julho 23, 2024

Adeus churrasco: inflação e recessão fazem argentinos comer menos carne

Os argentinos são famosos pelas churrascarias, extensas fazendas de gado e churrascos. Porém, eles nunca consumiram tão pouca carne bovina: têm sido forçados a apertar os cintos devido à inflação de três dígitos e à recessão. O consumo de carne bovina caiu quase 16% neste ano em comparação com 2023.

Desvendando o Mercado de Carbono – estratégias e potenciais para reduzir os impactos das mudanças climáticas

O PL tem o objetivo de estabelecer um limite para as emissões de dióxido de carbono (CO2) lançados na atmosfera pelas empresas e, ao obter a aprovação do Sistema Brasileiro de Comércio de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SBCE), o país se projeta à vanguarda da regulamentação ambiental, procurando não apenas mitigar as emissões, mas também encontrar oportunidades econômicas substanciais.

CNA divulga balanço de 2023 para o agronegócio e perspectivas para 2024

No final de 2023, o Brasil está prestes a fechar o ano com um total de exportação do agronegócio atingindo US$ 164 bilhões, conforme previsto pela Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA) em seu anúncio durante coletiva de imprensa realizada no início de dezembro. Esse número representa um aumento de 3% em comparação aos dados de 2022.

Produtores e empresas apostam em técnica que recupera àrea

“O produtor rural não consegue produzir se não tiver equilíbrio ecológico. A gente depende economicamente de uma natureza preservada.” A fala do produtor de soja Joel Carlos Hendges, de Balsas (MA), resume o conceito de agricultura regenerativa, ou Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), aplicada com a adoção de técnicas de cultivo ambientalmente inteligentes, com práticas voltadas para o enfrentamento das mudanças climáticas, proteção do solo e da água. Esse modo de plantar e colher, com técnicas simples, respeitando a natureza, recupera o ecossistema biológico e aumenta a produtividade, dando mais rentabilidade ao produtor. 

“O produtor rural não consegue produzir se não tiver equilíbrio ecológico. A gente depende economicamente de uma natureza preservada.” A fala do produtor de soja Joel Carlos Hendges, de Balsas (MA), resume o conceito de agricultura regenerativa, ou Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), aplicada com a adoção de técnicas de cultivo ambientalmente inteligentes, com práticas voltadas para o enfrentamento das mudanças climáticas, proteção do solo e da água. Esse modo de plantar e colher, com técnicas simples, respeitando a natureza, recupera o ecossistema biológico e aumenta a produtividade, dando mais rentabilidade ao produtor. 

Chuvas extremas no Sul geram prejuízo bilionário para produção agrícola

O Sul do Brasil está sendo atingido por muita chuva nos últimos meses devido ao fenômeno El Niño. Recentemente, fortes precipitações causaram enchentes no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Além das perdas humanas e materiais, a produção agrícola sulista também tem sido prejudicada pelas condições climáticas extremas.

Dobradinha milho/sorgo pode reduzir riscos na segunda safra

A escassez de chuvas e/ou precipitações irregulares no Brasil Central entre setembro e outubro foram suficientes para ligar o sinal de alerta entre os produtores brasileiros. Sem condições ideais de cultivo em sequeiro, muita gente teve de atrasar a entrada da soja (safra de verão), o que, em princípio, poderia comprometer a segunda safra caso se levasse em conta apenas o cultivo do milho. No entanto, a possibilidade de uso do sorgo granífero após a colheita da soja plantada mais tardiamente, pode reduzir sensivelmente este risco, funcionando como uma espécie de “esteio” ou “seguro” para o agricultor, abrindo a possibilidade de maior rentabilidade para todo o sistema.

Balança comercial tem superávit recorde de US$9,904 bi em setembro

Beneficiada pela queda nas importações de combustíveis e pela safra recorde de grãos, a balança comercial – diferença entre exportações e importações – fechou setembro com superávit de US$ 8,904 bilhões, divulgou nesta segunda-feira (2) o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC). O resultado é o melhor para meses de setembro e representa alta de 51,2% em relação ao mesmo mês do ano passado, pelo critério da média diária.

Boi: Poder de compra frente ao bezerro é o menor em 2 anos

Os preços do boi gordo vêm apresentando forte reação neste mês, impulsionados pela baixa oferta de animais para abate – o Indicador CEPEA/B3 (mercado paulista) já opera acima dos R$ 220. No entanto, pesquisadores do Cepea ressaltam que a valorização da arroba não foi suficiente para melhorar o poder de compra de pecuaristas terminadores. Esse cenário se deve às baixas mais intensas da arroba bovina frente às registradas para o animal de reposição ao longo de 2023.