• Notícias
  • Mulheres do agronegócio pedem passagem

    31/10/2016
    Pesquisa divulgada agora, no I Congresso Brasileiro de Mulheres do Agronegócio, revela que 13% dos gestores que “atuam em empreendimentos agropecuários ativos” são do gênero feminino.

    Coriolano Xavier*

    Um contingente da ordem de 650 mil mulheres, empreendendo ou desenvolvendo trabalhos executivos em um setor visto tradicionalmente como masculino, e o curioso é que muitas delas – segundo o estudo – nem sequer se percebem assim, como gestoras de um negócio ou de um sistema produtivo, embora exerçam a liderança em operações desse tipo.

    Isto por si só já é um fato razoavelmente disruptivo, na tradição do agronegócio. Mas a pesquisa revela ainda outro aspecto interessante: 55% das mulheres gestoras do agro fazem uso regular da internet e das mídias sociais e – dentro desse grupo – 60% fazem “posts” diários nas redes. Enquanto isso, o uso regular das redes está em 48% na média brasileira, ou seja, no novo mapa decisório do campo, o comando feminino vem crescendo e vem casado com maior inclusão digital, formando uma combinação de alto potencial transformador.

    Mas a perspectiva de um novo estilo gestor por parte dessas mulheres vai além, pois segundo os resultados da pesquisa 83% das gestoras do agro participam de organizações de integração ou articulação sócio econômica – como cooperativas, sindicatos e associações profissionais ou setoriais. De acordo com o estudo, em média cada uma participa de mais de uma entidade (na verdade, 1,5 conforme o levantamento), indicando um perfil de gestora conectada no mundo digital e na mobilização social. Hiper participativa.

    Ainda segundo as conclusões da pesquisa, as mulheres gestoras do agro equacionam melhor a sucessão familiar, pois treinam mais os filhos para gerenciar os negócios, enquanto os homens costumam deixar isso um pouco de lado. E elas também manifestam uma visão mais holística sobre suas atividades e empreendimentos, ponderando que os bons resultados do seu trabalho têm que beneficiar a todos – da própria família a seus pares do campo e às populações das cidades.

    Perguntadas sobre os aspectos que mais poderiam impactar positivamente o progresso e o crescimento de seus negócios, as três coisas que receberam maior número de citações foram: genética (57%); rotação de culturas (55%); e ILPF – Integração Lavoura Pecuária Floresta (54%).  São fatores hoje associados a uma gestão moderna da produção agropecuária, indicando que as nossas gestoras do agro estão com a cabeça no século XXI.  Mais ainda: denotam atitude realizadora e foco forte em seu trabalho, sem buscar bodes expiatórios em outras dimensões de governança ou da sociedade.

    Parecem mais sensíveis à mudança, mais permeáveis, e tentam fazer as coisas de um modo diferente, experimentando e testando novas alternativas, com tranquilidade e mais ousadia. É o que diz a pesquisa. Tudo temperado com um olhar mais social na condução das equipes e nas opções estratégicas de negócios.  “Acho que o agro está ganhando uma nova geração de ‘locomotivas expressas’ dos negócios”, resumiu a coordenadora da pesquisa, Adélia Franceschini. E eu ainda acrescentaria: são mulheres que tem pressa, conscientes, dispostas a brigar mais por seus planos e pela sustentabilidade.

    ¹“Perfil das Mulheres do Agronegócio / 2016”, pesquisa organizada por Transamerica Expo Center e PWC, realizada pelo instituto Fran6 e divulgada no I Congresso Brasileiro de Mulheres do Agronegócio – São Paulo, 25/10/2016.

    Sobre o CCAS

    O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

    O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

    Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

    A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça. Mais informações no website: http://agriculturasustentavel.org.br . Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel

    *Coriolano Xavier, Vice-Presidente de Comunicação do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM.

    Fonte: CCAS / Alfapress

  • Protocolo de nascimento: 5 pilares para uma cria produtiva

  • *Por Lucas Marques - Analista técnico da OuroFino

    + leia mais
  • Pastejo contínuo ou rotacionado, qual a melhor opção para o rebanho?

  • O zootecnista da Soesp explica como escolher o sistema de pasto para ter resultados mais efetivos na propriedade

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites