• Sanidade
  • Site ajuda pecuaristas a combater pirataria de medicamentos veterinários

    24/10/2014
    Nova ferramenta já está no ar para receber denúncias de falsificação de produtos.

    Os pecuaristas brasileiros têm, agora, um importante instrumento de apoio para combater a pirataria de produtos veterinários. Está no ar um novo site para receber as denúncias de falsificação de medicamentos para bovinos no país, com o objetivo de conter esta prática ilegal, que prejudica a sanidade dos animais e a saúde do consumidor.

    A iniciativa faz parte da Campanha Antipirataria de Produtos Veterinários, desenvolvida pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), com o apoio da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e mais 14 entidades do agronegócio. A campanha foi lançada no mês passado, durante a 37ª Expointer.  

    A ideia é alertar os integrantes da cadeia produtiva de proteína animal sobre os riscos e os malefícios do uso de medicamentos veterinários falsificados, contrabandeados, sem registro e produzidos a partir de formulações caseiras. Desta forma, uma das propostas da campanha é a redução do comércio destes produtos, que chega a representar 15% do segmento de saúde animal, o equivalente a R$ 600 milhões/ano. 

    Além do portal, a campanha terá ações como a divulgação de banners, envio de e-mails marketing e distribuição de cartazes e cartilhas, entre outras. As entidades envolvidas nesta iniciativa também entraram em contato com as autoridades federais, estaduais e municipais para alertar sobre a gravidade do tema e buscar apoio.

    A campanha também conta com o apoio da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (ABIEC), da  Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA), da Associação Nacional dos Confinadores (ASSOCON) e da Associação Brasileira das Indústrias de Suplementos Minerais (ASBRAM). A lista de apoiadores inclui, igualmente, as Federações da Agricultura e Pecuária dos Estados do Rio Grande do Sul (FARSUL) e de São Paulo (FAESP).

    Também integram o grupo que combate o comércio ilegal o Fórum Nacional dos Executores de Sanidade Agropecuária (FONESA), o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul (CRMV-RS), o Conselho Nacional da Pecuária de Corte (CNPC), a Sociedade Brasileira de Medicina Veterinária (SBMV), o Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (SINDIRAÇÕES) e a Sociedade Rural Brasileira (SRB).

    Para identificar a qualidade e a legalidade do medicamento veterinário, o medicamento veterinário deve ter os seguintes itens: 

    • Embalagem contendo a aprovação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), bem como numero de registro no Ministério;

    • Identificação do responsável técnico;

    • Existência de telefone de serviço ao consumidor do fabricante;

    • Embalagens em língua portuguesa, indicando a data de fabricação e validade; 

    • Consulta ao Compêndio de Produtos Veterinários do SINDAN.

    O site da Campanha Antipirataria de Produtos Veterinários está disponível em http://denuncieprodvetpirata.org.br/.

    Fonte: CNA

     


  • MANEJO EFICIENTE DA PASTAGEM AJUDA NA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE

  • Para acessar mercado premium e que melhor remunera com a criação a pasto, é preciso planejamento, animais de boa genética e principalmente escolher cultivares com alto valor nutritivo para alimentação

    + leia mais
  • Pantanal tem 14 cidades em emergência, mais incêndios e mortes de animais no MS

  • Região vive período de forte estiagem, o que motivou o decreto de emergência por parte do governo local

    + leia mais
  • Pasto rotacionado: sobrou capim? Saiba por que isso é um ótimo sinal

  • Confira as novas dicas do doutor em zootecnia Gustavo Rezende Siqueira, pesquisador do Polo Regional de Alta Mogiana da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA)

    + leia mais


  • Criação de sites