• Sanidade
  • Susceptibilidade de bovinos de corte a verminose

    01/04/2015
    A pecuária de corte cada dia mais depende de bom desempenho de produção e para que isso aconteça é preciso se preocupar cada dia mais com a sanidade no rebanho.

    Diego Palucci*

    A sanidade animal é afetada por inúmeros agentes de doença que podem acometer os bovinos, destacando parasitas internos e externos. Inúmeras espécies de parasitas internos podem ser encontradas habitando o aparelho digestivo e respiratório dos bovinos, e por diferentes mecanismos podem causar transtornos ao bom funcionamento dos órgãos envolvidos, causando então em bovinos um pior desenvolvimento, sendo estas muitas vezes despercebidas pelos produtores rurais, pois, em muitos casos apresentam-se sob a forma sub-clinica.

    Vários fatores interferem no desenvolvimento dos parasitas internos causando então diversas formas e graus de prejuízo ao animal. Entre os fatores podemos citar:

    • - Idade: Os animais jovens são mais sensíveis que os adultos, mas em bezerros de corte embora constituam uma categoria de animais sensíveis, correm menos riscos, pois recebe proteção através do colostro, aliado a baixa ingestão de forragem.
    • - Raça: Os animais de origem europeia e os cruzados destas apresentam maior susceptibilidade do que animais de raças zebuínas.
    • - Estado nutricional: Os animais bem nutridos sofrem menos com os efeitos das verminoses.
    • - Estado fisiológico: No final e inicio da lactação os animas se tornam mais susceptíveis aos efeitos dos vermes.
    • - Intensidade da carga parasitaria e espécie envolvida: Quanto maior for a carga de parasitas maiores serão os efeitos, dependendo também das espécies envolvidas.
    • - Condições climáticas e vegetação: Nos períodos quentes e chuvosos há uma maior predisposição para o desenvolvimento dos parasitas em sua forma livre aumentando então os riscos de contaminação, podendo também variar de acordo com a densidade da pastagem que quando muito densa impedem a dessecação solar e criam microclimas propícios para o desenvolvimento dos parasitas.

    A parasitemia do animal vai depender então da soma de todos os fatores citados acima, podendo causar casos clínico e subclínico. Muitas vezes estes sinais não são detectados na propriedade causando então perdas difíceis de serem mensuradas.

     *Diego Palucci é Médico Veterinário da Equipe Rehagro

    Fonte: Rural Centro / Rehagro

     


  • MANEJO EFICIENTE DA PASTAGEM AJUDA NA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE

  • Para acessar mercado premium e que melhor remunera com a criação a pasto, é preciso planejamento, animais de boa genética e principalmente escolher cultivares com alto valor nutritivo para alimentação

    + leia mais
  • Pantanal tem 14 cidades em emergência, mais incêndios e mortes de animais no MS

  • Região vive período de forte estiagem, o que motivou o decreto de emergência por parte do governo local

    + leia mais
  • Pasto rotacionado: sobrou capim? Saiba por que isso é um ótimo sinal

  • Confira as novas dicas do doutor em zootecnia Gustavo Rezende Siqueira, pesquisador do Polo Regional de Alta Mogiana da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA)

    + leia mais


  • Criação de sites