• Sanidade
  • Vacina contra aftosa põe em risco desempenho da IATF

    23/11/2016
    É preciso alertar os produtores sobre as perdas que a vacina contra febre aftosa pode provocar após manejo da IATF.

    Com a volta das chuvas e a melhora gradativa das pastagens, o produtor se apressa em colocar suas fêmeas em estação de monta. O início do manejo, no entanto, coincide com a segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa, obrigatória para todas as categorias em quase todos os Estados durante o mês de novembro. O que seria tão somente uma mera coincidência tem se tornado uma ameaça à fertilidade do plantel. Estudo conduzido por oito pesquisadores na Fazenda Siriema, em Miranda, MS, concluiu que os animais vacinados no 30º dia após a IATF – Inseminação Artificial em Tempo Fixo, tiveram perda gestacional 4,2 vezes superior quando comparados ao grupo vacinado 20 dias antes de passar pela inseminação. Ou seja, a vacinação feita após o manejo derrubou a fertilidade das fêmeas em 16,5%.

    Para Sebastião Guedes, vice-presidente do CNPC – Conselho Nacional de Pecuária de Corte, é preciso fazer uma alerta sobre o risco. “Os fornecedores de vacina têm obrigação de informar os criadores do efeito negativo que a vacina contra a aftosa pode provocar quando aplicada após a IATF”, diz. Na opinião de Guedes, que também preside o GIEFA – Grupo Interamericano para Erradicação da Febre Aftosa, caberia ao Mapa – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, exigir dos fabricantes de vacinas que invistam na comunicação do problema e, deste modo, orientem os produtores sobre o que fazer para reduzir essas perdas.  

    Famato muda calendário de vacinação

    A Famato – Federação da Agricultura e Pecuária do Mato Grosso, conseguiu uma vitória importante nesse quesito. A partir de 2017 o calendário de vacinação contra a febre aftosa no Estado será invertido. Em maio a vacina será aplicada no rebanho de mamando a caducando, enquanto em novembro serão vacinados apenas os animais de 0 a 24 meses. Como a maioria das fêmeas entra em idade reprodutiva acima de dois anos, reduz-se o risco da vacinação coincidir com o manejo reprodutivo, o que pode comprometer os índices de prenhes, como mostrou o estudo. “Outras federações deveriam seguir o exemplo da Famato e pleitear, junto ao Ministério da Agricultura, alterações em seus respectivos calendários de vacinação. Certamente reduziriam os problemas de perda gestacional decorrente da vacina contra aftosa”, afirma Guedes.     

    Sobre o CNPC

    O CNPC é uma entidade sem fins lucrativos que tem por objetivo desenvolver estratégias para o crescimento da pecuária de corte nacional e estabelecer relações entre os vários agentes, representando a cadeia produtiva junto aos governos estaduais e nacional, bem como nos fóruns de discussão internacional que promovam a sanidade, o bem-estar animal e a segurança alimentar. Criado em 1982, a entidade tem representantes nos principais Estados que se destacam na pecuária nacional sendo atualmente presidida pelo Dr. Tirso de Salles Meirelles.

    Fonte: CNPC / Mecânica de Comunicação

  • Agro tem papel de destaque na preservação ambiental

  • Cálculos do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (Gite) da Embrapa, a partir das análises de dados geocodificados do Cadastro Ambiental Rural (CAR), mostram significativa participação da agri

    + leia mais
  • Rally da Pecuária 2017 vai a campo em cenário de maior oferta

  • Produtores mais tecnificados tendem a manter ou até aumentar a rentabilidade apesar da queda nos preços

    + leia mais
  • iLPF proporciona estabilidade da oferta de forragem na propriedade leiteira

  • A região de Unaí, no Noroeste de Minas Gerais, é uma das principais bacias leiteiras do estado. Além do período da seca, a forte influência de veranicos e as altas temperaturas durante as águas são um

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites