• Sanidade
  • Vacinação bem aplicada reduz perdas no rebanho

    02/02/2017
    Seguir o protocolo e adotar cuidado extra na aplicação podem reduzir a ocorrência de abscessos, nódulos que tendem a se tornar infecções ou até lesões mais graves.

    Em tempos de preparativos para a vacinação contra a febre aftosa, criadores atentam para os cuidados que devem ser tomados na hora da aplicação para evitar perdas na carcaça, principalmente em se tratando de animais de alto desempenho como o rebanho Angus. Seguir o protocolo e adotar cuidado extra na aplicação podem reduzir a ocorrência de abscessos, nódulos que tendem a se tornar infecções ou até lesões mais graves. Materiais sem higienização são os principais causadores do problema que é recorrente em períodos de imunização, como o que se aproxima com a Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa, que começa em maio na maior parte do país, conforme prevê o calendário nacional estipulado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

     A médica veterinária do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação do Rio Grande do Sul (PNEFA/Seapi), Grazziane Rigon, orienta para cuidados básicos na aplicação como a higienização das agulhas por até 20 minutos em água fervente. A agulha também deve ser trocada a cada dez animais vacinados e não pode estar torta ou conter ferrugem. “Uma boa higienização para a aplicação do produto é fundamental para que os nódulos sejam evitados. Essa reação tende a diminuir com o tempo ou pode ser tornar uma lesão mais grave, por isso os cuidados são importantes”, afirma. Ela destaca, ainda, que o local indicado para receber a vacina é na tábua do pescoço do animal via aplicação subcutânea ou intramuscular.

     Outro fator de grande importância a ser considerado é o manejo correto dos animais no momento da aplicação da vacina, conforme destaca o técnico de Fomento da Associação Brasileira de Angus, Mateus Pivato. “Os animais devem ser contidos individualmente, em sistema apropriado. Dessa forma, se tem segurança de que a aplicação será bem feita, a dose correta será aplicada e os riscos de lesões serão minimizados”, explica. “Além disso, é importante que a vacina esteja bem estocada”. As doses devem permanecer em uma temperatura entre 2ºC e 8ºC e ser mantidas na geladeira. Quando levadas até o rebanho, o armazenamento deve ser feito em caixas de isopor com gelo.

    Fonte: Jardine



  • MANEJO EFICIENTE DA PASTAGEM AJUDA NA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE

  • Para acessar mercado premium e que melhor remunera com a criação a pasto, é preciso planejamento, animais de boa genética e principalmente escolher cultivares com alto valor nutritivo para alimentação

    + leia mais
  • Pantanal tem 14 cidades em emergência, mais incêndios e mortes de animais no MS

  • Região vive período de forte estiagem, o que motivou o decreto de emergência por parte do governo local

    + leia mais
  • Pasto rotacionado: sobrou capim? Saiba por que isso é um ótimo sinal

  • Confira as novas dicas do doutor em zootecnia Gustavo Rezende Siqueira, pesquisador do Polo Regional de Alta Mogiana da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA)

    + leia mais


  • Criação de sites