Ap├│s queda em 2022, CNA projeta alta de at├ę 2,5% do PIB agro em 2023

O agroneg├│cio brasileiro dever├í fechar 2022 com um ‘tombo’ de 4,1%, ap├│s ter registrado recordes em 2020 e 2021 A┬áConfedera├ž├úo da Agricultura e Pecu├íria do Brasil (CNA)┬áprev├¬ de estabilidade a crescimento de 2,5% para o┬áPIB do agroneg├│cio┬áem 2023 na compara├ž├úo com o previsto para este ano. Segundo a CNA, isso se deve aos elevados custos de produ├ž├úo, que devem permanecer no pr├│ximo ano, e da tend├¬ncia de queda nos pre├žos internacionais das commodities agr├şcolas. ÔÇťEntretanto, mesmo com a proje├ž├úo de alta menor do PIB, o resultado sinaliza uma recupera├ž├úo se comparado com o PIB do agroneg├│cio deste ano, que dever├í fechar em queda de 4,1%, depois de registrar recordes em 2020 e 2021, reflexo da forte alta dos custos com insumos no setor, especialmente pela eleva├ž├úo dos pre├žos dos defensivos e fertilizantes, que superaram os 100% de alta neste anoÔÇŁ, explicou a CNA. Para o Valor Bruto da Produ├ž├úo (VBP), que mede o faturamento da atividade agropecu├íria ÔÇťdentro da porteiraÔÇŁ, a tend├¬ncia para o pr├│ximo ano ├ę de um crescimento de 1,1% em rela├ž├úo a 2022, ÔÇťmostrando um ritmo menor de expans├úo, puxado pelo comportamento da pecu├íria, que deve ter uma receita 2,3% menor em 2023 em rela├ž├úo a este anoÔÇŁ. J├í no ramo agr├şcola, a receita deve ter alta de 2,8%. A estimativa para a safra de gr├úos 2022/2023 ├ę de um aumento de 15,5% (ou 42 milh├Áes de toneladas) em rela├ž├úo ├á safra 2021/2022, atingindo 313 milh├Áes de toneladas. Esse crescimento ├ę reflexo da eleva├ž├úo na ├írea plantada, estimado em 76,8 milh├Áes de hectares na safra atual. Apenas na cultura da soja, a ├írea pode chegar a 43,2 milh├Áes de hectares, superando em 4% o ciclo anterior. ÔÇťA oleaginosa tamb├ęm deve recuperar a produtividade, favorecida pelas condi├ž├Áes clim├íticas, em 17% na compara├ž├úo com a safra passada e a produ├ž├úo deve totalizar 153,5 milh├Áes de toneladasÔÇŁ, informou a CNA. Balan├žo do agroneg├│cio em 2022 Segundo a CNA, este ano foi marcado, entre outros fatores, por uma forte alta dos custos com insumos no setor agropecu├írio, principalmente pela eleva├ž├úo dos pre├žos de defensivos e fertilizantes. Esta ser├í a principal raz├úo para a queda prevista de 4,1% do PIB do agroneg├│cio em 2022. ÔÇťTamb├ęm contribu├şram para pressionar o PIB para baixo as redu├ž├Áes de produ├ž├úo em atividades importantes, como soja e cana-de-a├ž├║carÔÇŁ, explicou a entidade. J├í o Valor Bruto da Produ├ž├úo deve alcan├žar R$ 1,3 trilh├úo em 2022, crescimento de 2,2% em rela├ž├úo a 2021. No ramo agr├şcola, a receita deve subir 3,3% em rela├ž├úo a 2021, alcan├žando R$ 909,3 bilh├Áes. Na pecu├íria, a previs├úo para este ano ├ę de estabilidade, com aumento 0,1%, alcan├žando R$ 448,5 bilh├Áes. As principais cadeias que mais influenciam no VBP s├úo a soja, a carne bovina e o milho, que, somados, representam 58,4% do total. No com├ęrcio exterior, de janeiro a novembro deste ano, as exporta├ž├Áes brasileiras de produtos agropecu├írios totalizam US$ 148,3 bilh├Áes, superando em 23,1% o total vendido em todo o ano de 2021, de US$ 120,5 bilh├Áes. Nos onze primeiros meses de 2022, o agro respondeu por 48% das vendas externas totais do Brasil. Ano de desafios Para a entidade, o pr├│ximo ano ser├í de desafios, tanto no ambiente interno quanto no cen├írio externo. De acordo com a entidade, do lado dom├ęstico, h├í incertezas sobre o controle das despesas p├║blicas e a condu├ž├úo da pol├ştica fiscal que devem impactar os custos do setor agropecu├írio, sobretudo em quest├Áes tribut├írias. ÔÇťA taxa Selic [juros b├ísicos da economia] deve se manter elevada no pr├│ximo ano, acarretando mais custo para o cr├ędito para consumo, custeio e investimento. E o cr├ędito privado deve se consolidar como alternativa para o produtor financiar sua produ├ž├úo nas pr├│ximas safrasÔÇŁ, avaliou. O diretor t├ęcnico da CNA, Bruno Lucchi, explicou que a proposta de emenda ├á Constitui├ž├úo (PEC) da Transi├ž├úo pode elevar o risco de endividamento do governo, o que levaria ├á alta da infla├ž├úo e consequente aumento dos juros. Ele defendeu essa flexibiliza├ž├úo do teto de gastos por um prazo menor e n├úo por quatro anos, como defendia a equipe de transi├ž├úo. Ontem (6), a Comiss├úo de Constitui├ž├úo e Justi├ža (CCJ) do Senado aprovou a medida para dois anos. Pela proposta, ser├úo destinados R$ 175 bilh├Áes para pagamento do Bolsa Fam├şlia, no valor de R$ 600 mensais, mais R$ 150 por crian├ža de at├ę 6 anos em 2023, al├ęm de recursos para ampliar investimentos. Lucchi concorda que ├ę preciso revisar e criar uma nova regra para o teto de gastos. ÔÇťAcho vi├ível ter uma nova regra. Por exemplo, dinheiro de conv├¬nios, trabalhamos a quest├úo dos fertilizantes, buscamos recursos para o Servi├žo Geol├│gico do Brasil, mas n├úo poderia ampliar recursos externos porque esbarrava na lei do teto. Ent├úo, cabe uma an├ílise, o que tem que tomar cuidado s├úo os valores colocados para o pr├│ximo ano e o per├şodo [prazo para flexibiliza├ž├úo]ÔÇŁ, disse. Institu├şda em 2016, a Emenda Constitucional do Teto de Gastos limita o aumento do or├žamento p├║blico ao crescimento da infla├ž├úo do ano anterior. J├í no cen├írio internacional, as previs├Áes de desacelera├ž├úo do Produto Interno Bruto (PIB) mundial podem influenciar o comportamento das exporta├ž├Áes brasileiras do setor no pr├│ximo ano. Tamb├ęm h├í estimativas de queda de crescimento econ├┤mico de alguns dos principais parceiros comerciais do Brasil, como China, Estados Unidos e Uni├úo Europeia, al├ęm da incerteza na disponibilidade global de gr├úos e de insumos causados pela guerra da R├║ssia na Ucr├ónia. Com├ęrcio exterior Apesar dos desafios, o ano de 2023 tem boas perspectivas para que o Brasil continue aumentando a sua participa├ž├úo no com├ęrcio agr├şcola internacional. Na avalia├ž├úo da CNA, a expectativa ├ę de que o com├ęrcio internacional de bens deve desacelerar, com previs├úo de aumento de apenas 1% no volume transacionado, bem abaixo dos 3,4% esperados para esse ano, segundo dados da Organiza├ž├úo Mundial de Com├ęrcio. ÔÇťNeste contexto, o com├ęrcio agr├şcola deve seguir a mesma linha, crescendo a n├şveis menores do que em anos anteriores em raz├úo do crescimento mais lento das importa├ž├Áes da China, a retomada econ├┤mica mundial em fun├ž├úo da pandemia de covid-19 e o conflito entre R├║ssia e Ucr├ónia e seus