• Conjuntura
  • Pecuária: produção do Brasil deve crescer 10% em 2020

    15/10/2020
    Para comissões do CRMV-SP, resultado histórico deve-se a competitividade brasileira, aliada a preços e vendas externas
    Foto: Divulgação.
     
    Não faltam motivos para celebrar em 14 de outubro, o Dia da Pecuária. De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o setor em 2020 deve ter um Valor Bruto de Produção (VBP) de R$ 771,4 bilhões, 10,1% superior em relação a 2019 e o maior já obtido na série histórica, iniciada em 1989. Destes números, R$ 252,3 bilhões são oriundos da pecuária.
     
    Ainda segundo o Mapa, alguns produtos estão obtendo resultados nunca vistos antes, como a soja, milho, carne bovina, carne suína e ovos. Preços internos, superiores aos de 2019, e as exportações de carnes e grãos, principalmente para a China, impulsionaram esse desempenho favorável.
     
    Para o zootecnista Celso da Costa Carrer, presidente da Comissão de Zootecnia e Ensino do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), há uma série de fatores que influenciam os bons resultados esperados para 2020.
     
    Segundo ele, a competividade brasileira é uma delas, pois o tamanho do rebanho permite escalar grandes volumes de produção. Além disso, o uso de tecnologia própria e internalizada por nosso ecossistema de pesquisa e extensão há mais de 40 anos contribuem diretamente para melhoria e desenvolvimento contínuos do setor.
     
    Para o médico-veterinário Odemilson Mossero, presidente da Comissão de Saúde Animal e vice-presidente do CRMV-SP, além da tecnologia, o forte investimento em prevenção proporcionou melhora na competitividade dos produtos brasileiros no exterior.
     
    “Hoje o Brasil exporta para mais de 150 países e isso deve-se à confiança devido aos programas sanitários que o País possui e que têm o envolvimento de toda a cadeia produtiva. Temos importantes programas implantados, como da erradicação da febre aftosa, da peste suína e da doença de Newcastle. Essa junção de tecnologia e prevenção contribuiu muito para elevar a produção e a credibilidade do Brasil”, afirma Mossero.
     
    Já Celso Carrer destaca vantagens comparativas em relação ao clima, extensão de terras e custos de insumos utilizados, com relações de troca relativamente favoráveis. “Esse conjunto de fatores nos tornam muito competitivos no quesito preço.”
     
    Na mesma linha segue o médico-veterinário e membro da Comissão de Saúde Animal do CRMV-SP, Fábio Alexandre Paarmann. De acordo com ele, os resultados de 2020 estão atrelados à competitividade, além do volume e preço das commodities.
     
    “O nosso custo de produção é reduzido, e com a nossa moeda, o Real, mais baixa que outras, é mais vantajoso para vender os produtos”, avalia Paarmann, que também é auditor fiscal federal agropecuário do Mapa.
     
    Tecnologia, produção e espaço físico
     
    De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), nos últimos anos, o Brasil reduziu a área ocupada com o gado e ao mesmo tempo expandiu a produção de carne. De 1980 a 2018 a produtividade aumentou em 176% e a produção de carne cresceu 139%. Isso significa também que 250,6 milhões de hectares deixaram de ser desmatados com o aumento da tecnologia dos últimos anos.
     
    O zootecnista Carrer explica que, classicamente, da combinação dos fatores de produção (terra, trabalho e capital) é que são geradas as condições ideais para que se viabilize a produção e a agregação de valor nos produtos agropecuários. A tecnologia é considerada um quarto fator de produção, porque quando aplicada corretamente, deve economizar pelo menos um dos fatores anteriores.
     
    “Neste sentido, quando se entra com uma tecnologia integrada, que resulta em conforto animal, manejo de pastagens, genética adaptada, biotécnicas de reprodução e formas mais precisas de gestão, melhorando as tomadas de decisão, intensifica-se a produção como medida de redução de impactos ambientais, sociais e econômicos. Aumenta-se o giro do capital e agrega-se valor aos produtos. O Brasil não precisa ampliar a área a ser explorada, mas recuperar a capacidade de produção de áreas sub-exploradas na pecuária”, ressalta o zootecnista.
     
    Pandemia do novo coronavírus e desafios
     
    Com a pandemia mundial do novo coronavírus, vários mercados e diversos setores produtivos sofreram impactos. No entanto, de acordo com o zootecnista do CRMV-SP, o resultado atual
     
    a pecuária de vários países desenvolvidos não possui as mesmas condições brasileiras. “A ameaça da pandemia, com toda a tragédia humana que tem ocorrido, abriu espaços de mercado externo que o Brasil está conquistando”, avalia Carrer.
     
    Atualmente, de acordo com Carrer, os maiores desafios passam pela queda da renda da população e, consequentemente, do consumo no mercado interno; por questões de convencimento dos compradores de que o Brasil respeita e produz carne de maneira social e ambientalmente corretas; exacerbação de movimentos de natureza claramente especulativos no tocante a terras e rebanhos.
     
    “Também é um desafio para o setor pecuarista brasileiro a solução de questões para a volta do investimento no âmbito produtivo e de logística nos modais de transporte e por uma reestruturação dos serviços de apoio e inspeção, de forma multiprofissional e integrada para o País”, finaliza.
     
    Para o médico-veterinário Odemilson Mossero, o início da pandemia trouxe prejuízos, mas ações e medidas orientativas do Ministério da Agricultura aliadas aos protocolos rígidos de segurança sanitária minimizaram os efeitos negativos do coronavírus ao longo dos meses. “Toda a cadeia seguiu as medidas e regras impostas pelos órgãos responsáveis. Com isso todo o segmento se fortaleceu na medida em que contribuiu para com a redução do risco de propagação do vírus em toda a cadeia produtiva.”
     
    Números do setor
     
    De acordo com dados da Abiec, foram exportadas 191 mil toneladas de carnes, resultando em 750 milhões de dólares. Os principais mercados para os produtos brasileiros são a China (40,93%), Hong Kong (15,93%), Egito (8,44%,), Chile (5,56%) e Estados Unidos (3,7%).
     
    Ainda segundo a Abiec:
     
    - 214,69 milhões de cabeças de gado;
     
    - 44,23 milhões de cabeças abatidas;
     
    - 10,96 milhões de toneladas de carne bovina (TEC) produzidas;
     
    - 8,75 milhões de toneladas de carne bovina (TEC) ficam no mercado interno;
     
    - 2,21 milhões de toneladas de carne bovina (TEC) são exportadas.
     
    Segundo dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), em 2019 foram produzidas 13,245 milhões de toneladas de carne de frango, sendo 4,214 milhões exportadas, gerando US$ 6,994 milhões. Em relação à carne suína, no mesmo período foram produzidas 3,983 milhões de toneladas, sendo exportadas 750 mil toneladas no valor de US$ 1,597 milhão de dólares.
     
    Sobre o CRMV-SP
    O CRMV-SP tem como missão promover a Medicina Veterinária e a Zootecnia, por meio da orientação, normatização e fiscalização do exercício profissional em prol da saúde pública, animal e ambiental, zelando pela ética. É o órgão de fiscalização do exercício profissional dos médicos-veterinários e zootecnistas do estado de São Paulo, com quase 42 mil profissionais ativos. Além disso, assessora os governos da União, estados e municípios nos assuntos relacionados com as profissões por ele representadas.
  • Protocolo de nascimento: 5 pilares para uma cria produtiva

  • *Por Lucas Marques - Analista técnico da OuroFino

    + leia mais
  • Pastejo contínuo ou rotacionado, qual a melhor opção para o rebanho?

  • O zootecnista da Soesp explica como escolher o sistema de pasto para ter resultados mais efetivos na propriedade

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites