• Sanidade
  • OIE reconhece o Brasil como país livre de febre aftosa com vacinação

    30/05/2018
    Certificado foi entregue ao ministro da Agricultura na 86ª Sessão Geral da Assembleia Mundial, em Paris

    Hoje o Brasil comemora um novo status sanitário: livre de febre aftosa com vacinação. O certificado internacional foi entregue pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) ao ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi, durante a 86ª Sessão Geral da Assembleia Mundial, em Paris.

    Apesar de o Brasil estar há 12 anos sem registro da doença nos rebanhos, os estados do Amazonas, Roraima, Amapá e parte do Pará ainda não tinham sido reconhecidos pela OIE como áreas livres da enfermidade.

    “Com esse certificado, nós saímos da relação de países com áreas livres de febre aftosa e nos tornamos um país livre da doença com vacinação. No momento que temos o país todo na mesma condição sanitária, a segurança é muito maior”, disse o coordenador do Grupo Técnico de Defesa Sanitária da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Decio Coutinho.

    Para o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (FAEA), Muni Lourenço, o reconhecimento pela OIE é uma grande vitória e conquista do setor e representa um futuro muito positivo para a pecuária brasileira.

    “É uma honra representar um estado que vem lutando há mais de 50 anos contra a doença. São mais de 80 mil pessoas que vivem da pecuária amazonense. Acredito que a partir desse dia teremos valorização dos nossos produtos e abertura de mercados”.

    O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amapá (FAEAP), Luiz Iraçú Colares, agradeceu os pecuaristas brasileiros por contribuírem para essa importante conquista.

    Santa Catarina é o único estado reconhecido pela OIE como livre de febre aftosa sem vacinação. De acordo com Decio Coutinho, o próximo passo é erradicar a doença em todo o território brasileiro e obter o certificado internacional do país como livre de aftosa sem o uso da vacina.

    Para isso, o Mapa elaborou o Plano Estratégico para o Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), que prevê ações estratégicas para ampliar as zonas livres sem vacinação.

    “Para facilitar o processo de transição de país livre com vacinação para livre sem vacinação, os estados foram separados em cinco blocos. A retirada das vacinas está dividida em três etapas, iniciando em 2019 e finalizando em 2023”, explicou Decio.

    Fonte: CNA/SENAR



  • Temple Grandin: Práticas de bem-estar animal traz vantagens para o gado e para o pecuarista

  • Pesquisadora norte-americana Temple Grandin está no Brasil e fala sobre a preocupação com o bem estar animal e sua importância para obter-se mais produtividade na fazenda. Ela é uma das maiores autori

    + leia mais
  • Planejamento estratégico é requisito para pasto produtivo

  • Pasto produtivo, no novo conceito de mercado, é fundamental para que o produtor sobreviva e tenha rentabilidade.

    + leia mais
  • Agro tem papel de destaque na preservação ambiental

  • Cálculos do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (Gite) da Embrapa, a partir das análises de dados geocodificados do Cadastro Ambiental Rural (CAR), mostram significativa participação da agri

    + leia mais
  • Por uma nova pecuária brasileira

  • O livro Carne e Osso lançado em 2015 pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne traz um relato inédito sobre as origens e a evolução da indústria da carne brasileira, a reboque da

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites