• Conjuntura
  • Sucesso pressupõe trabalho além das porteiras

    30/10/2018
    Projeto se constrói com muita gestão e espírito corporativo. Aos poucos ganha a condição de referência e vai rapidamente se expandindo levando toda uma cadeia produtiva.

    O Abate técnico, segunda edição, sacrificou 250 animais.

    Ivaris Junior*

    Com um calendário anual que vai ganhando força na bovinocultura de corte tocantinense, incluindo leilão de reprodutores e dia de campo, a jovem empresa Agrojem realizou seu 2º Abate Técnico, no dia 18 de outubro, em Paraíso do Tocantins (TO), cidade distante 70km da capital Palmas. O Frigorífico Plena foi o responsável pelos procedimentos, enquanto a Associação de Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), de chancelar e oficializar a avaliação das carcaças. Foram 250 animais que passaram pela sala de abate e desmonte, acompanhados por olhos atentos de técnicos, pecuaristas e até do secretário da Agricultura de Tocantins, Thiago Dourado.

    A empresa acredita que crescer dentro de uma atividade, muitas vezes não significa somente fazer o melhor em termos tecnificação e gestão, mas também em militar em esferas maiores, por exemplo trabalhando para empurrar a frente toda uma cadeia produtiva. É o que se conclui da trajetória recente da Agrojem, empresa tocantinense de José Eduardo Guimarães Motta, que atua na agricultura, armazenagem de grãos e bovinocultura de corte. Nesses setores, em pouco tempo vai se tornando referência e deixando um vácuo para seguidores de excelência e abrindo novas perspectivas em Tocantins.

    Este abate técnico seria apenas mais um entre tantos que acontecem no País se não ponderássemos a estratégia de negócios sustentando a iniciativa. “Claro que um abate técnico deste porte é uma ferramenta para avaliarmos nosso trabalho de seleção genética (Nelore JEM) e também do nosso manejo e nutrição, da desmama à recria e terminação em confinamento próprio. Mas antes de tudo queremos mostrar ao mercado que animais com 57,5% de rendimento médio de carcaça, com boa cobertura de gordura e carne de qualidade, são mais rentáveis e permitirão, em um futuro próximo, obter um resultado ainda melhor no negócio pecuário como um todo, em Tocantins, por exemplo, com exportações”, explica José Eduardo.

    Touros de alto valor genético são alvos certos do mercado tocantinense.

    Dos 250 bovinos abatidos, 88% apresentaram até 4 dentes de idade, sendo que mais da metade possuíam até 2 dentes. Também do volume total de carcaças, 80% acusaram peso de 17 a 22 arrobas, bem aos moldes do que a indústria frigorífica pede de característica na sua matéria prima. Quanto ao acabamento de gordura subcutânea, aquela que protege as carcaças no processo de resfriamento submetido pelo frigorífico, 82% demonstrou presença mediana e uniforme.

    Para Guilherme Alves, gerente de produto da ACNB e responsável técnico pelo procedimento, “o desempenho frigorífico dos lotes superou as expectativas mais uma vez”. Ele destacou que “a qualidade das carcaças assegura qualidade da carne, em função da idade dos animais, sanidade e acabamento de gordura. Todas características que comprovam excelência da genética à terminação dos animais”. A opinião foi compartilhada pelo gerente corporativo do frigorífico, Wesley Lopes. Para ele, “a oferta em escala e com regularidade de fornecimento de bovinos nessas características, abre novas portas para a pecuária tocantinense”, ressalta.

    Agronegócio racional e vertical

    A Agrojem é em empresa que atua na pecuária, agricultura e armazenagem de grãos. Na pecuária possui o Nelore JEM e o Confinamento São Geraldo. Na armazenagem é a JEM Armazéns Gerais. Na agricultura exploram a soja e o milho na safrinha para grão e silagem. Tudo isso em quatro fazendas próprias e 15 arrendamentos. O gado comercial totaliza por volta de 50 mil cabeças.

    As fazendas próprias são a São Geraldo, em Ceseara (TO), onde está instalado o confinamento; a Bacaba, em Miranorte (TO), onde acontece integração lavoura e pecuária; a Surubim, em Ipueiras (TO), onde está a seleção de gado PO; e a Fazenda Terra Boa, em Almas (TO), responsável pelo setor de cria.

    Fábrica de ração e de proteinados abastece todo o sistema pecuário.

    A área de agricultura da Agrojem é de 10,5 mil hectares, incluindo plantio próprio e arrendamento para terceiros. Além de soja e milho há ainda outras culturas como milheto e sorgo. Na pecuária, a empresa dispõe de 50 mil hectares de pastagens arrendadas para recria de gado comercial. Ainda na bovinocultura, a estrutura oferece outros 5 mil hectares com Integração Lavoura e Pecuária (ILP). As áreas próprias não indicadas à agricultura foram transformadas em pastagens perenes.

    O Confinamento São Geraldo, por sua vez, tem capacidade estática para 12 mil cabeças, mas está em obras para expandir para 30 mil bovinos. A estrutura possui fábrica própria de ração e proteinados, o que permite bem-suplementar todos os animais, em todas as propriedades, não somente os confinados. A fábrica se vale da produção de grãos da Agrojem e de núcleos adquiridos no mercado.

    O gado de recria é todo adquirido na região, incluindo o de pecuaristas parceiros que trabalham com a genética do Nelore JEM. Está no planejamento da empresa montar um projeto de cria para ser iniciado nos próximos dois anos, de modo que, com o tempo, todo o esquema fique verticalizado.

    O gado PO, por volta de 1 mil matrizes (50 doadoras de embriões) não possui dieta diferente do gado comercial e tem origem no que há de mais moderno na seleção de Nelore do País, raça responsável por colocar o Brasil como protagonista no cenário mundial de exportações de carne bovina. As doadoras produzem 300 prenhezes de FIV ao ano. Rafael Marzão é o técnico responsável pelos acasalamentos.

    E os investimentos em alta genética são constantes. A Agrojem possui dois touros em centrais: Ayman MAT (Semex) e Artista MAT (na Alta Genetics), adquiridos do renomado criatório de Luciano Borges, Rancho da Matinha (Uberaba, MG). Trata-se do rebanho pioneiro e mais antigo na seleção de Conversão Alimentar Residual (CAR), no Brasil, critério que busca a seleção genética de animais que melhor convertem consumos alimentar em desenvolvimento precoce e peso de terminação.

    Atualmente, a Agrojem conta com 160 colaboradores que dispõem de forte amparo de recursos humanos e total cobertura das disposições trabalhistas. As equipes trabalham sob gestão moderna e buscam excelência em todos os níveis. Há muito rigor nas questões de saúde, segurança do trabalho e nutrição dos funcionários.

    Toda a dieta dos animais (ração e suplementação) é de produção própria

    Conhecendo um pouco da história

    José Eduardo Guimarães Mota, titular da Agrojem, não era fazendeiro, apesar de pertencer a uma família que sempre trabalhou no agronegócio. Embora já tivesse herdado uma fazenda, o industrial adquiriu sua primeira propriedade, a Fazenda São Geraldo, em 2011, muito apropriada à exploração agrícola. Mesmo assim passou a desenvolver projetos de pecuária comercial – uma paixão – paralelamente aos de plantio. Nesta época, já se falava em confinamento e criação de animais em grande escala, inclusive intensiva. Gado PO, José Eduardo trabalhava desde 2008.

    Danilo Figueiredo, gerente, está desde essa data com a Agrojem, primeiro como prestador de serviços e, mas agora, no início desse ano, como colaborador direto. Depois de incialmente trabalhar com uma seleção voltada para padrão racial, há alguns anos, depois de longas discussões, decidiram o mudar o foco da criação e dirigi-la ao atendimento dos pecuaristas comerciais que precisam de genética que conferisse carcaças modernas, precocidade, habilidade materna e ciclo mais curto. Então, em 2015, Rafael Marzão entra para conduzir os novos acasalamentos, investimentos e novas doadoras e reprodutores.

    Hoje, já com safras de touros desse redirecionamento, comercializa 500/ano reprodutores (projeto para 500 deles/ano) com Mato Grosso, Goiás, São Paulo, além de Tocantins. A estratégia trouxe grande alento à comercialização de genética da grife Nelore JEM. Hoje esses animais são integrantes do PMGZ (ABCZ) e Nelore Qualitas (um outro programa de melhoramento genético, que também produz animais com CEIP – Certificado Especial de Identificação e Produção, concedido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

    O rebanho PO da Agrojem se encontra em plena expansão, inclusive com a incorporação de novas áreas para pecuária. Para tanto, vislumbrando o melhoramento das matrizes, o programa de FIV está totalmente voltado às fêmeas de reposição. A seleção é destinada aos pecuaristas produtores de bezerros comerciais. O planejamento estimula parcerias onde a empresa entra com os reprodutores e os agentes de cria com a matéria prima para a recria e posterior engorda, na Agrojem. “Trata-se de uma relação que precisa ser muito saudável, de modo a ser boa para os dois lados”, conclui Danilo.

    *Texto de Ivaris Junior, da Redação do Portal Boi a Pasto



  • A vez delas também na pecuária

  • Estamos falando das fêmeas bovinas como fiel da balança na hora de melhorar a rentabilidade do negócio. Na cobertura a campo, predominante na pecuária nacional, produzem em média 28 filhotes por ano,

    + leia mais
  • Uma nova revolução

  • Eficiência alimentar passa a ser grande preocupação dos principais selecionadores de bovinos do País. A característica promete conferir maior competitividade à produção de carne vermelha.

    + leia mais
  • Pecuária competitiva é quebra de paradigma

  • Nada de fórmulas milagrosas. Tudo é trabalho, transpiração, interpretação de números e fatos, além de contínuo aprimoramento pessoal como empreendedor.

    + leia mais
  • Temple Grandin: Práticas de bem-estar animal traz vantagens para o gado e para o pecuarista

  • Pesquisadora norte-americana Temple Grandin está no Brasil e fala sobre a preocupação com o bem estar animal e sua importância para obter-se mais produtividade na fazenda. Ela é uma das maiores autori

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites