• Conjuntura
  • O agronegócio pode movimentar um trilhão de dólares em 2024

    29/11/2018
    Movimentar um trilhão de dólares no agronegócio em 2024? Por que não?

     José Luiz Tejon Megido*

    Sim, um trilhão. Poderíamos movimentar esse valor no agronegócio em 2024, no início do governo posterior a este que iniciará em janeiro de 2019.

    Imagine em 2024, um novo governo, e só do PIB (Produto Interno Bruto) do agronegócio computaríamos um trilhão de dólares. Seria uma injeção de cerca de 25% em cima do PIB total do país hoje, um pouco mais do que dois trilhões de dólares no total.

    Mas, quanto o agronegócio movimenta hoje? Depende da taxa do dólar; cerca de 500 bilhões de dólares/ano. Então, como dobrar isso em quatro anos?

    Só será possível com um planejamento integrado de agronegócio. Isso significa convocar a agroindústria, o comércio, os serviços, além dos produtores rurais e suas cooperativas para um plano, em que sem agregação de valor jamais conseguiríamos.

    Precisaríamos ter marcas, vender produtos agroindustrializados, vender serviços, ter o turismo agroambiental hightech, bebidas, algodão e seda com grife assinada por Gisele Bündchen. Frutas, hortaliças, pescado...sem perder o que já conquistamos.

    Precisamos de um planejamento estratégico e de um plano de marketing. “Mas seria possível?” Toda vez que alguém me diz ser algo impossível, mas eu creio na sua possibilidade.

    Dobrar o agribusiness brasileiro e injetar 25% bruto no total do PIB do país, e com isso representar em torno de 6,5% do movimento planetário do agribusiness, calculado em torno de 15 trilhões de dólares? Eu creio, até porquê, não existirá outro caminho para fazer o país voltar a crescer.

    Ministra Tereza Cristina, desde já, articule a indústria, o comércio e o serviço, pois os produtores rurais estão prontos, basta dar as condições e a segurança de mercado com inteligência tributária e velocidade legal.

    Ministra, crie desde agora o Ministério do Agronegócio.

    E o governo? Ele que siga a sociedade empreendedora organizada!

    * José Luiz Tejon Megido, membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM.

    Fonte: Alfapress

     

     



  • A vez delas também na pecuária

  • Estamos falando das fêmeas bovinas como fiel da balança na hora de melhorar a rentabilidade do negócio. Na cobertura a campo, predominante na pecuária nacional, produzem em média 28 filhotes por ano,

    + leia mais
  • Uma nova revolução

  • Eficiência alimentar passa a ser grande preocupação dos principais selecionadores de bovinos do País. A característica promete conferir maior competitividade à produção de carne vermelha.

    + leia mais
  • Pecuária competitiva é quebra de paradigma

  • Nada de fórmulas milagrosas. Tudo é trabalho, transpiração, interpretação de números e fatos, além de contínuo aprimoramento pessoal como empreendedor.

    + leia mais
  • Temple Grandin: Práticas de bem-estar animal traz vantagens para o gado e para o pecuarista

  • Pesquisadora norte-americana Temple Grandin está no Brasil e fala sobre a preocupação com o bem estar animal e sua importância para obter-se mais produtividade na fazenda. Ela é uma das maiores autori

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites