• Nutrição
  • Reforma de pastagem

    25/11/2021
    16 passos para alcançar o sucesso

    Diferente da recuperação de pastagem, a reforma é a troca completa da espécie forrageira cultivada. O período de reformar a pastagem é nas chuvas, até meados do mês de janeiro, e o produtor que está pensando em formar pasto tem que, primeiro, escolher a espécie forrageira e seguir os seguintes passos.

    Primeiro passo: antes de iniciarmos a reforma de pastagem devemos coletar amostra de solo, seguindo o mesmo critério mencionado na recuperação de pastagem.

    Segundo passo:  conforme o tipo de vegetação e ervas daninhas, poderá fazer uso de herbicidas dessecando em área total, para iniciar o preparo de solo, ou seguir direto com preparo de solo convencional dependendo das condições de terreno, vegetação e tipo de solo.

    Terceiro passo: conforme a declividade da área, fazer a conservação do solo, sendo ela por terraço ou curvas embutidas.

    Quarto passo: fazer aplicação do calcário e gesso, conforme resultado da análise de solo e escolher a espécie da cultivar a ser estabelecida.

    Quinto passo: incorporar o calcário e gesso no solo junto com a cultura existente. Ideal verificar o nível de compactação, para a tomada de decisão, qual equipamento ideal a ser adotado no processo de incorporação, podendo ser Arado Aiveca ou Grade Pesada.

    Sexto passo: deixar a área repousar por 7 a 10 dias, para que resto de cultura possa se decompor no solo, lembrando que para se ter um bom rendimento e um bom preparo de solo essas operações devem ser feitas durante o período chuvoso.

    Sétimo passo muitas vezes vamos encontrar torrões e materiais palhosos ainda em decomposição. Quando isso acontecer, o  ideal é passar mais uma mão de grade pesada.

    Oitavo passo, deixar o solo descansar por 7 a 15 dias e passar a grade niveladora, destorroando e nivelando o terreno preparando-o para o plantio.

    Nono passo: antes de passar a segunda mão de grade niveladora para o plantio, fazer aplicação do fósforo sobre o solo e depois nivelar, para incorporar o insumo e deixar o solo preparado para o plantio. Talvez em solos argilosos, possa ser necessário passar a terceira mão de grade niveladora, pois esses solos são mais difíceis de destorroar.

    Décimo passo: fazer o plantio, podendo ser a lanço, linha ou aéreo.

    Décimo primeiro passo:  caso o plantio seja a lanço ou aéreo deverá fazer a incorporação das sementes no solo, geralmente com uso de rolo compactador. A profundidade ideal de incorporação das sementes forrageiras é de 1 a 2 cm de profundidade. A melhor época de plantio vai depender de cada região, recomendando-se  que o plantio seja feito quando as chuvas de cada região normalizarem.  Para que as sementes forrageiras possam germinar quatro são os fatores essenciais, como temperatura, umidade, luminosidade e oxigênio no solo.

    Décimo segundo passo: nesse período de germinação das forrageiras e o desenvolvimento das plantas, o produtor deve ter uma atenção maior, devendo visitar a área de plantio diariamente, para verificar se está sofrendo ataques de insetos ou infestação de plantas invasoras. Deverá consultar um técnico para que possa melhor orientá-lo no manejo desse estágio tão delicado do estabelecimento da pastagem. É i8mportante que o produtor,  nesse período, aproveite para  fazer manutenção das cercas, divisão de pastagem, manutenção em bebedouros e do cocho de sal.

    Décimo terceiro passo:  simulação de pastejo: para o início do pastejo desta forragem recém estabelecida, recomendamos testar a pastagem com cerca de 60 dias após a germinação. O teste consiste em tentar retirar as folhas com as mãos, tal qual um bovino. Se as folhas romperem ao serem puxadas o pastejo pode ser feito. Caso a planta seja retirada com as raízes, recomendamos se aguardar um pouco mais o seu desenvolvimento.

    Décimo quarto passo: fazer coleta de amostra de capim para estimar a produção de forragem e ajustar a taxa de lotação dos animais.

    Décimo quinto passo – fazer o primeiro pastejo, respeitando a entrada e saída dos animais conforme a espécie e cultivar forrageira.

    Décimo sexto passo: – fazer adubação de cobertura (N e K), Nitrogênio e Potássio, lembrando que o solo deve estar úmido.

    + Leia mais

    Chegou a hora de preparar a pastagem

    + Leia mais

    Nove passos para fazer uma boa recuperação de pastagem

    Por:

    *Gilson de Oliveira, engenheiro agrônomo do Departamento Técnico de Sementes  do Grupo Matsuda.

    *Pedro Henrique Lopes Lorençoni engenheiro agrônomo e responsável pelo laboratório de controle de qualidade do Grupo Matsuda.

    *Marcelo Ronaldo Vila engenheiro agrônomo, do Depto. Técnico de Sementes do Grupo Matsuda

    REDAÇÃO E PREPARAÇÃO TEXTO FINAL:  Marisa Rodrigues e Camila Gusmão



  • CAP disponibiliza curso gratuito de proteção de ruminantes e equinos em transporte de longa duração

  • CAP disponibiliza curso gratuito de proteção de ruminantes e equinos em transporte de longa duração

    + leia mais
  • Starrett troca plástico por papelão nas embalagens de Serra Manual e eliminará o consumo de 7,9 toneladas do material ao ano

  • Substituição reduzirá ainda em 25% as emissões de CO2; Objetivo da empresa é que todas as suas embalagens sejam sustentáveis

    + leia mais
  • IICA e Fundo Verde do Clima fecham parceria de US$ 100 milhões para projetos de redução das emissões de metano nas Américas

  • Para secretário de Inovação do Mapa, Fernando Camargo, iniciativa pode ajudar países a cumprirem meta de diminuir as emissões de metano na pecuária

    + leia mais
  • Lei de pagamento por serviços ambientais é incentivo para cuidar do pasto

  • Pesquisadores da Embrapa destacaram a ligação entre das boas práticas de manejo do pasto e a nova lei de pagamento por serviços ambientais

    + leia mais


  • Criação de sites