• Notícias
  • Pesquisador da Embrapa apresenta medidas para reduzir emissão de metano na pecuária

    25/11/2021
    Segundo Alexandre Berndt, chefe-geral da Embrapa Pecuária Sudeste, a mitigação de metano se dá por meio de tecnologias

    Durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26), o Brasil e mais de 100 países firmaram um compromisso global para a redução de 30% das emissões de metano até 2030.

    No entanto, ainda não há uma meta individual para cada país.

    De acordo com o Quarto Inventário Nacional de emissões e remoções de gases de efeito estufa, relatório do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, que a Embrapa ajudou a elaborar, 76% das emissões do gás vem da pecuária.

    Dessa maneira, a mitigação passa a fazer parte da rotina de todos os pecuaristas. 

    Segundo Alexandre Berndt, chefe-geral da Embrapa Pecuária Sudeste, existem algumas estratégias que podem ser adotadas para reduzir as emissões de metano na pecuária.

    “É um compromisso bastante desafiador, o metano é um gás importante para o Brasil. É o segundo mais emitido. Em primeiro está o gás carbônico, com aproximadamente 60% das emissões; em segundo está o metano, com 27%; e em terceiro o óxido nitroso, com 12,5%. Portanto, reduzir 30% da emissão de metano é um desafio grande, é preciso trabalhar com várias tecnologias sustentáveis para cumprir o pacto”, diz.

    Berndt aponta que a mitigação de metano se dá por meio de tecnologias que atacam em três pilares na bovinocultura: intervenção na dieta dos animais, alterando diretamente o processo de fermentação que acontece no rúmen; mais eficiência na produção, que reduz o tempo para que o boi seja terminado; e compensação, pelo sequestro de carbono.

    “A fermentação entérica não é um gás que se pode impedir de ser emitido, mas podemos interferir com tecnologia e conhecimento”, explica.

    O pesquisador diz que o pilar da eficiência na produção é o que concentra o maior número de tecnologias. “Melhoramento genético, bom manejo de pasto, cuidado com a saúde do animal, eficiência reprodutiva. Tudo contribui para diminuir a emissão de metano, encurtando o ciclo de produção”.

    Sobre a compensação, Berndt cita a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF). “Com sistemas integrados de produção, o potencial de retirar carbono da atmosfera é muito grande. Você emite o metano, mas remove o carbono”.

    Por: Canal Rural  



  • MANEJO EFICIENTE DA PASTAGEM AJUDA NA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE

  • Para acessar mercado premium e que melhor remunera com a criação a pasto, é preciso planejamento, animais de boa genética e principalmente escolher cultivares com alto valor nutritivo para alimentação

    + leia mais
  • Pantanal tem 14 cidades em emergência, mais incêndios e mortes de animais no MS

  • Região vive período de forte estiagem, o que motivou o decreto de emergência por parte do governo local

    + leia mais
  • Pasto rotacionado: sobrou capim? Saiba por que isso é um ótimo sinal

  • Confira as novas dicas do doutor em zootecnia Gustavo Rezende Siqueira, pesquisador do Polo Regional de Alta Mogiana da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA)

    + leia mais


  • Criação de sites