• Notícias
  • Sobre a suspensão da importação da carne bovina in natura brasileira para os EUA

    27/06/2017
    A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato) considera precipitada a decisão do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) em suspender temporariamente a importação de carne bovina in natura brasileira.

    O Brasil conseguiu autorização para exportar carne in natura para os norte-americanos no final de julho de 2016, após muitos anos de negociações. É um mercado importante para a pecuária brasileira, apesar de o volume exportado ainda ser pequeno em relação a outros países. A qualidade do nosso produto é tão reconhecida que o Brasil é o único país do mundo que exporta para este país carne oriunda de animais que foram vacinados contra a Febre Aftosa.

    A interrupção das transações comerciais foi determinada após o país comprador detectar problemas em testes de qualidade da carne brasileira que é exportada para os EUA. Vale destacar que os abcessos apontados como causa da suspensão são apenas vestígios de reações decorrentes da vacina contra a febre aftosa, que comprometem apenas o aspecto visual do produto, mas não apresenta riscos à saúde.
    Mais do que um excesso de zelo do comprador, esta suspensão também significa uma acirrada disputa de mercados entre os produtores norte-americanos e os produtos importados do Brasil. De certa forma, estas são as regras do jogo para quem atende mercados tão competitivos.

    A Famato considera o trabalho de inspeção conduzido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) eficiente e rigoroso. Para todos os países que importam a carne brasileira, o produto passa por uma série de etapas de controle de qualidade. Além disso, os frigoríficos brasileiros são modernos e os pecuaristas cada vez mais conscientes da aplicação correta da vacina contra a febre aftosa e da sanidade do rebanho.

    Dada a maturidade da produção brasileira, a Famato está, juntamente com o Mapa e outras federações do país, trabalhando para que o país seja reconhecido internacionalmente livre da febre aftosa sem vacinação. Inclusive, entregamos sugestões que irão compor o Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (PNEFA) e estamos participando de todas as reuniões sobre o tema.

    Esperamos que o Mapa, na figura do ministro Blairo Maggi, solucione este impasse o quanto antes.

    Atravessamos tempos difíceis na pecuária. Aos produtores rurais, orientamos cautela neste período e confiança que venceremos porque nossa carne é de qualidade, nossa produção é moderna e os nossos produtores são zelosos na eficiência de seus processos.

    Toda tempestade só nos pede mais união e tranquilidade porque temos o principal e mais difícil: qualidade e credibilidade.

    Fonte:  Sistema Famato



  • Uma nova revolução

  • Eficiência alimentar passa a ser grande preocupação dos principais selecionadores de bovinos do País. A característica promete conferir maior competitividade à produção de carne vermelha.

    + leia mais
  • Pecuária competitiva é quebra de paradigma

  • Nada de fórmulas milagrosas. Tudo é trabalho, transpiração, interpretação de números e fatos, além de contínuo aprimoramento pessoal como empreendedor.

    + leia mais
  • Sucesso pressupõe trabalho além das porteiras

  • Projeto se constrói com muita gestão e espírito corporativo. Aos poucos ganha a condição de referência e vai rapidamente se expandindo levando toda uma cadeia produtiva.

    + leia mais
  • Temple Grandin: Práticas de bem-estar animal traz vantagens para o gado e para o pecuarista

  • Pesquisadora norte-americana Temple Grandin está no Brasil e fala sobre a preocupação com o bem estar animal e sua importância para obter-se mais produtividade na fazenda. Ela é uma das maiores autori

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites