• Nutrição
  • Pecuaristas de Rondônia buscam a soja para recuperação de pastagem

    09/03/2015
    Enquanto o plantio da soja está consolidado no Cone Sul de Rondônia, nas demais regiões a expansão está ocorrendo, principalmente, sobre áreas de pastagens degradadas que apresentam baixos índices produtivos.

    De acordo com o pesquisador da Embrapa Rondônia, Vicente Godinho, estima-se que 70% das áreas de pastagem do estado estão com algum grau de degradação e a soja vem como uma alternativa para a recuperação destes solos, no sistema de integração lavoura-pecuária (ILP). O pesquisador destaca ainda o avanço da soja para a região Norte do estado. "A estrutura fundiária com grandes áreas, a topografia adequada para a produção da soja e a proximidade com o porto de Porto Velho são algumas das vantagens que estão fazendo com que o grão chame a atenção dos produtores desta região. Para se ter ideia, o custo de uma saca de soja chega a ser de quatro a cinco reais menor pela proximidade com o porto", afirma Vicente.

    Estas vantagens chamaram a atenção de grande público que compareceu no último dia de campo de soja da Embrapa, realizado dia 3 de março em Porto Velho. "Eu preciso recuperar a pastagem das minhas terras e só com o preparo do solo e plantio do capim eu tenho muitos custos de investimento. O plantio de grãos então é vantajoso neste caso, porque conseguimos melhorar o solo e ter lucro com a venda dos grãos e a soja é uma boa alternativa. E a gente não tem outro caminho, não podemos mais desmatar, então precisamos recuperar as áreas que já utilizamos para a lavoura e depois retornar com capim e gado, só que podendo colocar mais cabeças por hectare", conta o pecuarista Duilton Suckel, de Porto Velho, que quer investir na soja. Já o empresário Mário Português assumiu o desafio e aposta no plantio de grãos. No ano passado ele cultivou 1500 hectares de arroz e 1500 de soja e para este ano serão 3000 ha só de soja. "Eu estou muito satisfeito com os resultados. Ano passado tivemos uma produtividade de 48 sacas/ha e este ano vamos chegar aos 60. Isso impacta com certeza para mim e a região", conta Português.

    A soja na recuperação de pastagens degradadas

    Uma das alternativas para a reforma, recuperação ou renovação de pastagens é por meio do sistema de integração lavoura-pecuária-floresta (iLPF), ou suas variantes, como a que está sendo  mais adotada em Rondônia no momento, a integração lavoura-pecuária. Ela pode proporcionar uma série de benefícios, como a diversificação na produção da propriedade; redução no custo de formação das pastagens pela melhoria das condições do solo e renda com as culturas anuais; diminuição do risco de perda de renda do produtor, pois sua produtividade aumenta e não fica dependente de somente um produto; maior conservação do solo e, consequentemente, redução de perdas com erosão e menor impacto ambiental; melhor aproveitamento da propriedade rural. Após alguns anos, nova rotação de culturas anuais-pastagem pode ser feita para revitalizar o pasto, buscando a retomada da produtividade da pastagem com consequente aumento do número de animais por área e produção de pastagem em quantidade e qualidade.

    A alta tecnologia empregada para o desenvolvimento adequado da lavoura de soja faz com que agregue mais valor a terra, além reinserir as áreas degradadas ao sistema produtivo, reduzindo a pressão sobre a floresta. O uso de grão, como a soja, ainda traz grande benefício para a atividade pecuária, pois o manejo adotado para esta cultura recupera o solo para uma pastagem com maior capacidade de suporte de animais por área, o que torna a soja atrativa para o estado.

    Soja: principal produto agrícola de Rondônia

    A soja é o produto agrícola que mais gera receita para o estado. Segundo dados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola do IBGE de dezembro de 2014, a soja gera uma receita de R$ 601 milhões. Além disso, a cultura da soja está se expandindo a cada ano em Rondônia, sendo cultivada em 26 dos 52 municípios do estado e ocupa uma área de aproximadamente 240 mil hectares (ha).

     Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) 2015, houve um aumento de 20% na área plantada na safra 2014/15, sendo o estado com a maior expansão percentual de área de soja no país. Além disso, a soja em Rondônia possui produtividade média de 3.180 kg/ha (Safra 2013/14 - Conab, 2015), superior à média nacional que é de 2.854 kg/ha.  O pesquisador Godinho destaca ainda boas expectativas para este ano. "Com a regular distribuição de chuvas até o momento no estado nos leva a crer que teremos uma safra recorde, diferentemente de outras regiões do país onde a falta de chuvas pode ter prejudicado a produtividade", afirma Vicente Godinho.

    Dias de Campo de Soja 2015 e parcerias

    Realizados pela Embrapa e com o apoio de parceiros, os Dias de Campo de Soja 2015 reuniram em quatro cidades do estado – Vilhena, Cerejeiras, Castanheiras e Porto Velho – cerca de 370 produtores, técnicos, empresários do agronegócio e estudantes que conheceram cultivares de soja convencional e transgênica da Embrapa, de alta qualidade e produtividade, com características agronômicas adequadas às necessidades dos sojicultores rondonienses. "A Embrapa busca estar em sintonia com o mercado e junto ao produtor para que ele tenha opções para fazer a melhor escolha na hora do plantio e continuar levando para os agricultores tecnologias competitivas", argumenta o engenheiro agrônomo da Embrapa Rondônia, Frederico Botelho. A proposta da Embrapa para a soja em Rondônia é oferecer aos produtores tecnologias para que possam produzir mais em menor área, recuperando áreas degradadas e diminuindo a pressão sobre a floresta. Além disso, a tecnologia utilizada no cultivo da soja em Rondônia torna o estado muito competitivo no agronegócio internacional.

    Os Dias de Campo de Soja 2015 em Rondônia são uma realização da Embrapa e com o patrocínio da Central Agrícola, FMC, J&H Sementes, Bolsa de Sementes e Agonegócio (BS&A), Sementes Ouro Verde, Sementes Quati, Menegaz e Yara. Conta também com o apoio do Programa Soja Livre, Ifro, Epamig, Fundação Triângulo, Fundação BA, Idaron, Emater, CTPA, Aprosoja e Fundação Cerrados.

    Fonte: Embrapa Rondônia

     


  • Grupo Matsuda encerra celebração dos 70 anos na Unidade de Goiânia (GO) com anúncio de mais uma parceria nelorista

  • O ponto alto da festa foi o anúncio de mais uma parceria com os produtores neloristas. Dessa vez, a aliança da marca se deu com a entidade goiana do Nelore, a ACNG – Associação dos Criadores de Nelore

    + leia mais
  • A vez delas também na pecuária

  • Estamos falando das fêmeas bovinas como fiel da balança na hora de melhorar a rentabilidade do negócio. Na cobertura a campo, predominante na pecuária nacional, produzem em média 28 filhotes por ano,

    + leia mais
  • Uma nova revolução

  • Eficiência alimentar passa a ser grande preocupação dos principais selecionadores de bovinos do País. A característica promete conferir maior competitividade à produção de carne vermelha.

    + leia mais
  • Genética no tempo, sem artificialismos

  • Respeitando a fixação de características no rebanho ao longo do tempo sem quaisquer maquiagens nas informações observadas e coletadas no campo.

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites