e mitigação de gases de efeito estufa

  • Com um ano, pesquisas com pastagens consorciadas já apontam dados positivos para pecuária

    + leia mais


  • Criação de sites