Sombreamento nos Pastos: O Pilar da Pecuária Sustentável em Tempos de Ondas de Calor

├Ç medida que o Brasil se prepara para enfrentar ondas de calor intensas, com previs├Áes alarmantes de temperaturas chegando a 45 graus Celsius nas regi├Áes Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste, ├ę fundamental destacar a import├óncia do sombreamento nos pastos para a pecu├íria. O sombreamento, que pode ser alcan├žado por meio de ├írvores ou estruturas artificiais, ├ę uma pr├ítica essencial para garantir o bem-estar dos animais e a produtividade da pecu├íria, al├ęm de desempenhar um papel significativo na mitiga├ž├úo das mudan├žas clim├íticas e na promo├ž├úo da pecu├íria sustent├ível

Pasto e boi viram protagonistas na recupera├ž├úo de terra fraca

Que tal┬árecuperar┬áuma ├írea de┬ásolo arenoso┬ácom um bom┬ámanejo de pasto e com o pastejo do boi? Esta ├ę basicamente a ideia do Sistema S├úo Matheus.Pasto e boi viram protagonistas na recupera├ž├úo de terra fraca┬á

O sistema ├ę um┬ámodelo de┬áintegra├ž├úo lavoura-pecu├íria┬á(ILP)┬ápara a regi├úo┬ádo bols├úo sul-mato-grossense. Neste caso, o componente pasto e boi entram primeiro, inclusive com corre├ž├Áes no solo.

Bem-estar animal: sombra ├ę essencial em regi├Áes de clima quente

O conforto t├ęrmico ├ę um dos requisitos que garantem, al├ęm do bem-estar, a sustentabilidade e o sucesso da atividade pecu├íria em regi├Áes de clima quente. Com a crescente preocupa├ž├úo do mercado consumidor – principalmente o europeu – em rela├ž├úo ao bem-estar animal, os produtores rurais devem ficar cada vez mais atentos ao modo como os animais s├úo tratados dentro das propriedades. A produ├ž├úo animal no Brasil concentra-se basicamente na regi├úo intertropical, onde existe a maior incid├¬ncia de radia├ž├úo solar, o que pode causar efeitos prejudiciais, tanto na produ├ž├úo e na sanidade, quanto na reprodu├ž├úo. ÔÇťQuando falamos em produ├ž├úo animal a pasto nos tr├│picos, considerando-se as mudan├žas clim├íticas e a perspectiva de aumentar ainda mais a temperatura do ambiente, ├ę preciso tomar alguns cuidados para evitar esses efeitos prejudiciais aos animaisÔÇŁ, destaca a pesquisadora da Embrapa Gado de Corte (Campo Grande, MS), Fabiana Villa Alves. H├í ra├žas bovinas mais ou menos adaptadas ao calor. As taurinas, em geral, s├úo pouco adaptadas a climas quentes e, por isso, as que mais sofrem os efeitos prejudiciais de altas temperaturas no ambiente. ÔÇťPor outro lado, o nelore, pertencente ├ás ra├žas zebu├şnas, ├ę um animal considerado adaptado a esse tipo de clima. Algumas caracter├şsticas, como a cor da pele e do pelo, e a grande quantidade de gl├óndulas sudor├şparas muito eficientes, auxiliam-no a tolerar bem o calorÔÇŁ, diz a pesquisadora. Entretanto, ela explica que mesmo sendo adaptados, sofrem em per├şodos prolongados com altas temperaturas por se tratarem de animais homeot├ęrmicos, que devem manter a temperatura ÔÇť├│timaÔÇŁ para realizar as fun├ž├Áes fisiol├│gicas normalmente. Quando essa temperatura come├ža a aumentar ou diminuir, eles precisam usar alguns mecanismos para retorn├í-la ├áquela considerada normal. Os animais t├¬m diferentes faixas de temperaturas consideradas de conforto t├ęrmico. Para os taurinos, essa faixa ├ę de at├ę 27 graus. O zebu├şno suporta um pouco mais, mas a temperatura m├íxima de conforto ├ę de 35 graus. ÔÇťNo inverno, no Centro-Oeste, s├úo facilmente registradas temperaturas, ao sol, pr├│ximas a essa. Ent├úo, dependendo da ra├ža e da adaptabilidade, o animal fica ofegante, aumenta a temperatura retal e os batimentos card├şacos para tentar dissipar esse calor e voltar ├á temperatura ├│tima. Mas todo mecanismo que ele usa para isso demanda gasto de energia, o que pode refletir em queda de produtividadeÔÇŁ, lembra Fabiana. Para deixar os animais na zona de conforto t├ęrmico, ela lembra que s├úo necess├írias modifica├ž├Áes ambientais, conforme o sistema de produ├ž├úo. Para os confinados ├ę poss├şvel colocar aspersores de ├ígua, cortinas e sistemas de ventila├ž├úo. Para animais a pasto, a medida mais eficiente ├ę oferecer sombra, que pode ser tanto artificial (sombrite 70%), quanto natural. Esta ├║ltima, dada pela introdu├ž├úo de ├írvores, ├ę a mais barata e eficiente, al├ęm de trazer outros benef├şcios agregados como aumento de biodiversidade, diversifica├ž├úo da renda e alimento para os animais. ÔÇťA sombra natural ├ę mais eficiente porque a ├írvore, al├ęm de bloquear a radia├ž├úo solar, cria um microclima embaixo daquele ambiente com sensa├ž├úo t├ęrmica mais agrad├ível. Assim, ├ę oferecida uma condi├ž├úo de melhor conforto t├ęrmico, por se tratar de um ambiente com menor temperatura e, com isso, ├ę poss├şvel promover o bem-estar do animalÔÇŁ, acrescenta a pesquisadora. Segunda ela, a esp├ęcie da ├írvore a ser usada depende de alguns fatores. Por exemplo, em sistemas de integra├ž├úo Lavoura-Pecu├íria-Floresta (iLPF) na regi├úo Centro-Oeste, o eucalipto ├ę muito utilizado devido ├ás condi├ž├Áes de solo (├ícido e com baixo teor de argila) e ao mercado consumidor existente para celulose, madeira e carv├úo. Na Embrapa Gado de Corte, v├¬m sendo realizados estudos para caracterizar quantitativa e qualitativamente tipos de sombra de diferentes esp├ęcies de ├írvores, e quantificar o benef├şcio proveniente dela para os animais. A expectativa ├ę que os resultados sejam divulgados dentro de tr├¬s anos.  Fonte: Embrapa Gado de Corte. Foto: Jo├úo Costa (Embrapa)

Agroneg├│cio X Meio-Ambiente

Podemos acabar com a fome sem acabar com o planeta? Por Marisa Rodrigues – Jornalista A Degrada├ž├úo da natureza visando o aumento na produ├ž├úo de alimentos de um lado, com o planeta chegando a mais de 7,5 bilh├Áes de pessoas, e de outro, o aumento da fome, principalmente na ├üfrica Subsaariana, ├üsia, Oceania, ├üfrica, entre outros, traz uma quest├úo a se considerar. Como produzir mais alimentos sem prejudicar ainda mais o meio ambiente? Esse cen├írio coloca os pa├şses em uma situa├ž├úo conflitante. De um lado t├¬m que produzir mais, para vencer a fome, que se alastra pelo planeta e de outro, n├úo pode mais desmatar para aumentar as ├íreas de plantio, pois o planeta est├í numa rota, cada vez mais acelerada de autosuic├şdio. Nos ├║ltimos anos, o planeta produz at├ę o m├¬s de agosto tudo o que dever├şamos produzir em um ano. Isto ├ę, todos os anos temos ficado em d├ęficit com a Terra, que n├úo consegue mais repor essa diferen├ža para come├žar o ano seguinte, zerada, no azul. Nossa Terra ├ę azul, mas h├í muito tempo os homens t├¬m causado, em nome do capitalismo selvagem, uma  devasta├ž├úo sem precedentes, o que ocasionou as mudan├žas clim├íticas, que por sua vez, s├úo uma resposta do planeta para tentar se proteger e sobreviver a este massacre. Ainda que isso custe a vida da humanidade como a conhecemos. Est├í claro que os n├║meros de produ├ž├úo de alimentos s├úo enormes, por├ęm maior ainda ├ę o n├║mero de pessoas passando fome no mundo. Em apenas um ano, esse n├║mero na Am├ęrica Latina aumentou em 13,8 milh├Áes, de 45,9 milh├Áes para 59,7 milh├Áes, segundo o Panorama Regional de Seguran├ža Alimentar e Nutricional 2021, da ONU. Isso equivale a 9,1% da popula├ž├úo da Am├ęrica Latina e do Caribe – ├ę a maior preval├¬ncia da fome dos ├║ltimos 15 anos. Diante desse quadro, algo pode ser feito para mudar o rumo? A boa not├şcia ├ę que o sistema alimentar global est├í amadurecendo para mudan├žas e quem era visto como a maior amea├ža ├á natureza pode se tornar sua melhor aliada. At├ę o momento, a agricultura e o meio ambiente t├¬m sido vistos como antagonistas.  O pensamento at├ę agora tem sido que alguns danos ambientais s├úo uma contrapartida infeliz, mas necess├íria para aumentar a produ├ž├úo de alimentos e nutrir a humanidade e nada pode se fazer contra isso. Mas as coisas n├úo precisam ser assim, hoje j├í sabemos como alimentar uma popula├ž├úo crescente sem destruir o planeta. Mas precisamos pensar al├ęm disso, queremos n├úo s├│ produzir mais, mas reduzir os danos. Precisamos investir em um sistema alimentar que restaure a natureza em vez de esgot├í-la. Todo desafio ├ę uma oportunidade de crescimento A produ├ž├úo de alimentos alterou nosso planeta mais do que qualquer outra atividade humana. Ela ├ę respons├ível por 24% das emiss├Áes de efeito estufa e 70% do uso total de ├ígua doce; ├ę talvez a maior causa da perda da biodiversidade no mundo, al├ęm disso a produ├ž├úo de alimentos tamb├ęm ├ę a causa de 80% da perda global de habitat, uma tend├¬ncia que est├í acelerando a cada dia. Com certeza os n├║meros n├úo s├úo animadores, por├ęm uma amea├ža crescente, pode se tornar uma oportunidade ainda maior. Por essas raz├Áes que a preserva├ž├úo do meio ambiente ├ę um dos pilares do agroneg├│cio nos dias atuais. Al├ęm de ser mais rent├ível ao produtor, os pa├şses compradores exigem essa medida mais ecol├│gica. Segundo  o chefe-geral da Embrapa Meio Ambiente, Marcelo Morandi: ÔÇťAgricultura e a conserva├ž├úo do meio ambiente andam juntos. A boa produ├ž├úo de alimentos depende desses servi├žos que a natureza nos oferece, como um bom regime de chuvas, controle biol├│gico, fertilidade do solo e controle de pragas. Tudo isso ├ę que faz a produ├ž├úo agr├şcola acontecer. O bom agro n├úo ├ę predador, ele ├ę parceiro da naturezaÔÇŁ. S├│ no Brasil s├úo mais de 180 milh├Áes de hectares de  pastos e setenta por cento disso est├úo com algum tipo de degrada├ž├úo. E ├ę pensando nisso que a sociedade agr├şcola hoje disp├Áe de v├írias t├ęcnicas e tecnologias para que seu neg├│cio ande de bra├žos dados com a preserva├ž├úo do meio. Dentre esses podemos destacar: Novas metodologias: Forma de atingir conhecimento ou resultado. Nesta categoria est├úo m├ętodos de an├ílise, procedimentos de laborat├│rio, formas de diagn├│stico, m├ętodos de pesquisa, entre outros. Como por exemplo o mapeamento digital de solos e Equa├ž├Áes para predi├ž├úo de emiss├úo de metano ent├ęrico de ruminantes criados em condi├ž├Áes tropicais Novos servi├žos: de natureza de pesquisa ou de transfer├¬ncia de tecnologia, oferecidos pela Embrapa ├á sociedade, como treinamentos, capacita├ž├Áes, an├ílises e monitoramentos. Podemos citar o Centro de Intelig├¬ncia e Mercado de Caprinos e Ovinos (Plataforma CIM) e Planilhas para estimativa da necessidade h├şdrica e manejo da irriga├ž├úo de videiras. Novos produtos: S├úo as solu├ž├Áes tecnol├│gicas de natureza f├şsica e digital, como softwares, aplicativos, cultivares (sementes e mudas), animais, m├íquinas, equipamentos, bebidas, fertilizantes, vacinas e outros. Alguns exemplos s├úo o SisILPF_Cedro – Software para manejo do componente florestal de ILPF – Cedro-australiano e o SisILPF_Elliottii – Software para manejo do componente florestal de ILPF – Pinus elliottii Novos processos: S├úo os procedimentos para gera├ž├úo de produtos, como processos para obten├ž├úo de embalagens, alimentos, bebidas, ra├ž├Áes, produtos qu├şmicos, biol├│gicos, industriais e mais. Como os Imunoestimulantes em ra├ž├Áes para peixes e o Beneficiamento da casca de coco verde para a produ├ž├úo de fibra e p├│. Novas Pr├íticas agropecu├íria: S├úo t├ęcnicas de produ├ž├úo agropecu├íria e de manejo de recursos naturais, como aduba├ž├úo, plantio, controle de doen├žas e pragas, conserva├ž├úo de solo e ├ígua, entre outros. Alguns exemplos s├úo o uso do amendoim forrageiro (Arachis pintoi cv. Belomonte) em pastagens consorciadas com gram├şneas no Acre e a manuten├ž├úo e recupera├ž├úo de pastagens, e as t├ęcnicas de manejo de pastos para a obten├ž├úo de maiores produtividades sem que haja aumento de territ├│rio de plantio. Novos sistemas: S├úo conjuntos de pr├íticas de manejo para produ├ž├úo vegetal ou animal. Inclui sistemas de cria├ž├úo, sistemas de produ├ž├úo em rota├ž├úo, sucess├úo ou consorcia├ž├úo, sistemas integrados e outros. Como por exemplo Sistemas modulares para produ├ž├úo de plantas irrigadas com ├ígua salobra e Sistema de produ├ž├úo

Mais lucrativa, pecuária sustentável ajuda a reduzir o desmatamento

Com 1,064 milh├úo de toneladas e US$ 7,409 bilh├Áes em receita, o Brasil ├ę recordista na exporta├ž├úo de carne bovina, com e Iniciativas que garantem a sustentabilidade da cadeia produtiva abrem mais oportunidades nos mercados internacionais O Brasil ├ę uma pot├¬ncia mundial no segmento de carne bovina, liderando o ranking de pa├şses exportadores. De janeiro a julho de 2022 foram 1,064 milh├úo de toneladas e US$ 7,409 bilh├Áes em receita, respectivamente 17,7% e 45,5% a mais sobre o mesmo per├şodo de 2021, segundo a Associa├ž├úo Brasileira das Ind├║strias Exportadoras de Carnes (Abiec). Chegar a esses n├║meros exige n├úo apenas esfor├žo dos produtores, mas muitas vezes pr├íticas que s├úo conden├íveis do ponto de vista da sustentabilidade da cadeia produtiva. Embora parte dos questionamentos a esse respeito parta de na├ž├Áes concorrentes, ├ę praticamente imposs├şvel dissociar o avan├žo da pecu├íria ao desmatamento. De acordo com o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amaz├┤nia (Imazon), no ano passado a floresta amaz├┤nica perdeu 10.362 km2 de mata nativa, 29% a mais do que em 2020. E em muitas das ├íreas onde antes havia ├írvores, hoje h├í pasto. A pecu├íria profissional e sustent├ível pode se descolar dessa imagem de vil├ú se assumir valores como a transpar├¬ncia frente ao mercado global. Desde que n├úo fique apenas no discurso, claro. Essa tem sido uma das prioridades do Grupo de Trabalho da Pecu├íria Sustent├ível (GTPS), conforme afirmou o vice-presidente da institui├ž├úo, Jo├úo Schimansky Netto, que est├í h├í pouco mais de um m├¬s no cargo: ÔÇťO maior desafio ├ę despertar essa consci├¬ncia de que ├ę preciso mostrar o melhor da pecu├íria sustent├ível com a mesma mensagemÔÇŁ. O executivo entende bem essa rela├ž├úo, pois tamb├ęm ├ę o respons├ível pela compra de carne bovina da empresa sueca Norvida na Am├ęrica do Sul, sobretudo no Brasil. Segundo Netto, al├ęm dos fatores relacionados ├á qualidade, os clientes europeus fazem quest├úo de saber como a carne foi produzida. Para ele, falta um instrumento oficial que comprove a origem de um bezerro e por onde esse animal andou. ÔÇťIsso ├ę o que a Europa cobra e o setor est├í trabalhando para mostrar. Qualidade sanit├íria a gente j├í tem, a bola da vez ├ę a quest├úo do desmatamentoÔÇŁ, disse. Quanto mais alinhado estiver o setor, maiores s├úo as chances de avan├žar nesse campo. A pecu├íria sustent├ível ├ę baseada em bem-estar animal, conserva├ž├úo do solo e da ├ígua, melhor aproveitamento de insumos e mitiga├ž├úo dos gases de efeito estufa. Adotar tais pr├íticas naturalmente apresenta redu├ž├úo de custos, eleva├ž├úo de margens de lucratividade e pode conquistar mais mercados, o que j├í ├ę um ganho bem significativo. Al├ęm disso, permite aos produtores receber servi├žos ambientais e entrar no mercado de cr├ęditos de carbono. Assim, todos ganham, especialmente o planeta. Fonte: Isto ├ę Dinheiro Curadoria: Boi a Pasto

Quanto de pasto, lavoura e floresta devem ter na ILPF? Esta planilha dá a resposta

Pesquisadores da Embrapa falam sobre uma planilha eletr├┤nica que ajuda o produtor a quantificar as ├íreas para implantar um sistema de integra├ž├úo lavoura-pecu├íria-floresta (ILPF). Confira Est├í interessado em adotar um dos sistemas de integra├ž├úo lavoura-pecu├íria-floresta (ILPF) na fazenda? Sabe quanto cada ├írea de produ├ž├úo pode ter? Uma planilha elaborada por pesquisadores da Embrapa d├í a dimens├úo exata para os pecuaristas implantarem qualquer sistema de ILPF. ÔÇťA integra├ž├úo ├ę um caminho sem volta e est├í crescendo mais de 1 milh├úo por anoÔÇŁ, diz Tonini. Os dados de 2020 estimam 17 milh├Áes de hectares com o uso de sistemas de ILPF. ÔÇťEste ano, seguindo as proje├ž├Áes, devem ser 20 milh├Áes de hectares em todo o Pa├şsÔÇŁ, diz Magalh├úes. A ILPF na ponta do l├ípis Para facilitar como o produtor pode dividir as ├íreas de sua propriedade, a uni├úo de trabalho de pesquisadores da Embrapa, com apoio da iniciativa privada, resultou numa planilha eletr├┤nica. O documento pode ser aberto em um computador a partir de programas como o Excel, Libre Office ou Planilhas Google. Clique aqui e fa├ža o download dessa planilha. Ela ├ę gratuita. O sistema ILPF ├ę para qualquer tipo de fazenda O sistema serve para popularizar cada vez mais a ILPF. Os pesquisadores afirmam que serve qualquer tipo de fazenda. A planilha tamb├ęm serve para qualquer tamanho de ├írea de propriedade e para qualquer esp├ęcie florestal. O documento inclusive permite que sejam feitos os c├ílculos modificando a orienta├ž├úo do plantio das ├írvores no talh├úo. C├ílculos para uma pecu├íria sustent├ível Uma das grandes vantagens, al├ęm da agrega├ž├úo de valor das atividades da fazenda, ├ę poder implementar uma pecu├íria sustent├ível. A integra├ž├úo de ├írvores na pecu├íria ajuda o sequestro de carbono vindo da produ├ž├úo de gado. Segundo as pesquisas, de 200 a 400 ├írvores por hectare s├úo suficientes para neutralizar as emiss├Áes de quatro a sete unidades animal por ano. Fonte: Giro do Boi Curadoria: Boi a Pasto