• Genética
  • Produtores investem em programas sanitários para melhorar índices de produção

    18/07/2016
    Programa da Biogénesis Bagó auxilia pecuaristas a explorar o máximo potencial de suas propriedades e rebanho, diminuindo as lacunas produtivas, utilizando recursos e tecnologias já disponíveis.

    Rebanho da Fazenda Campos do Cambará, localizada em Rosário do Sul (RS). Foto: Divulgação

    O pecuarista Umberto Pacheco Souto Filho, da Fazenda Campos do Cambará, localizada em Rosário do Sul (RS), há dois anos aceitou o desafio de aumentar a produtividade do grupo, que atua com ciclo completo: cria, recria e engorda, tanto em terras próprias como arrendadas.

    No entanto, para que a produção pudesse melhorar os rendimentos e aproveitamento do desfrute, foi preciso um planejamento e avaliação da atual situação dos negócios. Para isso, Umberto Filho recebeu ‘carta branca’ do pai, Umberto Pacheco Souto, que até então estava à frente da administração e, juntos tomaram decisões e iniciaram as mudanças necessárias.

    Numa primeira avaliação, foi detectado que os custos de produção tinham aumentado, principalmente devido a um crescente nos custos de arrendamentos das áreas de pastagens, pela concorrência com as lavouras de soja. Mesmo as terras de menor valor produtivo tinham tido um aumento no custo do arrendamento.

    Por isso, a propriedade cortou do orçamento os arrendamentos. Se por um lado um problema estaria resolvido, outro questionamento assombrava os administradores: onde buscar alimentos para que o sistema de cria, recria e engorda continuasse viável financeiramente?

    A solução encontrada foi a aquisição de um pivô central para produção de forragens irrigadas durante todo o ano, tanto para produção de forragens para ensilagem, como para produção de pré-secado. “No momento ele está em plena atividade, sendo utilizado para pastejo rotativo. Como resultado, conseguimos diminuir a lotação das pastagens na seca e dar um alívio para que elas se recuperem para a produção de forragem no inverno”, explica Umberto Filho.

    Agregando valor

    Uma importante iniciativa adotada pela propriedade Campos de Cambará foi oficializar a parceria com o laboratório Biogénesis Bagó para desenvolver um programa sanitário para todo o rebanho. Como ponto de partida, o coordenador técnico da Biogénesis Bagó, Douglas Denardin visitou a propriedade para analisar o manejo e as necessidades, e logo construiu o programa atendendo aos requisitos e desafios encontrados.

    Com isso, a propriedade passou a integrar o PROVA, da Biogénesis Bagó: um programa que oferece soluções e assistência técnica personalizada em saúde animal em estabelecimentos brasileiros. Além do desenvolvimento do programa sanitário, a iniciativa visa construir relações duradouras e produtivas, através de um exclusivo monitoramento de trabalho acordado, treinamento de pessoal e apoio diagnóstico.

    Um dos principais problemas eram as altas perdas embrionárias e abortos por doenças da reprodução como IBR e BVD. Com o diagnóstico correto chegou-se à solução: a aplicação das vacinas Bioabortogem H e Bioleptogen (biológicos para prevenção de doenças que causam problemas reprodutivos).

    “Outro problema enfrentado era a perda de animais jovens e adultos por definhamento, com sintomas respiratórios, conjuntivites, diarreias e por intoxicação pela planta Maria-mole (Senecio brasiliensis), muito comum na região. Com a adoção das vacinas reprodutivas para prevenção de IBR, BVD e Leptospiroses e, também da Rotatec J5, o desafio foi mitigado”, relata Denardim.

    O coordenador técnico da Biogénesis Bagó, Douglas Denardin, e o pecuarista Umberto Pacheco Souto Filho

    Um salto rumo à eficiência

    “O Brasil é um país chave para dar um salto rumo à eficiência. Já temos observado essa transformação no sistema de produção do país, e nosso papel como empresa é ajudar a difundir este conceito com intensidade, fomentar cada vez mais o uso da tecnologia e dos recursos disponíveis para maximizar a produção”, destaca Raul Moura, diretor comercial de Biogénesis Bagó Brasil.

    A proposta do laboratório é mostrar ao produtor que é possível alcançar o máximo potencial produtivo do rebanho, diminuindo as brechas produtivas entre quem consegue ser eficiente e quem está tentando melhorar.

    Na Fazenda Campos do Cambará, com os excelentes resultados obtidos na aplicação do programa de imunização, os proprietários decidiram aplicar um plano integral de saúde para cobrir também o controle de doenças e dos ecto e endoparasitários (carrapatos e bernes).

    Outro cuidado tomado pela propriedade para seguir otimizando seu projeto é com o manejo na vacinação. Umberto Filho salienta que há um estigma na pecuária de que vacinar os animais soltos é mais prático do que no tronco de contenção. “Muitos pecuaristas não dão atenção ao processo de vacinação. Utilizamos seringas descartáveis e contenção no brete para todos os animais, nas aplicações de medicamentos. Leva-se o mesmo tempo vacinando os animais contidos do que soltos. No entanto, com uma qualidade de vacinação muito superior, mesmo com um rebanho de mais de 1.200 vacas de cria, além dos animais de recria e engorda”, enfatiza o pecuarista.

    Em busca da Fronteira Produtiva, Umberto não para com os investimentos. Além das inovações que já estão implantadas, decidiu profissionalizar o cargo de capataz da propriedade. Contratou um médico veterinário para fazer a verificação o rebanho com o objetivo de melhorar a qualidade dos serviços prestados. “O capataz com educação em medicina veterinária é essencial para profissionalizar o trabalho na propriedade”, conclui.

    Fazenda Santa Maria, uma referência na produção de carne

    Sair da “lacuna produtiva” – a diferença existente entre a produção atual e o que se poderia produzir se fossem aplicadas as tecnologias disponíveis fazendo uso mais eficiente dos recursos – é o grande desafio.

    No outro extremo do Brasil, o pecuarista Leandro Brunetti, proprietário da fazenda Santa Maria, localizada no Município de Nova Canaã do Norte (MT), busca o reconhecimento de sua propriedade como referência de produção de carne de qualidade.

    Com um rebanho de 9.100 cabeças, a Fazenda Santa Maria realiza o ciclo completo da atividade, com terminação em currais de engorda com capacidade para mil animais. Com perfil muito empresarial, Brunetti não teme aos desafios e mostra-se sempre aberto às novas tecnologias.

    “Investir em tecnologia é ponto fundamental. Não tem como querer melhorar os ganhos em produção sem evoluir no sistema de criação, deixando os animais somente no pasto, sem fazer um trabalho de seleção para estação de monta. Seria desperdício! Tem que focar no objetivo e fazer acontecer”, acredita o empresário.

    Brunetti também participa do programa PROVA, da Biogénesis Bagó, porque considera fundamental o trabalho em parceria para alcançar o sucesso. “O suporte no PROVA é muito bem feito. Há assistência específica para nossas necessidades, além da motivação para toda a equipe com capacitação técnica. Queremos nos tornar referência em nossa região na produção de carne de qualidade. Por isso, investimos em tecnologias, cumprindo calendário e protocolos de saúde animal, programa de nutrição, rotacionamos os pastos e temos a ILPF (Integração Lavoura-Pecuária-Floresta) para aproveitar ao máximo o desfrute da propriedade”, explica o pecuarista.

    Para produzir mais e melhor, a Fazenda Santa Maria tem um programa sanitário anual desenvolvido pela Biogénesis Bagó, focado no controle preventivo das doenças, com a intenção de barrar a entrada de qualquer microrganismo que possa comprometer o rebanho e trazer problemas futuros.

    O resultado foi muito positivo. O desmame dos bezerros Angus atingiu uma média de 300 kg e os Nelore com peso médio de 260 kg. No confinamento, os índices chegam a 1,990 kg/dia de ganho de peso vivo.

    Sempre em busca de melhorias, a fazenda Santa Maria tem um consistente programa de reposição mineral para o gado com produtos especializados (sal mineral) e produz milho destinado à preparação de silagem para o confinamento. O sistema de pastejo é rotacionado em pastagens mistas de Panicum Maximum e Brachiária, que são fertilizados anualmente e recebem reformas periódicas.

    “Estamos em busca da Fronteira Produtiva. Não é algo que se consegue da noite para o dia, mas a longo prazo, com trabalho e tecnologia. Apostamos em uma maior taxa de prenhez e de parição para produzir mais e carne de melhor qualidade. Não produzimos beleza, nosso foco principal é a carne”, conclui.

    Fronteira Produtiva

    Índices de países que alcançaram o máximo potencial produtivo

    •          95% de taxa de prenhez

    •          Taxa de desfrute 38,4% (EUA)

    •          Peso de carcaça 355 kg (EUA)

    •          90% de taxa de desmama (EUA)

    •          10 mil litros por lactação (Israel)

    Como está o Brasil

    •          Rebanho: 207,7 milhões de cabeças

    •          23 milhões de bezerros

    •          98 milhões de fêmeas - cria

    •          Taxa prenhez 67%

    •          Taxa de desmama no Brasil: 54%

    •          Taxa de Desfrute no Brasil: 20,3%

    •          Peso de Carcaça no Brasil: 239 kg

    •          1400 litros de leite por lactação

    Sobre a Biogénesis Bagó

    A Biogénesis Bagó é uma empresa líder nos principais mercados da América Latina, com projeção global, e comprometida com o desenvolvimento de soluções para a saúde e sustentabilidade da produção pecuária por meio da biotecnologia. Em 2014 foi nomeada pela revista inglesa Animal Pharm como a melhor empresa de saúde animal da América Latina.

    A empresa desenvolve e comercializa produtos e serviços veterinários criados para garantir a saúde e melhorar a produtividade dos rebanhos bovinos de carne e leite. Conta com um portfólio de mais de 70 produtos e 650 registros em distintos países.

    Com escritórios na Bolívia, Brasil, América Central, México e Uruguai, sua sede está localizada na Argentina, com fábricas em Monte Grande e Garín (província de Buenos Aires). No Brasil, conta com uma planta fabril na cidade de Araçoiaba da Serra (SP).

    A empresa é a maior provedora de vacinas contra febre aftosa do continente, tanto que quatro em cada 10 vacinas antiaftosa aplicadas na América são produzidas pela Biogénesis Bagó. A capacidade anual de produção da empresa é de 200 milhões de doses de vacinas contra febre aftosa, 30 milhões de doses de vacina antirrábica e 100 milhões de doses de vacinas combinadas.

    Mais informações: http://www.biogenesisbago.com/br

    Fonte: Biogénesis Bagó / Attuale

  • Projeto Campos do Araguaia busca adequação ambiental em propriedades do MT

  • O projeto irá apoiar a intensificação e restaurar de 130 mil hectares de pastagens no Médio Araguaia/MT. Serão realizadas adequação ambiental e intensificação sustentável em 50 propriedades rurais em

    + leia mais
  • Rally da Pecuária 2017 vai a campo em cenário de maior oferta

  • Produtores mais tecnificados tendem a manter ou até aumentar a rentabilidade apesar da queda nos preços

    + leia mais
  • iLPF proporciona estabilidade da oferta de forragem na propriedade leiteira

  • A região de Unaí, no Noroeste de Minas Gerais, é uma das principais bacias leiteiras do estado. Além do período da seca, a forte influência de veranicos e as altas temperaturas durante as águas são um

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (4)



  • gordon
  • Kj6sKz http://www.y7YwKx7Pm6OnyJvolbcwrWdoEnRF29pb.com

    Postado: 31/01/2017 15:59:00

  • matt
  • nfvqZV http://www.y7YwKx7Pm6OnyJvolbcwrWdoEnRF29pb.com

    Postado: 29/01/2017 13:48:00

  • chaba
  • yLAFVu http://www.y7YwKx7Pm6OnyJvolbcwrWdoEnRF29pb.com

    Postado: 29/01/2017 13:46:00

  • Barnypok
  • k0Jrat http://www.FyLitCl7Pf7ojQdDUOLQOuaxTXbj5iNG.com

    Postado: 04/01/2017 01:32:00

    Criação de sites