• Sustentabilidade
  • Projeto auxilia pequenos produtores de leite durante período de seca

    08/07/2020
    Biomassa gerada após o processo de tratamento da água residual da indústria Marajoara vira fertilizante. Solução traz nutrientes que garantem um alto volume de pastagem mesmo durante período de estiagem.
    Sistema de tratamento da água residual é feito por meio de um equipamento chamado de flotador.
     
    A escassez de pasto durante períodos de seca sempre foi um problema difícil de ser equacionado pelos produtores rurais. Mas em Hidrolândia, a 35 quilômetros de Goiânia, um projeto desenvolvido há cerca de um ano pela indústria de laticínio Marajoara, tem ajudado pequenos produtores de leite a manterem uma boa produtividade, mesmo em tempos de estiagem como o atual.
     
    A empresa fornece gratuitamentes cerca 300 toneladas por mês de solução fertilizante, que é resultante do tratamento da água residual vinda dos processos fabris da indústria. “Temos uma ETE [Estação de Tratamento de Efluentes> que trata toda a água que usamos em nossas fábricas. Para esse tratamento usamos um método chamado flotação por ar dissolvido (FAD), em que todas as impurezas da água são separadas por meio de um equipamento chamado de flotador, gerando neste processo uma biomassa que é rica em matéria orgânica e em vários nutrientes importantes para o solo”, explica o gerente industrial da Marajoara, Antônio Júnior Vilela.
     
    Há cerca de um ano e meio a Marajoara conseguiu a autorização da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semad) para oferecer aos produtores rurais de Hidrolândia essa biomassa, que surge após o processo de tratamento da água residual. O gerente industrial esclarece que o fertilizante é fornecido apenas a produtores cadastrados e homologados no projeto. “Antes de fornecer esse adubo, foi feito um estudo técnico da análise de solo com o objetivo de avaliar a eficácia da solução fertilizante”, explica Antônio Júnior.
     
    Sérgio Reis de Oliveira é um dos produtores beneficiados pelo projeto da Marajoara. Ele é proprietário de uma fazenda de 18 alqueires onde cria cerca de 320 cabeças de gado leiteiro e produz em média 900 litros de leite por dia. Há cerca de um ano ele recebe de três a cinco  vezes por por dia em sua propriedade o caminhão pipa que aplica a solução fertilizante fornecida pela indústria de laticínio. “É muito bom, principalmente nesta época de seca ajuda muito. Onde a gente joga o fertilizante fornecido pela Marajoara fica uma folhagem alta e um pasto verdinho. Se não fosse isso, eu teria que gastar muito mais com adubação do solo e dar mais proteína para o gado, para manter uma produtividade boa”, explica Sérgio, que estima uma economia de até 50% com os gatos em adubação e suplementação alimentar para os animais.
     
    De acordo com o produtor, o ganho na pastagem com a aplicação do fertilizante é muito significativo. “Onde você joga, depois de uma carência de 30 a 35 dias, dá para ver uma diferença bem grande no volume de pasto. De 40 a 50% a mais. E neste tempo de seca ajuda demais”, elogia.
     
    Ao longo do processo de tratamento da ETE da Marajoara, a água residual passa por vários estágios até poder ser devolvida ao meio ambiente.
     
    Nutrientes
    Segundo explica o zootecnista da Marajoara, Diego Dantas Colnago, para a análise da eficácia da biomassa como fertilizante, foram feitos testes com o capim brachiaria, o mais usado na região. “Conseguimos elevar o percentual de proteína da pastagem de 8,5% para 13%”, conta Diego.
     
    Ele explica que os nutrientes fornecidos na solução fertilizante proporcionam uma maior quantidade de forragem para o gado, o que é na verdade uma maior quantidade de comida para os animais. “Isso tem um reflexo direto na produtividade, tanto de leite quanto de carne, porque com a mesma quantidade de terra ou pasto você consegue alimentar um número maior de animais”, diz.
     
    Ele explica que um dos elementos mais encontrados na biomassa é o nitrogênio, que está diretamente ligado ao maior crescimento do capim. “O nitrogênio, junto com o fósforo e o potássio, são o principais nutrientes necessários para o crescimento do capim do pasto”, explica. 
     
    Solução
    O presidente do Grupo Marajoara, André Luiz Rodrigues Junqueira,  lembra que o fertilizante é resultado do tratamento da água residual  da fábrica realizado para o retorno do líquido de forma adequada ao meio ambiente, no córrego da região. O sistema de flotação adotado pela indústria para o tratamento da água residual garante um percentual de limpeza médio acima de 90%, o que é bem mais do que preconiza a atual legislação ambiental, que estabelece um índice mínimo de 60%. “Na última análise que fizemos, chegamos a um índice de 99,2%”, destaca o executivo, que também informa que o sistema foi ampliado recentemente, dobrando sua capacidade de 40 mil para 80 mil litros de água tratada por hora.
     
    Com o processo de limpeza, uma grande quantidade de resíduos orgânicos e inorgânicos que também precisam de uma destinação adequada. “Transformamos um problema numa solução para gente e para outros. Se não fosse esse projeto em que fornecemos a biomassa residual como fertilizante para produtores rurais, teríamos um gasto muito elevado para o envio deste material a uma fazenda de compostagem. Por isso fizemos estudos e buscamos autorização junto à Semad para o fornecimento do fertilizante. É uma ação que também fortalece, de forma sustentável, a cadeia produtiva do leite”, explica o executivo. 
  • Formulação 4.0: você já utiliza em sua fazenda?

  • Langwinski, Diego - Consultor Técnico Nacional - Bovinos de Leite da Cargill Nutrição Animal

    + leia mais
  • Grupo Matsuda lança MG18 Àries II voltada para a região Sul

  • Após 10 anos de pesquisas, a Matsuda lança uma nova cultivar derivada do Áries, A MG 18 ÁRIES II, recomendada para a região Sul do País.

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites