• Raça
  • Pecuaristas do PR investem no gado com a carne mais nobre do mundo

    23/06/2016
    De origem japonesa, a raça Wagyu tem um manejo simples. O quilo da carne pode custar até R$ 400 no mercado.

    A raça de gado bovina Wagyu começou a ser criada no Japão há 400 anos. No início, era usada apenas para o trabalho no campo, para tração animal. Com o tempo, descobriram a nobreza que a carne deste animal tem. Agora, criadores do mundo todo descobriram o boi japonês.

    No Paraná, alguns pecuaristas são pioneiros na criação da raça Wagyu. João Noma importou os primeiros embriões e hoje tem mais de 300 cabeças. "Quero investir no melhoramento genético deles", diz o pecuarista e empresário.

    No Brasil, o plantel ainda é pequeno. São cinco mil cabeças de animais puros. A criadora da Associação Brasileira de Wagyu Evelyn Metidieri diz que o mercado para carnes nobres está crescendo. "Os criadores brasileiros não estão conseguindo abastecer a demanda. É uma carne voltada para gastronomia, e quem gosta de comer bem paga pra consumir essa iguaria", garante.

    É justamente o valor da carne do Wagyu que chama a atenção. Para o consumidor, o quilo do contra-filé, que é a parte mais valorizada, pode chegar a R$ 400 Isso porque a carne tem características únicas no sabor e na composição, especialmente da gordura. "Essa raça tem característica genética de depositar gordura entre as fibras da carne, o que a chama de marmoreio. A grande diferença é a maciez desta carne. Ela é tão cara pela oferta reduzida e pela característica especial da sua sua composição", explica o zootecnista Juceval Pereira de Sá.

    O manejo da raça é simples. É um animal dócil, que se adaptou ao clima e ao pasto do Paraná. O rebanho é mantido solto no pasto por 18 meses. Depois vai para o sistema de confinamento onde fica por um ano. Neste período os animais são tratados com feno e ração balanceada. Com 750 quilos estão prontos para o abate. "Muitos comparam o abate do Wagyu com 34 a 36 meses, tardio em relação a outras raças. Mas com valor agregado que se tem compensa esse tempo maior", diz o gestor agropecuário Paulo Farias.

    Fonte: G1 PR



  • Pecuária competitiva é quebra de paradigma

  • Nada de fórmulas milagrosas. Tudo é trabalho, transpiração, interpretação de números e fatos, além de contínuo aprimoramento pessoal como empreendedor.

    + leia mais
  • Sucesso pressupõe trabalho além das porteiras

  • Projeto se constrói com muita gestão e espírito corporativo. Aos poucos ganha a condição de referência e vai rapidamente se expandindo levando toda uma cadeia produtiva.

    + leia mais
  • Temple Grandin: Práticas de bem-estar animal traz vantagens para o gado e para o pecuarista

  • Pesquisadora norte-americana Temple Grandin está no Brasil e fala sobre a preocupação com o bem estar animal e sua importância para obter-se mais produtividade na fazenda. Ela é uma das maiores autori

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (5)



  • Sef5ThNddfy1
  • Dime que no has entendido y te explico con mas detalle.Pero sobre todo me gustaria que te fijaras en el no mover la mano izquierda en el corte, al igual que en la mezcla hindú no se mueve la mano derecha y en el doble corte para subir cartas tampoco se mueve la mano derecha. Es imoUntarte.pn saludo y de nada.

    Postado: 14/04/2017 01:40:00

  • gordon
  • 1fRsNg http://www.y7YwKx7Pm6OnyJvolbcwrWdoEnRF29pb.com

    Postado: 31/01/2017 15:59:00

  • matt
  • mpnKlq http://www.y7YwKx7Pm6OnyJvolbcwrWdoEnRF29pb.com

    Postado: 29/01/2017 13:48:00

  • chaba
  • B7ZyNJ http://www.y7YwKx7Pm6OnyJvolbcwrWdoEnRF29pb.com

    Postado: 29/01/2017 13:46:00

  • Barnypok
  • YfYghl http://www.FyLitCl7Pf7ojQdDUOLQOuaxTXbj5iNG.com

    Postado: 04/01/2017 01:32:00

    Criação de sites