Galinha que produz ovo orgânico tem direito a banho de areia, dieta controlada e escolhe seu ninho

Sabia que o feminino de pintinho é pintainha? Série ‘De onde vem o que eu como’ ensina ainda as diferenças entre ovo convencional, caipira, com ômega 3… E saiba se os testes com ovos que bombam no TikTok fazem sentido. Recordista do Instagram com a foto mais curtida, queridinho dos “marombeiros” e da musa fitness Gracyanne Barbosa, matéria-prima de vacinas e em alta nos memes por conta da disparada nos preços. De herói a vilão, o ovo é um alimento que não sai do radar dos consumidores. Para entender o que está por trás de tanta popularidade, o g1 foi até uma granja em Porto Feliz, no interior de São Paulo, e conheceu de perto a produção de ovos orgânicos em um modelo de criação que a empresa batizou de galinhas “felizes”. 🐔 😀 Isso porque as aves não ficam em gaiolas, têm acesso a um “spa”, com direito a banho de areia, além de espaço livre para bater asas e ciscar.  5 pontos para você ficar ‘expert’ no assunto 1. 💸 No seu bolso Na hora da compra, o valor do ovo aumentou 19% na média nos últimos 12 meses, três vezes acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), divulgado na terça-feira (24). A média de produção por galinha na granja de Porto Feliz é de um ovo a cada 27 horas — Foto: Celso Tavares/ g1 2. 💻 Na web Desde a primeira quinzena de janeiro, internautas no Brasil e no exterior vêm publicando relatos sobre o preço do ovo. O assunto gerou memes nas redes sociais. Meme nas redes sociais sobre o preço do ovo — Foto: Reprodução/ Twitter Memes viralizaram nas redes sociais por conta do aumento do preço do ovo — Foto: Reprodução/ Twitter 3. 📈 Como está a produção de ovos no Brasil? O que as galinhas comem corresponde a 80% do custo de produção. A ração, que tem como maior parte da composição milho e farelo de soja, mais que dobrou de preço nos últimos dois anos, de acordo com Luis Rua, diretor de mercados da ABPA. A alta da demanda global por esses insumos, quebras de safra e a guerra na Ucrânia acabaram colaborando para piorar a situação. 4. 🤔 Vai faltar ovo no Brasil? A ABPA garante que não vai faltar a proteína no Brasil. Ainda que o mundo venha presenciando a influenza aviária, no caso os EUA, da Europa e também da Ásia, mas aqui no Brasil nós não temos essa enfermidade. A gente espera que no ano de 2023, o brasileiro possa continuar comendo acima da média mundial, que é de 230 ovos”, disse. — Luis Rua, diretor de mercados da ABPA Para manter esse status de país livre desta doença viral altamente contagiosa, governo e produtores intensificaram os cuidados sanitários desde dezembro do ano passado. Meme nas redes sociais por conta da alta do preço do ovo — Foto: Reprodução/ Twitter 5. 🛒 Mercado nacional e internacional A produção de ovos no país vem caindo. Em 2021 foram produzidos 54,9 bilhões de unidades. No ano seguinte, 52 bilhões, com o consumo de 241 unidades por pessoa, de acordo com os dados da associação. A previsão para 2023 é de 51 bilhões. O Brasil exportou 9,4 mil toneladas de ovos em 2022, volume 16,5% menor em comparação com 2021, segundo a ABPA, com base nos números oficiais do governo federal. A receita chegou a US$ 22,419 milhões, valor 24,2% superior na mesma comparação. A previsão da associação é que as vendas ao exterior cresçam até 10% este ano, até mesmo por ser uma alternativa para os países com surto de gripe aviária. Galinhas são criadas no sistema livre de gaiolas em Porto Feliz, no interior de São Paulo — Foto: Celso Tavares/ g1 Pintainhas chegam na granja com um dia de vida — Foto: Celso Tavares/ g1 Pintainhas no galpão de recria com comedouros e bebedouros sem restrições — Foto: Celso Tavares/ g1 Temperatura é monitorada no galpão onde ficam pintainhas — Foto: Celso Tavares/ g1 Aves recebem treinamento para poder ficar no galpão e na área de pastagem — Foto: Celso Tavares/ g1 Galinhas podem escolher o ninho dentro do galpão — Foto: Celso Tavares/ g1 Galinhas podem circular por áreas abertas para ciscar, bater asas, se empoleirar quando bem entender e tomar banho de areia — Foto: Celso Tavares/ g1 Após sair da granja, ovos são selecionados e passam por processo de limpeza — Foto: Celso Tavares/ g1 Observação pela ovoscopia permite verificar detalhes do ovo durante o processo de seleção — Foto: Celso Tavares/ g1

Moradores de cidade nos EUA ficam assustados com cobertura de fungo de uísque

Moradores do Tennessee, nos Estados Unidos, estão tendo problemas com o chamado fungo de uísque que está cobrindo toda a cidade de Lincoln County. Eles culpam um armazém da fabricante de bebidas Jack Daniel’s na região, conforme reportagem do jornal “NY Times”. O fungo preto, dizem eles, se alimenta de vapores de álcool que saem dos barris usados para envelhecer uísque, e forma uma crosta escura sobre árvores, casas, carros, placas de trânsito etc. Um desses moradores, Patrick Long, entrou com uma ação contra a prefeitura no início deste ano, alegando que as autoridades aprovaram a construção de novos armazéns sem que a empresa fornecesse as licenças adequadas. “A evaporação do etanol que está dentro das casas de barril se transforma em um fungo preto que se liga a qualquer coisa que não se mexe”, disse Long à rádio WHNT ainda em 2022. Long também declarou que já gastou milhares de dólares para limpar repetidamente sua propriedade. Um juiz ordenou na semana passada que a construção de novos depósitos fosse interrompida, segundo a imprensa local, mas isso não resolve o problema que os moradores têm com os armazéns já existentes. A Brown-Forman, empresa responsável pelos barris de Jack Daniel’s, afirmou que os vapores de etanol estão dentro dos limites legais. Os executivos também alegaram que o vapor não causa danos físicos. Existem reclamações parecidas de moradores de outras regiões, que também vivem perto de destilarias de uísque. Segundo a reportagem do NY Times, um dos primeiros relatos de ataque do fungo é de 1870 na França, próximo a uma destilaria de conhaque, feito por Antonin Baudoin. O nome cientifico do fungo é em sua homenagem. Telhado da propriedade de morador do Tennessee, EUA, está coberta por camada escura do fungo do uisque — Foto: Patrick Long/Arquivo pessoal O que é o fungo do uísque? O nome científico é Baudoinia compniacensis. É um fungo de coloração preta com uma textura aveludada e que forma uma crosta entre 1 e 2 cm de espessura, conforme pesquisa do Instituto de Saúde de Indiana, nos EUA. O fungo pode crescer em várias superfícies, incluindo plantas, tijolos, metal, aço inoxidável, concreto e plástico. Ele cresce próximo a locais onde ocorre fermentação, seja ela de forma natural, como em pântanos, ou manipulada pelo ser humano, como em destilarias. O fungo do uísque usa o vapor do etanol para sua germinação e reprodução. Segundo o estudo do instituto de saúde, não há relatos de risco para a saúde humana causados pelo Baudoinia compniacensis, mas eles recomendam que se use máscaras do tipo N95, óculos de proteção e luvas para removê-lo das superfícies. Apesar de não fazer mal à saúde, o fungo pode matar plantas e árvores, destruir propriedades e é resistente a altas temperaturas, o que facilita a sua dispersão em lugares quentes.