julho 23, 2024

Pecu√°ria leiteira mais rent√°vel e sustent√°vel

Uma iniciativa pioneira mensurou a pegada de carbono e a rentabilidade de 150 propriedades leiteiras ao longo de um ano. As fazendas que adotaram práticas de agricultura regenerativa durante a safra de 2022/2023 tiveram um custo de produção 8% menor na comparação com as propriedades convencionais, que não adotaram práticas regenerativas. O resultado foi uma rentabilidade de 4% a mais na atividade leiteira.

7 conquistas do setor queijeiro em Minas

Sistema Faemg Senar desenvolve a√ß√Ķes para fortalecer a cadeia produtiva no estado, que √© respons√°vel por 40% da produ√ß√£o nacional Quando pensamos em produtos genuinamente mineiros, o queijo √© uma das principais refer√™ncias da identidade cultural do estado. A iguaria, que √© sin√īnimo de tradi√ß√£o, gera emprego, renda, estimula o turismo e √© admirada no Brasil e exterior, tem um dia para chamar de seu: 20 de janeiro. No Dia Mundial do Queijo, o Sistema Faemg Senar destaca importantes conquistas do segmento em Minas Gerais, respons√°vel por 40% da produ√ß√£o nacional. Atualmente, s√£o produzidas no estado cerca de 34 mil toneladas de queijo artesanal por ano e 14 mil toneladas de queijos n√£o artesanais da agroind√ļstria familiar. Patrim√īnio da Humanidade O modo artesanal de produ√ß√£o mineira j√° √© patrim√īnio imaterial brasileiro, mas, agora, os Modos de Fazer o Queijo Minas Artesanal (QMA) podem se tornar Patrim√īnio da Humanidade. Representando os produtores rurais que trabalham como verdadeiros guardi√Ķes desse costume secular, o Sistema Faemg Senar marcou presen√ßa na 17¬™ Sess√£o do Comit√™ Intergovernamental para Salvaguarda do Patrim√īnio Cultural Imaterial da Unesco, em novembro de 2022, no Marrocos. O objetivo foi sensibilizar e apresentar os modos de fabrica√ß√£o √†s demais delega√ß√Ķes, al√©m de divulgar o bem cultural, promovendo o reconhecimento da diversidade, dos saberes, sabores e das pr√°ticas gastron√īmicas. ‚ÄúO Queijo Minas Artesanal carrega uma t√©cnica hist√≥rica, que remonta ao tempo dos colonizadores. √Č feito em pequenas propriedades rurais, com receitas familiares passadas de gera√ß√£o em gera√ß√£o. O sabor varia de acordo com a regi√£o onde √© produzido, sendo influenciado pela altitude, caracter√≠sticas do solo, clima, tipo de vegeta√ß√£o, entre outros‚ÄĚ, explica o presidente da Comiss√£o T√©cnica do Queijo Minas Artesanal do Sistema Faemg Senar, Frank Mour√£o Barroso. Cursos, programas e assist√™ncia t√©cnica O Sistema Faemg Senar atua fortemente para o desenvolvimento do setor. Por meio da Comiss√£o T√©cnica do Queijo Artesanal de Minas, a institui√ß√£o faz a defesa t√©cnica, pol√≠tica e d√° visibilidade ao trabalho da cadeia produtiva. H√° tamb√©m as capacita√ß√Ķes: foram realizados, somente em 2022, mais de 380 cursos presenciais, oficinas e semin√°rios sobre t√©cnicas de fabrica√ß√£o de queijos, que capacitaram cerca de 4 mil pessoas. Com o trabalho da Assist√™ncia T√©cnica e Gerencial (ATeG) Agroind√ļstria, foram realizadas mais de 7 mil visitas de campo e cerca de 600 propriedades receberam orienta√ß√Ķes gratuitas sobre produ√ß√£o e gest√£o com t√©cnicos especializados, desde 2019, em parceria com os Sindicatos Rurais. ‚ÄúO ATeG tem nos ajudado muito, fizemos v√°rios cursos para aprimorar a qualidade da nossa produ√ß√£o, em um processo muito importante para a nossa evolu√ß√£o‚ÄĚ, disse a produtora Rafaela Faria, quarta gera√ß√£o de produtores de queijo Canastra da sua fam√≠lia. Ela e os irm√£os j√° estavam no mercado de trabalho em outras √°reas quando decidiram retornar para a fazenda pr√≥xima a S√£o Roque de Minas, e investir na produ√ß√£o dos queijos ‚ÄúIrm√£os Faria‚ÄĚ, ao lado de seus pais. Melhoria das t√©cnicas e boas pr√°ticas de fabrica√ß√£o Cada vez mais, o Sistema Faemg Senar investe em a√ß√Ķes para melhorar as t√©cnicas de produ√ß√£o e controle de qualidade, que incluem cursos de boas pr√°ticas de fabrica√ß√£o, programa especial em boas pr√°ticas agropecu√°rias e at√© mesmo suporte aos produtores em habilita√ß√£o sanit√°ria e registros de seus estabelecimentos juntos ao √≥rg√£o de inspe√ß√£o. Produtores assistidos pelo ATeG recebem, mensalmente, um t√©cnico na propriedade que os auxilia na implanta√ß√£o e descri√ß√£o dos programas de qualidade, nas t√©cnicas de produ√ß√£o e no gerenciamento da propriedade, focando sempre na qualidade dos queijos produzidos. ‚ÄúA n√£o utiliza√ß√£o de m√©todos adequados de produ√ß√£o pode interferir diretamente na qualidade do queijo. Por exemplo, as olhaduras, que s√£o aqueles furinhos. Muitas pessoas acabam se confundindo na hora de adquirir o produto, mas, na verdade, esses furinhos podem indicar uma falha no controle higi√™nico sanit√°rio do processo, provocada por bact√©rias que, ao fermentarem o leite, produzem gases. Os furinhos podem aparecer no queijo quando o leite √© obtido em condi√ß√Ķes inapropriadas de higiene e n√£o passam por tratamento t√©rmico para inativa√ß√£o desses microrganismos, podendo causar doen√ßas de origem alimentar com preju√≠zos √† sa√ļde do consumidor‚ÄĚ, destaca a analista de ATeG Paula Lobato. Selo Arte Por meio da Portaria n¬ļ 531, de 16 de dezembro de 2022, o Minist√©rio da Agricultura, Pecu√°ria e Abastecimento (Mapa) estabeleceu requisitos para a concess√£o dos selos de identifica√ß√£o artesanal Arte e Queijo Artesanal, que passam a ser concedidos pelos √≥rg√£os de agricultura e pecu√°ria das esferas federal, estadual, municipal e distrital. A medida representa um grande avan√ßo para cadeia produtiva. ‚ÄúProdutos fabricados a partir de leite cru devem atender √† legisla√ß√£o, seguindo requisitos que assegurem a inocuidade na produ√ß√£o artesanal para o fornecimento de alimento seguro ao consumidor. A concess√£o do Selo Arte e a devida regulariza√ß√£o sanit√°ria das queijarias garante ao produtor comercializar seu queijo em todo o territ√≥rio nacional, agregando valor e aumentando o seu faturamento‚ÄĚ, enfatiza Paula. Reconhecimento do queijo ‚ÄėCasca Florida‚Äô De forma in√©dita no Brasil, o Queijo Minas Artesanal na variedade de Casca Florida (QMACF) foi reconhecido pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecu√°ria e Abastecimento (Seapa). A resolu√ß√£o foi publicada em dezembro de 2022 em atendimento a uma demanda antiga da cadeia produtiva. √Č considerada ‚Äúcasca florida‚ÄĚ a cobertura com presen√ßa ou domin√Ęncia visualmente constatada de fungos filamentosos, popularmente nomeados de mofos ou bolores. O reconhecimento atesta ao mercado que o queijo √© especial e suas caracter√≠sticas n√£o oferecem risco √† sa√ļde. Minas Gerais √© o primeiro estado brasileiro a reconhecer o QMACF. Outros estados j√° formalizaram a produ√ß√£o de queijos industrializados com casca florida a partir do leite pasteurizado. Regi√Ķes Produtoras Minas Gerais conta com dez regi√Ķes produtoras de Queijo Minas Artesanal: Arax√°, Campo das Vertentes, Canastra, Cerrado, Diamantina, Entre Serras da Piedade ao Cara√ßa, Serra do Salitre, Serro, Serras da Ibitipoca e Tri√Ęngulo Mineiro. Todas elas produzem esse mesmo tipo de queijo, mas t√™m o seu “saber fazer” caracter√≠stico. Cada origem d√° ao queijo uma identidade pr√≥pria, de acordo com as caracter√≠sticas humanas, culturais e naturais do local de fabrica√ß√£o. Recentemente, o Instituto Mineiro de Agropecu√°ria (IMA) reconheceu outras

Queijarias mineiras recebem as primeiras certifica√ß√Ķes emitidas pelos munic√≠pios

Nova legisla√ß√£o federal, de dezembro de 2022, deu autonomia aos √≥rg√£os municipais para a concess√£o dos selos¬†19 de Janeiro de 2023 , 18:14 O secret√°rio de Agricultura, Pecu√°ria e Abastecimento, Thales Fernandes, participou, nesta quinta-feira (19/1), da solenidade de entrega dos primeiros Certificados do Selo Queijo Artesanal emitidos pelos munic√≠pios. O evento foi realizado em parceria pelo Minist√©rio da Agricultura e Pecu√°ria, Secretaria de Estado de Agricultura, Pecu√°ria e Abastecimento (Seapa) e a Associa√ß√£o Mineira de Munic√≠pios (AMM). Os munic√≠pios de Entre Rios de Minas e Aiuruoca entregaram as primeiras certifica√ß√Ķes √† queijaria Cana Velha e √† queijaria Goa, respectivamente. Outros munic√≠pios, como Diamantina e Formiga, est√£o finalizando os procedimentos e em breve os produtores estar√£o aptos a receberem os selos emitidos pelos respectivos √≥rg√£os municipais. Descentraliza√ß√£o As certifica√ß√Ķes entregues pelos munic√≠pios s√£o as duas primeiras realizadas ap√≥s a publica√ß√£o da portaria federal N¬į 531 de 16 de dezembro de 2022, com as novas regras para a concess√£o do Selo Arte e do Selo Queijo Artesanal. A partir da nova legisla√ß√£o, al√©m do Minist√©rio, as institui√ß√Ķes de agricultura e pecu√°ria estaduais e municipais poder√£o conceder os selos de identifica√ß√£o artesanal aos produtos com registro em servi√ßo de inspe√ß√£o oficial de mesma inst√Ęncia. Os munic√≠pios passam a ter autonomia para conceder os selos que autorizam o tr√Ęnsito em territ√≥rio nacional de produtos fiscalizados por profissionais municipais, sem necessidade de auditorias do Estado ou do Minist√©rio da Agricultura, simplificando o processo e promovendo a universaliza√ß√£o da pol√≠tica de acesso √† comercializa√ß√£o desses produtos em todo o pa√≠s. Protagonismo Municipal Para o Superintendente do Minist√©rio da Agricultura e Pecu√°ria de Minas Gerais, Marc√≠lio de Souza Magalh√£es, a medida √© a concretiza√ß√£o do Sistema Unificado de Aten√ß√£o √† Sanidade Agropecu√°ria (Suasa), implantado em 1998, que dividiu a responsabilidade de inspe√ß√£o e defesa agropecu√°ria entre os tr√™s n√≠veis de governo (Uni√£o, Estados e munic√≠pios). ‚ÄúO n√≠vel municipal estava bem aqu√©m neste processo. E com a nova lei, os munic√≠pios assumem novas responsabilidades e √© uma grande oportunidade se organizarem, ajustarem seus servi√ßos de inspe√ß√£o municipal e integrarem de forma definitiva o Suasa, que √© t√£o importante para o pa√≠s‚ÄĚ. Para o Secret√°rio de Agricultura, Pecu√°ria e Abastecimento, Thales Fernandes, essa descentraliza√ß√£o vem numa √≥tima hora, em que o setor precisa aumentar o volume de produ√ß√£o dos queijos formalizados. ‚ÄúO servi√ßo de inspe√ß√£o municipal agora pode emitir o Selo Queijo Artesanal, permitindo o com√©rcio entre munic√≠pios e estados. O pr√≥ximo passo √© conseguirmos a exporta√ß√£o dessas iguarias para o mundo. Aqui em Minas Gerais, mais uma vez, estamos assumindo o protagonismo na cadeia produtiva dos queijos artesanais, muito importante na cultura e economia do estado. O Sistema Estadual da Agricultura vai acompanhar e dar o apoio necess√°rio para que os munic√≠pios tenham um servi√ßo de inspe√ß√£o eficiente e os produtores tenham facilidade no registro dos seus produtos‚ÄĚ, afirma o secret√°rio Thales Fernandes. ‚ÄúPara a gente √© muito importante a visibilidade, a simbologia. O que a gente tem feito √© para eleger Minas Gerais o planeta Queijo. A gente j√° tem os modos de fazer dos queijos artesanais reconhecidos como patrim√īnio imaterial estadual e nacional, pelo Instituto Estadual do Patrim√īnio Hist√≥rico e Art√≠stico de Minas Gerais (Iepha) e pelo Instituto do Patrim√īnio Hist√≥rico e Art√≠stico Nacional (Iphan), e estamos lutando para que sejam reconhecidos pela Unesco‚ÄĚ, afirma a Secret√°ria-Adjunta de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Milena Andrade Pedrosa. O Vice-Presidente da Associa√ß√£o Mineira de Munic√≠pios, Luiz Fernando Alves, tamb√©m destacou a import√Ęncia da medida. ‚Äú√Č um grande ganho e n√≥s, do municipalismo mineiro, vemos essa descentraliza√ß√£o como um grande avan√ßo, que vai trazer mais notoriedade e ganhos para esse setor produtivo que √© muito importante, especialmente, para os pequenos produtores‚ÄĚ. Segundo o Coordenador de Vigil√Ęncia em Sa√ļde de Aiuruoca, Marcos Paulo Maciel, a municipaliza√ß√£o na emiss√£o dos selos √© um passo fundamental para o fortalecimento do setor. ‚ÄúA produ√ß√£o de leite e a atividade queijeira s√£o muito fortes no munic√≠pio. A emiss√£o desses selos vai permitir o escoamento da produ√ß√£o para outros mercados, aumentando a gera√ß√£o de emprego e renda para a cidade. Isso vai estimular que mais produtores tenham o interesse de buscar a regulariza√ß√£o de suas atividades e isso √© muito bom para o munic√≠pio‚ÄĚ, avalia. √Ä frente da Queijaria Cana Velha, um dos empreendimentos certificados, a produtora Helena Silva Melo fala da import√Ęncia do selo para o seu neg√≥cio. ‚ÄúVai valorizar demais o nosso trabalho e aumentar as vendas. Atualmente, nossa produ√ß√£o √© de 15 queijos de meio quilo por dia, comercializados na regi√£o. Agora, nossos queijos poder√£o ser vendidos em todo o pa√≠s e a inten√ß√£o √© aumentar a produ√ß√£o.‚ÄĚ Regi√Ķes Caracterizadas Minas Gerais conta com 15 regi√Ķes caracterizadas como produtoras dos diversos queijos artesanais. O Queijo Minas Artesanal (QMA), produzido com leite de vaca cru, sem pasteuriza√ß√£o, seguindo processos tradicionais de confec√ß√£o, foi o primeiro a ser caracterizado no estado. Atualmente, 10 regi√Ķes no estado s√£o caracterizadas como produtoras de QMA (Arax√°, Canastra, Campos das Vertentes, Cerrado, Serra do Salitre, Serro, Tri√Ęngulo Mineiro, Serras da Ibitipoca, Diamantina e Entre Serras da Piedade ao Cara√ßa). Al√©m disso, o estado conta com mais cinco regi√Ķes caracterizadas como produtoras de outros tipos de queijos artesanais (Alagoa, Mantiqueira, Jequitinhonha, Vale do Sua√ßu√≠ e Serra Geral). Tamb√©m participaram da solenidade o deputado federal Jos√© Silva, e o estadual Ant√īnio Carlos Arantes, dirigentes das institui√ß√Ķes vinculadas ao Sistema Estadual da Agricultura e representantes municipais e de institui√ß√Ķes ligadas ao setor. Fonte – Ascom/Seapa Curadoria: Boi a Pasto

Deputados debatem produtos l√°cteos modificados

Com r√≥tulos similares e pre√ßos mais atraentes, alguns consumidores alegaram ter sido induzidos a erro e comprar ‚Äúgato por lebre‚ÄĚ. Na √ļltima audi√™ncia p√ļblica do ano, a Comiss√£o de Agricultura, Pecu√°ria, Abastecimento e Desenvolvimento Rural debateu um tema que foi destaque na m√≠dia e nas redes sociais em 2022: os produtos l√°cteos modificados. Apesar de j√° existirem h√° muito tempo, no per√≠odo da entressafra em meados deste ano, tais produtos surgiram em maior quantidade e dividiram espa√ßo nas g√īndolas de padarias e supermercados ao lado dos l√°cteos convencionais. Com r√≥tulos similares e pre√ßos mais atraentes, alguns consumidores alegaram ter sido induzidos a erro e comprar ‚Äúgato por lebre‚ÄĚ. ‚ÄúOs meios de comunica√ß√£o divulgaram que em vez de adquirir leite, iogurtes, cremes de leite e at√© leite condensado, os consumidores estavam levando produtos l√°cteos modificados com adi√ß√£o de soro de leite, entre outros ingredientes‚ÄĚ, conta a pesquisadora Kennya Siqueira, que participou da audi√™ncia. J√° h√° algum tempo, o soro de leite se transformou de subproduto em ingrediente importante para a ind√ļstria de latic√≠nios. Produtos como o whey protein se consolidaram no mercado fitness e s√£o adotados em dietas especiais. A legisla√ß√£o tamb√©m regulamenta os compostos l√°cteos elaborados √† base de soro, estabelecendo que eles devem possuir no m√≠nimo 51% de l√°cteo e a rotulagem conter todos os componentes do alimento. No entanto, a pol√™mica se estabeleceu devido √† crise de produ√ß√£o ocorrida em 2022, com substancial aumento no custo de produ√ß√£o e no pre√ßo do leite (o litro do leite UHT chegou a custar cerca de R$ 9,00 para o consumidor). Os compostos ou misturas l√°cteas tornaram-se, ent√£o, uma alternativa mais acess√≠vel √† popula√ß√£o. Para a gerente-geral de Alimentos da Ag√™ncia Nacional de Vigil√Ęncia Sanit√°ria (Anvisa), Patr√≠cia Fernandes de Castilho, os produtos √† base de soro de leite est√£o dentro da legisla√ß√£o, mas falta transpar√™ncia, o que pode levar o consumidor ao erro. Embora as informa√ß√Ķes estejam todas contidas nos r√≥tulos, a supervisora do Programa de Alimenta√ß√£o Saud√°vel e Sustent√°vel do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), La√≠s Amaral, diz que se a pessoa for ler todos os r√≥tulos, passar√° horas no supermercado. ‚ÄúTranspar√™ncia‚ÄĚ foi a solu√ß√£o acordada entre os debatedores. O deputado federal por Minas Gerais, Z√© Silva (Solidariedade), que conduziu a audi√™ncia p√ļblica, concorda que o consumidor necessita de clareza nos r√≥tulos dos compostos l√°cteos: ‚Äúos produtos n√£o podem ser vendidos como foram‚ÄĚ. As embalagens dos l√°cteos convencionais e compostos l√°cteos precisam ser diferenciadas e o parlamento dever√° buscar medidas para que isso ocorra, foi o que se concluiu do debate. Fonte: Embrapa Curadoria: Boi a Pasto

Em meio a incertezas, mercado lácteo espera recuperação em 2023

Apesar da expectativa de retomada de crescimento, especialistas ressaltam que o ano de 2023 ser√° ainda de muita incerteza, especialmente em rela√ß√£o √† √°rea fiscal. ‚ÄúAp√≥s quatro anos de altas consecutivas na produ√ß√£o leiteira, o setor apresentou dois anos de quedas significativas e estima-se que o Brasil encerre o ano com queda de 4,4% na produ√ß√£o formal‚ÄĚ, relata a pesquisadora da Embrapa Gado de Leite Kennya Siqueira. ‚ÄúA cadeia produtiva do leite sofreu s√©rios impactos pelos acontecimentos globais em 2022, intensificando as dificuldades j√° apresentadas em 2021‚ÄĚ, completa. Se, por um lado, a vacina√ß√£o contra a Covid-19 acenava para a volta da normalidade e a retomada da economia; por outro, logo no primeiro trimestre de 2022, o conflito entre R√ļssia e Ucr√Ęnia valorizou as commodities agr√≠colas e o petr√≥leo. Grandes produtores de gr√£os, fertilizantes e petr√≥leo, os pa√≠ses em conflito impediram que a economia global se recuperasse dos anos de pandemia e criaram as condi√ß√Ķes para aumentos recordes dos custos de produ√ß√£o de leite no Brasil, al√©m do aumento da infla√ß√£o e da queda da renda do brasileiro, segundo detalha a cientista. Especialistas do Centro de Intelig√™ncia do Leite da Embrapa (Cileite) fizeram um balan√ßo do per√≠odo recente e tra√ßam perspectivas para setor em 2023. O ano de 2021 j√° terminara com dificuldades para o setor, com queda no volume de produ√ß√£o do leite inspecionado (gr√°fico abaixo), elevando a importa√ß√£o de l√°cteos em 21,5% no ano posterior. Nos dois √ļltimos anos, o √ćndice do Custo de Produ√ß√£o do Leite (ICPLeite) divulgado pela Embrapa registrou crescimento de 62%. A partir do segundo semestre, esse √≠ndice iniciou uma lenta retra√ß√£o e, em novembro, o ICPLeite apresentou queda de 1,7%, influenciado principalmente pela retra√ß√£o de 4,5% do custo do alimento concentrado para as vacas. Ainda assim, o cen√°rio foi de piora na rentabilidade do produtor ao longo do segundo semestre de 2022, pois o pre√ßo recebido por eles caiu de um pico de R$ 3,53 por litro de leite, em agosto, para cerca de R$ 2,50, em dezembro. O impacto tamb√©m foi sentido pelo consumidor; segundo estimativa da Embrapa, o consumo anual de leite por habitante foi reduzido de 170,3 litros para 163 litros. Em meados do ano, os l√°cteos atingiram pre√ßos recordes. O bolsista de economia Ygor Guimar√£es, que atua no N√ļcleo de Desenvolvimento Econ√īmico da Cadeia Produtiva do Leite da Embrapa, lembra que, em agosto, a infla√ß√£o do ‚Äúleite e derivados‚ÄĚ chegou a 40,2%, sendo um dos itens que mais influenciou a eleva√ß√£o do √ćndice Nacional de Pre√ßos ao Consumidor Amplo (IPCA). ‚ÄúO alto custo para alimentar as vacas e a queda na produ√ß√£o durante a entressafra do leite penalizou o consumidor‚ÄĚ, aponta o pesquisador do N√ļcleo¬†Samuel Oliveira. ‚ÄúPodemos afirmar que o Brasil passou por uma crise de oferta de leite‚ÄĚ, completa Oliveira. Isso fez com que os compostos l√°cteos ganhassem espa√ßo como alternativas mais acess√≠veis para suprir parte da demanda, n√£o sem despertar pol√™mica (leia quadro no fim da mat√©ria). No entanto, o quarto trimestre do ano representou algum al√≠vio para os consumidores. Na primeira quinzena de dezembro, o litro do leite UHT no atacado estava cotado a R$ 3,82 (queda de 40,5% desde o final de julho). J√° o quilo da mu√ßarela era vendido pela ind√ļstria a R$ 28,27 (queda de 34,8%). O leite spot (leite comercializado entre latic√≠nios) teve a maior defla√ß√£o; o litro do produto foi cotado em Minas Gerais a R$ 2,34, o que representa um recuo de 43% em rela√ß√£o a julho. Estimativas hist√≥ricas sugerem que as festas de fim de ano s√£o positivas para a ind√ļstria, que intensificam suas vendas. Estima-se crescimento pr√≥ximo de 30% em rela√ß√£o √† m√©dia de venda do ano, principalmente para leite condensado e creme de leite. Perspectivas para o setor Para o pesquisador da Embrapa Glauco Carvalho, embora o ano que come√ßa ainda traga muitos componentes de incertezas internas e externas, o mercado brasileiro est√° se reequilibrando em termos de oferta e demanda. Segundo ele, com a recupera√ß√£o do mercado de trabalho e melhorias do emprego e renda, espera-se alguma melhoria no consumo de leite e derivados. Outro fator positivo √© a produ√ß√£o brasileira elevada de gr√£os na safra 2022/2023, contribuindo para uma menor press√£o nos custos de alimenta√ß√£o das vacas, sobretudo concentrados √† base de milho e soja. ‚ÄúMas √© um ano de muita incerteza ainda, em fun√ß√£o da mudan√ßa de governo e das diretrizes que ser√£o adotadas, principalmente na √°rea fiscal, que tem impacto direto sobre taxa de juros e c√Ęmbio‚ÄĚ, diz Carvalho. No √Ęmbito externo, o analista¬†Lorildo Stock¬†espera que os pre√ßos dos fertilizantes recuem com uma solu√ß√£o para a guerra R√ļssia-Ucr√Ęnia. Por√©m, o cen√°rio de infla√ß√£o e o baixo crescimento previsto para as grandes economias (Estados Unidos, Uni√£o Europeia e China) podem refletir negativamente na retomada da economia brasileira. ‚ÄúA desacelera√ß√£o da economia mundial poder√° gerar algum impacto negativo, ainda que modesto, no segmento l√°cteo‚ÄĚ, avalia Stock. Carvalho complementa, dizendo que a forte valoriza√ß√£o das commodities agr√≠colas e n√£o agr√≠colas, nos √ļltimos dois anos, ajudou na recupera√ß√£o do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Esse n√£o √© o cen√°rio para 2023. Fonte: Embrapa Curadoria: Boi a Pasto

Programa de melhoramento genético vai elevar produção de carne e leite

Executado pela Emater-DF, Seagri e Conafer, Mais Pecu√°ria Brasil come√ßa a atender pecuaristas da capital Pecuaristas do Distrito Federal poder√£o ter acesso a um programa de melhoramento gen√©tico dos rebanhos, que pode aumentar a produ√ß√£o de carne e leite. Trata-se do Mais Pecu√°ria Brasil, projeto que come√ßou a ser executado em quatro propriedades, fruto de um trabalho conjunto da Empresa de Assist√™ncia T√©cnica e Extens√£o Rural do Distrito Federal (Emater-DF), da Secretaria de Agricultura (Seagri-DF) e da Confedera√ß√£o Nacional dos Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais (Conafer). O programa come√ßou em Mato Grosso e atualmente est√° sendo executado em mais de dois mil munic√≠pios brasileiros. A Emater-DF incluiu a iniciativa no planejamento para beneficiar produtores em todo o Distrito Federal. O contrato com a Conafer, firmado por meio da Seagri, tem dura√ß√£o de quatro anos, podendo ser prorrogado por mais quatro. De acordo com o zootecnista Maximiliano Cardoso, coordenador do programa de Ruminantes e Equ√≠deos da Emater-DF, os extensionistas da empresa est√£o escolhendo as propriedades onde o programa √© vi√°vel. Produtores dos n√ļcleos rurais Jardim e Tabatinga, localizados nas regi√Ķes administrativas do Parano√° e de Planaltina, respectivamente, receberam a visita dos t√©cnicos no in√≠cio desta semana. ‚ÄúAl√©m da melhoria da produ√ß√£o, o melhoramento gen√©tico pode elevar o valor dos animais‚ÄĚ, enumera Cardoso. O extensionista da Emater ressalta que o trabalho √© multidisciplinar: ‚ÄúTemos t√©cnicos de v√°rias √°reas atuando, pois √© necess√°rio avaliar a nutri√ß√£o dos animais, sanidade do rebanho, adequa√ß√£o das instala√ß√Ķes, viabilidade econ√īmica, enfim, todos os aspectos importantes para o sucesso do projeto‚ÄĚ. Recentemente, a Emater adquiriu dois aparelhos de ultrassom veterin√°rio, o que vai facilitar ainda mais o trabalho. ‚ÄúQuem executa o servi√ßo s√£o os t√©cnicos da Conafer, mas n√≥s damos todo o suporte necess√°rio‚ÄĚ, explica Cardoso. *Com informa√ß√Ķes da Emater-DF Fonte: Ag√™ncia Brasilia Curadoria: Boi a Pasto

Tecnologia impulsiona os resultados da pecu√°ria de corte e leite

Na cadeia do leite, por√©m, a pecu√°ria foi prejudicada pelo fen√īmeno La Ni√Īa, que provocou uma entressafra antecipada No √ļltimo dia 7/12, um time de especialistas do neg√≥cio de Ruminantes da DSM se reuniu em S√£o Paulo com a imprensa segmentada do Agroneg√≥cio para trazer um balan√ßo de 2022 e falar das perspectivas para 2023. Para os especialistas, apesar da retomada decorrente da flexibiliza√ß√£o ap√≥s a pandemia de Covid-19, o Brasil foi desafiado com a alta na infla√ß√£o que gerou impacto sobre o consumo de alimentos no pa√≠s, de maneira geral, e de carne vermelha, em particular, passando pelas quest√Ķes relacionadas √† guerra entre R√ļssia e Ucr√Ęnia que dificultou o acesso da produ√ß√£o agropecu√°ria a insumos. Um ponto que ajudou a segurar o mercado foi o fato de as exporta√ß√Ķes de carne bovina baterem recorde, somando 190 mil toneladas em outubro, segundo dados da Secret√°ria de Com√©rcio Exterior (Secex). Os embarques da prote√≠na para pa√≠ses como a China, que lidera o ranking de importadores, somado ao aumento da oferta e maior velocidade no ciclo de baixa de pre√ßos para todas as categorias animais, contribu√≠ram para esse cen√°rio apontando para o positivo. Leite Na cadeia do leite, por√©m, a pecu√°ria foi prejudicada pelo fen√īmeno La Ni√Īa, que provocou uma entressafra antecipada, com custos de produ√ß√£o elevados que desanimaram o produtor. Mesmo assim, a oferta tende a melhorar no final do segundo semestre, com recupera√ß√£o da produ√ß√£o e maior importa√ß√£o de latic√≠nios. “Mais uma vez, a pecu√°ria de corte e de leite se mostrou essencial ao desenvolvimento do nosso pa√≠s. Tivemos uma s√©rie de desafios ao longo desse ano, que foram tratados com muito cuidado pelos produtores, os verdadeiros protagonistas do nosso setor”, aponta Sergio Schuler, vice-presidente do neg√≥cio de Ruminantes da DSM para a Am√©rica Latina. Ao refor√ßar o protagonismo da atividade pecu√°ria na economia brasileira, contudo, Schuler n√£o deixa de mencionar os avan√ßos dos produtores para a ado√ß√£o de tecnologia no campo, de modo a impulsionar os resultados buscando produtividade, efici√™ncia e rentabilidade e, consequentemente, preservando o capital alocado na produ√ß√£o rural. Nutri√ß√£o animal Juliano Sabella, mencionou algumas inova√ß√Ķes relevantes e que melhoram os √≠ndices zoot√©cnicos dos bovinos de corte e leite e a rentabilidade dos produtores com aditivos, ingredientes de alta tecnologia exclusivos que combinados aos Minerais Tortuga, trazem uma s√©rie de benef√≠cios para aumento da produtividade. Perspectivas 2023 Para 2023, a DSM espera um ano de incertezas para o setor, mas com desenvolvimento e uso de tecnologias e maior concentra√ß√£o na produ√ß√£o agropecu√°ria. Quando o assunto √© o segmento leiteiro, a companhia tem perspectivas de demanda ainda fragilizada, com o La Ni√Īa afetando o primeiro trimestre e custos ao produtor ainda elevados. J√° sobre os bovinos de corte, a demanda externa vai continuar aquecida, com c√Ęmbio favor√°vel. Apesar disso, a demanda interna ainda vai seguir sendo impactada, com poss√≠vel melhora nesse final de ano e ao longo do pr√≥ximo. “Teremos maior oferta de animais, o que inclui maior abate de f√™meas. Isso vai refletir diretamente na produ√ß√£o, que vai aumentar a partir desse ano, mas se prolongando principalmente em 2023 e 2024”, explica Schuler. Digitaliza√ß√£o  Foi apresentado uma plataforma (Prodap) de apoio ao produto rural que combina tecnologia, servi√ßos de consultoria e solu√ß√Ķes nutricionais personalizadas para impulsionar a efici√™ncia e a sustentabilidade na cria√ß√£o de animais.  “Com a integra√ß√£o da opera√ß√£o da Prodap, passamos a fortalecer o desenvolvimento de solu√ß√Ķes digitais para alcan√ßar mais mercados globalmente e um maior n√ļmero de esp√©cies de animais”, diz Schuler. Censo de Confinamento Um volume de 6,95 milh√Ķes de bovinos confinados. Esse foi o montante registrado pelo Censo de Confinamento DSM 2022, estruturado pelo Servi√ßo de Intelig√™ncia de Mercado da DSM e que mostra um aumento de 4% sobre os 6,69 milh√Ķes mapeados pela equipe da DSM em 2021, o que mostra um ritmo frequente √† medida que esse tamb√©m √© um n√ļmero 4% superior aos 6,4 milh√Ķes identificados em 2020. O rebanho de animais confinados esse ano mostra tamb√©m uma alta significativa de 46% frente ao primeiro levantamento, em 2015, que registrou 4,75 milh√Ķes de bovinos produzidos no sistema intensivo de produ√ß√£o. “O confinamento √© uma ferramenta estrat√©gica e uma tend√™ncia que contribui para melhorar a produtividade do rebanho. Os pecuaristas brasileiros est√£o percebendo isso e se movimentando para adotar as altas tecnologias que temos dispon√≠veis no mercado, ao mesmo tempo em que adequam as suas fazendas para receber essas solu√ß√Ķes”, avalia Hugo Cunha, gerente t√©cnico Latam de Confinamento da DSM. Fonte: Terra Curadoria: Boi a Pasto

Tecnologia impulsiona resultados da pecu√°ria de corte e leite

Em ano de muitos impactos sobre o consumo de carne e leite e nos custos produtivos, pecuaristas avan√ßam no uso de tecnologia para levantar resultados Um ano que ficar√° marcado pelas incertezas e por um menor crescimento econ√īmico mundial. E em que novamente a atividade pecu√°ria se destacou pela resili√™ncia √†s adversidades, pela capacidade de supera√ß√£o dos produtores rurais para levar carne e leite de alta qualidade de forma competitiva, que paga as contas da porteira para dentro e que gera divisas ao pa√≠s. √Č desse jeito que 2022 ser√° lembrado. Apesar da retomada decorrente da flexibiliza√ß√£o ap√≥s a pandemia de Covid-19, o pa√≠s foi desafiado por v√°rias quest√Ķes, como a alta na infla√ß√£o que gerou impacto sobre o consumo de alimentos no pa√≠s, de maneira geral, e de carne vermelha, em particular, passando pelas quest√Ķes relacionadas √† guerra entre R√ļssia e Ucr√Ęnia que dificultou o acesso da produ√ß√£o agropecu√°ria a insumos, e chegando at√© √†s volatilidades e incertezas comuns decorrentes da corrida eleitoral no pa√≠s. Esse cen√°rio com destaque para a resili√™ncia da atividade agropecu√°ria foi apresentado pelo time de especialistas do neg√≥cio de Ruminantes da DSM em encontro com a imprensa em 7 de dezembro. Para os especialistas, um ponto que ajudou a segurar o mercado foi o fato de as exporta√ß√Ķes de carne bovina baterem recorde, somando 190 mil toneladas em outubro, segundo dados da Secret√°ria de Com√©rcio Exterior (Secex). Os embarques da prote√≠na para pa√≠ses como a China, que lidera o ranking de importadores, somado ao aumento da oferta e maior velocidade no ciclo de baixa de pre√ßos para todas as categorias animais, contribu√≠ram para esse cen√°rio apontando para o positivo. Na cadeia do leite, por√©m, a pecu√°ria foi prejudicada pelo fen√īmeno La Ni√Īa, que provocou uma entressafra antecipada, com custos de produ√ß√£o elevados que desanimaram o produtor. Mesmo assim, a oferta tende a melhorar no final do segundo semestre, com recupera√ß√£o da produ√ß√£o e maior importa√ß√£o de latic√≠nios. ‚ÄúMais uma vez, a pecu√°ria de corte e de leite se mostrou essencial ao desenvolvimento do nosso pa√≠s. Tivemos uma s√©rie de desafios ao longo desse ano, que foram tratados com muito cuidado pelos produtores, os verdadeiros protagonistas do nosso setor‚ÄĚ, aponta Sergio Schuler, vice-presidente do neg√≥cio de Ruminantes da DSM para a Am√©rica Latina. Ao refor√ßar o protagonismo da atividade pecu√°ria na economia brasileira, contudo, Schuler n√£o deixa de mencionar os avan√ßos dos produtores para a ado√ß√£o de tecnologia no campo, de modo a impulsionar os resultados buscando produtividade, efici√™ncia e rentabilidade e, consequentemente, preservando o capital alocado na produ√ß√£o rural. ‚ÄúMuitos produtores passaram a entender melhor a import√Ęncia de usar tecnologias nas fazendas, incluindo suplementa√ß√£o adequada para os animais se tornarem mais produtivos e saud√°veis durante todo seu ciclo‚ÄĚ, refor√ßa o executivo. Sobre as tecnologias do portf√≥lio da marca Tortuga¬ģ de suplementos nutricionais para bovinos, o diretor de marketing da DSM, Juliano Sabella, menciona algumas inova√ß√Ķes relevantes e que melhoram os √≠ndices zoot√©cnicos dos bovinos de corte e leite e a rentabilidade dos produtores. Destaque para os aditivos CRINA¬ģ e RumiStarTM, ingredientes de alta tecnologia exclusivos da DSM que, combinados aos Minerais Tortuga, trazem uma s√©rie de benef√≠cios para aumento da produtividade. Destaque tamb√©m para o Hy-D¬ģ, aditivo que, ao ser inclu√≠do na dieta dos bovinos, garante absor√ß√£o mais r√°pida e eficiente dos macrominerais, melhorando o rendimento de carca√ßa, produ√ß√£o de leite e √≠ndices reprodutivos, elevando os √≠ndices zoot√©cnicos e gerando benef√≠cios de bem-estar animal e seguran√ßa alimentar. Para 2023, a DSM espera um ano de incertezas para o setor, mas com desenvolvimento e uso de tecnologias e maior concentra√ß√£o na produ√ß√£o agropecu√°ria. Quando o assunto √© o segmento leiteiro, a companhia tem perspectivas de demanda ainda fragilizada, com o La Ni√Īa afetando o primeiro trimestre e custos ao produtor ainda elevados. J√° sobre os bovinos de corte, a demanda externa vai continuar aquecida, com c√Ęmbio favor√°vel. Apesar disso, a demanda interna ainda vai seguir sendo impactada, com poss√≠vel melhora nesse final de ano e ao longo do pr√≥ximo. ‚ÄúTeremos maior oferta de animais, o que inclui maior abate de f√™meas. Isso vai refletir diretamente na produ√ß√£o, que vai aumentar a partir desse ano, mas se prolongando principalmente em 2023 e 2024‚ÄĚ, explica Schuler. Aquisi√ß√£o da Prodap √© um grande passo na jornada da DSM em 2022 Al√©m da tecnologia inclu√≠da na dieta dos animais, outro passo importante do neg√≥cio de Ruminantes da DSM esse ano foi a aquisi√ß√£o da Prodap, conclu√≠da em setembro. Sobre isso, vale dizer que o desenvolvimento de tecnologias e de solu√ß√Ķes digitais para a pecu√°ria sempre foi uma das miss√Ķes fundamentais da DSM e, nesse contexto, esse foi mais um importante passo da companhia em sua jornada de precis√£o e personaliza√ß√£o. Nesse mercado, a Prodap √© uma empresa brasileira que combina tecnologia, servi√ßos de consultoria e solu√ß√Ķes nutricionais personalizadas para impulsionar a efici√™ncia e a sustentabilidade na cria√ß√£o de animais. No neg√≥cio de Ruminantes da DSM, a Prodap complementar√° o profundo conhecimento em nutri√ß√£o animal e os recursos de consultoria, permitindo um n√≠vel ainda mais alto de experi√™ncia do cliente. Ao apoiar uma produ√ß√£o rural mais eficiente, essa aquisi√ß√£o contribui para o compromisso da DSM de permitir uma redu√ß√£o de dois d√≠gitos nas emiss√Ķes de bovinos nas fazendas at√© 2030. ‚ÄúCom a integra√ß√£o da opera√ß√£o da Prodap, passamos a fortalecer o desenvolvimento de solu√ß√Ķes digitais para alcan√ßar mais mercados globalmente e um maior n√ļmero de esp√©cies de animais. Muitos clientes do neg√≥cio de Ruminantes da DSM j√° v√™m sendo atendidos com as tecnologias desenvolvidas e fabricadas pela companhia, com a aten√ß√£o para os servi√ßos da Prodap. Tudo isso em uma mesma unidade de neg√≥cios, que j√° conta com a confian√ßa do produtor rural brasileiro em ambas as frentes, a de produtos da DSM e a de servi√ßos da Prodap‚ÄĚ, conclui Schuler. Censo de Confinamento DSM registra 6,95 milh√Ķes de bois confinados em 2022 Um volume de 6,95 milh√Ķes de bovinos confinados. Esse foi o montante registrado pelo Censo de Confinamento DSM 2022, estruturado pelo Servi√ßo de Intelig√™ncia de Mercado