ARTIGO – É possível acabar com a fome?

Por Kátya Desessards (*) Eu venho acompanhado a evolução das pesquisas sobre a produção de alimentos alternativos como pastas e farinhas a partir de insetos, como uma opção real para solucionar o Mal da Fome no Planeta. Trabalho no agronegócio há muitos anos e a questão fome é um debate que está sempre na pauta do setor… E estas centenas de pesquisas ao redor do mundo que estudam todas as variáveis desde os níveis de nutrição, a segurança alimentar e formas concentradas de proteínas e nutrientes provenientes de insetos já existem há a mais de 40 anos. Mas, é fato ganharam notoriedade apenas nos últimos 10 anos…   São pesquisas muito sérias e que – realmente – pode resolver a insegurança alimentar no mundo. Claro, aliando outras iniciativas como saneamento básico e manejo correto da água. Uma amiga querida me enviou o artigo intitulado de ‘Vida de Inseto’, no Blog do Fausto Macedo, do Estadão. Mas fiquei um pouco triste, porque o Fernando (articulista convidado) mostrou pouco conhecimento sobre o assunto e, mesmo assim, fez um juízo de valor depreciativo. Deu sua opinião, afirmando que não comeria. Ok, até por aí, tudo certo. As pessoas podem ter suas posições. Porém, quando se trata de um veículo influenciador da Opinião pública, isso não é mais sobre o direito de ser ter uma opinião. Como jornalista, tenho que ter a ética de não gerar entendimento errado sobre assuntos que tem a Vida ou a Morte como centro. Assim, como em outros assuntos, ‘dar opinião’ sem trazer os porquês é ficar apenas na linha do ‘Eu acho’. E isso pode criar outras tantas narrativas que, no final, pode tornar uma grande ideia – real e palpável – de acabar com a fome, numa guerra de narrativas e de fundamentalistas políticos loucos e sem embasamento científico nem conhecimento algum sobre o assunto.    Fiquei ainda mais triste porque, mesmo que o autor tenha trazido alguns contextos de pesquisas e aplicações, não trouxe a informação mais importante. E se limitou a induzir o leitor a ver o assunto sob a ótica do ‘Gosto’. Sim sob o sentido de gostar ou não gostar. Minha tristeza, foi porque o artigo tratou do assunto como se as pesquisas sobre esses insetos e de tantos outros, fossem sobre a expectativa de quem os produz de serem consumidos na sua forma original, como alguns povos o fazem pelo mundo. O texto é tão vago que dá direito, assim como estou a fazer, de entender como quiser e refletir como bem entender. Ou seja, o autor me deu esse direito… Mas não é sobre isso. E, também, não é dessa forma que se deve ler e conduzir essa informação. É sobre sermos capazes de transformar esses insetos em potentes compostos de proteínas – totalmente – natural e orgânica para acabar com a fome. Todas essas pesquisas não são sobre introduzir gafanhotos, besouros ou lagartas fritas, cozidas no vapor ou num ensopado, onde estaríamos vendo esses ‘bichinhos’ nas suas formas reais com antenas e perninhas. Não, não é sobre isso. Mas pode até ser. Sim, gerar uma indústria com exatamente isso. Até porque, tem gosto para tudo. E há espaço para a criação de um setor na indústria de alimentos e de restaurantes. E tenho certeza de que renderia bilhões… O gosto por comidas exóticas move bilhões de dólares. Você sabia que o café Kopi Luwak – o mais caro do mundo – também conhecido como “café de civeta” – é feito do cocô do animal chamado de Civeta. É um pequeno mamífero de hábitos noturnos, que vive na África e na Ásia e, especial, na Indonésia. Uma xicrinha custa mais de R$ 14 mil?! Você Sabia? Não! Então, é uma ótima ideia investir em alimentos exóticos, afinal! Há o ‘Quem’ consome e há o ‘Quem’ investe. Mas esse assunto não é sobre isso… Mas é bom mostrar que ninguém é louco, ou doido por falar nisso. De introduzir insetos na alimentação… Por isso, fiquei muito triste pela forma de narrativa e da pouca informação sobre os porquês das centenas de pesquisas sobre produção de insetos em escala ‘industrial’ como uma ‘fazenda de criação de insetos’. Fiquei mais triste ainda por quem fez os trocadilhos engraçados como se esse assunto fosse sobre eu e você, e o ‘nojinho’ que poderemos ter ao ver um inseto no prato. O texto diz muita coisa sem dizer – exatamente – nada sobre os porquês de existir essas pesquisas. Fala assim… sem querer falar… parecendo um texto feito pelo ChatBot que reúne dados e números, sem a consciência do que está fazendo.  Sim, né… (espero que você não faça parte da ‘turma’ que acha que a I.A. – Inteligência Artificial – é inteligente…). Rezo que não. Mas voltando…  A grande razão de tudo isso, é acabar com a fome! É termos alternativas reais de gerar alimento numa escala rápida e volumosa. E sem macular a natureza. Sem destruir o Meio Ambiente. Sem desmatar. Sem poluir. E sem… tantos outros Sens… que são infinitos. Falar desse assunto é apontar a SOLUÇÃO para a FOME. É acabar com a desnutrição e doenças correlatas. É sobre acabar com a miséria alimentar e as milhões de mortes agonizantes por fome. Visualize na sua mente essa cena. O nível de dor incompreensível. É uma das formas mais absurdas e cruéis de morrer. A morte por fome de adultos, crianças e bebês pode se comparar como a versão atual e ‘moderna’ de um campo de concentração. Sim, é isso mesmo. Um campo de concentração onde as pessoas são confinadas ali em grupos fadados a fome. E você sabe como isso acontece? É uma morte que vai acontecendo aos poucos, lentamente… Essa realidade EXISTE! Há crianças, bebês que não tem a sorte de viver, de crescer, passam seu pouco tempo de vida com a DOR DA FOME lacerando seus corpos e nem as lágrimas caem com abundância porque a sede também as seca. Como é possível alguém ver isso e ficar totalmente