• Nutrição
  • Resíduo de cevada é mais vantajoso que milho como forragem

    19/09/2014
    Pecuaristas do Triângulo Mineiro estão descobrindo os benefícios do resíduo da fabricação de cerveja na alimentação do gado de leite.

    O que sobra da cevada pode até ser armazenado em forma de silagem. A cevada apresenta de 21 a 25% de matéria seca e índices entre 23 e 28% de proteína bruta. Estudos feitos na década de 1970 com a substituição total do milho pela cevada foram positivos para aumento no ganho de peso e na produção de leite.

    Todos os dias, logo pela manhã, o resíduo da cevada é retirado de dentro dos silos da fábrica, que fica em Uberlândia (MG). Depois os caminhões transportadores das empresas seguem para as fazendas da região onde o produto será armazenado. A cevada úmida entra na alimentação do gado como concentrado, substituindo parte da ração.

    O alto valor energético e proteico do produto tem chamado a atenção dos produtores de leite. Segundo o gerente da Fazenda Vitória, no município de Monte Alegre, a produção aumentou de forma significativa em menos de um mês de uso. “Teve aumento de 500 litros em 20 dias e os animais tiveram boa aceitação no cocho, sem nenhuma rejeição”, informa o gerente Agnaldo Vieira.

    Para os produtores, o principal argumento favorável ao resíduo da cervejaria é a redução no custo da alimentação do gado: incluindo o frete, o quilo da cevada vale atualmente, na região de Uberlândia, entre R$0,21 e R$0,23, contra R$0,92 da ração. Cada animal come de cinco a dez quilos por dia, dependendo da dieta adotada na fazenda.

    Por ser muito úmida, a cevada precisa de uma estratégia própria para ser armazenada. O produto pode ser colocado em silos bolsa ou sobre uma camada de silagem de capim dentro do silo trincheira. A palha absorve o líquido que escorre da massa. 

    Para propriedades que têm consumo menor, como a do pecuarista Job Carneiro Oliveira, em Itapagipe (MG), a boa opção de armazenagem é outra: Ele fez umas caixas de cimento no chão, como se fossem pequenos silos, e deixa o produto descoberto. Por ser consumido rapidamente, a qualidade é preservada, conforme explica o produtor: “Estou substituindo a ração e a polpa cítrica na proporção que é possível na dieta. Com isso, abaixo o custo e melhoro a alimentação do gado porque ela é rica em energia e proteína, apesar de ter 30% de massa seca”.

    De acordo com Osvaldo Pereira Marques, técnico do Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-MG), o uso da cevada tem que ser muito bem planejado, apesar de todas essas vantagens. O criador precisa fazer a adaptação correta na alimentação, introduzindo o produto aos poucos e cuidando para não faltar o alimento no cocho: “Depois que o animal se acostumou com o produto não pode ter alternância e o produtor deve procurar alguém para fazer o balanceamento da dieta”.

    Fonte: Canal Rural

     


  • MANEJO EFICIENTE DA PASTAGEM AJUDA NA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE

  • Para acessar mercado premium e que melhor remunera com a criação a pasto, é preciso planejamento, animais de boa genética e principalmente escolher cultivares com alto valor nutritivo para alimentação

    + leia mais
  • Pantanal tem 14 cidades em emergência, mais incêndios e mortes de animais no MS

  • Região vive período de forte estiagem, o que motivou o decreto de emergência por parte do governo local

    + leia mais
  • Pasto rotacionado: sobrou capim? Saiba por que isso é um ótimo sinal

  • Confira as novas dicas do doutor em zootecnia Gustavo Rezende Siqueira, pesquisador do Polo Regional de Alta Mogiana da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA)

    + leia mais


  • Criação de sites