S├ştio volta a lucrar ap├│s investir em tecnologias de reuso da ├ígua

Em parceria com a Embrapa, a fam├şlia Marchezin aplicou tamb├ęm t├ęcnicas de fossa biodigestora, para fazer o saneamento do esgoto, e de restaura├ž├úo de ├íreas degradadas, fazendo com que a propriedade deixasse de ser improdutiva. Uma propriedade improdutiva teve seu rumo alterado ap├│s os donos, com ajuda de pesquisadores, come├žarem a investir em tecnologias de reuso de ├ígua.┬áConhe├ža no v├şdeo abaixo a hist├│ria da fam├şlia Marchezin, localizada em┬áS├úo Carlos (SP). https://globoplay.globo.com/v/11193300/ A propriedade, adquirida pela fam├şlia na d├ęcada de 70, tem uma ├írea praticamente em declive, que foi se degradando aos poucos, principalmente por causa da eros├úo do solo causada pelo desmatamento. Na d├ęcada de 90, ela se tornou quase toda improdutiva. Fl├ívio, herdeiro da propriedade, deixou o campo para estudar administra├ž├úo de empresas, depois voltou com o objetivo de tornar a produ├ž├úo rent├ível. Come├žou trabalhando com peixes em um tanque escavado. Foi ent├úo que ele conheceu a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecu├íria (Embrapa), que precisava de uma ├írea para testar novas tecnologias. A parceria rendeu tr├¬s experimentos: Fonte: G1 Curadoria: Boi a Pasto

Produtores de Flores de Goiás se capacitam para integrar Polo de Fruticultura

Equipes acompanharam Curso de Cooperativismo em V├úo do Paran├ú, realizado por OCB-GO/Sescoop-GO. Projeto pretende incrementar produ├ž├úo agr├şcola e melhorar a renda das fam├şlias em uma das regi├Áes mais carentes do Estado Produtores de Flores de Goi├ís se capacitam para integrar Polo de Fruticultura Vinte e quatro pequenos produtores rurais de Flores de Goi├ís participaram, de um Curso de Cooperativismo. A iniciativa cumpriu mais uma etapa do processo de implanta├ž├úo do Polo de Fruticultura do V├úo do Paran├ú, projeto do Governo de Goi├ís, criado e operacionalizado pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecu├íria e Abastecimento (Seapa), em parceria com a Ag├¬ncia Goiana de Assist├¬ncia T├ęcnica, Extens├úo Rural e Pesquisa Agropecu├íria (Emater), a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do S├úo Francisco e do Parna├şba (Codevasf), a Superintend├¬ncia de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) e outras entidades. O objetivo principal do projeto ├ę incrementar a produ├ž├úo agr├şcola na regi├úo do Nordeste Goiano, gerando emprego e renda para a popula├ž├úo. A atividade escolhida, a fruticultura, est├í alinhada com o perfil topogr├ífico, clim├ítico e hidrol├│gico local. ÔÇťEsta regi├úo tem alto potencial produtivo, principalmente com irriga├ž├úo. Queremos dotar estes produtores de conhecimento e tecnologia para que possam produzir em quantidade e qualidade. H├í muito espa├žo para ser ocupado tanto no mercado interno quanto externoÔÇŁ, destaca o titular da Seapa, Tiago Mendon├ža. O processo de implanta├ž├úo do polo contempla a capacita├ž├úo de produtores rurais e a facilita├ž├úo do acesso a cr├ędito e tecnologia. ÔÇťNosso foco inicial est├í em Flores de Goi├ís. Ali h├í 20 assentamentos rurais da reforma agr├íria, com 2.092 fam├şlias, muitas delas em situa├ž├úo de vulnerabilidade social. Vamos expandir gradativamente este trabalho para outros munic├şpios do Nordeste GoianoÔÇŁ, explica o superintendente de Engenharia Agr├şcola e Desenvolvimento Social, Jos├ę Ricardo Caixeta Ramos. A previs├úo inicial ├ę capacitar 130 produtores rurais oriundos de assentamentos de Flores de Goi├ís, onde ser├í implantada a primeira infraestrutura hidroagr├şcola em uma ├írea de dois hectares. Na quarta-feira (23/11), o munic├şpio recebeu o Curso de Cooperativismo, realizado pela Organiza├ž├úo das Cooperativas Brasileiras no Estado de Goi├ís e pelo Servi├žo Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Goi├ís (OCB-GO/Sescoop-GO). Equipes da Seapa e da Emater acompanharam a capacita├ž├úo. Vinte e quatro produtores foram certificados. ÔÇťEssa certifica├ž├úo ├ę um pr├ę-requisito para participar do projeto. Visitamos iniciativas semelhantes, como o Polo Frut├şcola do Vale do S├úo Francisco, e reunimos parceiros para oferecer algo bem estruturado, que contempla capacita├ž├úo, assist├¬ncia t├ęcnica, cr├ędito, outorga de ├ígua, garantia de venda e outros fatores decisivos para o sucessoÔÇŁ, diz a gerente de Infraestrutura Rural da Seapa, Claudia Nogueira. Al├ęm da OCB-GO/Sescoop-GO, Codevasf e Sudeco, o projeto j├í tem as parceiras de Sistema Faeg/Senar, Sebrae Goi├ís, Perboni e Prefeitura Municipal de Flores de Goi├ís. O gerente de Agricultura Irrigada da Seapa, Vitor Hugo Antunes, e o assessor Alisson Ferreira tamb├ęm estiveram em Flores de Goi├ís. Respons├íveis pela elabora├ž├úo dos projetos agron├┤micos e hidr├íulicos, eles levaram aos produtores esclarecimentos sobre exig├¬ncias, obriga├ž├Áes e condi├ž├Áes de participa├ž├úo no polo. A partir de agora, acompanhar├úo os processos de implanta├ž├úo da infraestrutura h├şdrica, plantio e condu├ž├úo das culturas. ÔÇťVamos come├žar com manga e maracuj├í, por seu alto potencial de mercado e valor agregadoÔÇŁ, antecipa Antunes. As pr├│ximas etapas do Projeto de Irriga├ž├úo ÔÇô Polo de Fruticultura do V├úo do Paran├ú contemplam sele├ž├úo de participantes por capacidade de pagamento, defini├ž├úo de modelo e fonte de financiamento, assinatura de protocolo de inten├ž├Áes e cria├ž├úo de grupo de trabalho com parceiros, assinatura de propostas de financiamento, supervis├úo da constru├ž├úo da infraestrutura h├şdrica, plantio, acompanhamento de indicadores de produtividade e comercializa├ž├úo e expans├úo para outros munic├şpios. Fonte: Agencia Coral de Not├şcias Curadoria: Boi a Pasto