julho 23, 2024

Avicultura ga√ļcha lan√ßa aplicativo para unificar a comunica√ß√£o do setor

Ferramenta vai concentrar canais de comunica√ß√£o, m√≥dulos de servi√ßos e informa√ß√Ķes extras sobre o setor Atentos aos avan√ßos da informa√ß√£o e da comunica√ß√£o, o setor av√≠cola ga√ļcho decidiu aumentar a sua presen√ßa no meio digital com o lan√ßamento de um aplicativo (app). Com nome provis√≥rio de ‚ÄúAvicultura RS ON‚ÄĚ, a plataforma estar√° dispon√≠vel a partir do dia 15 de fevereiro, quando ser√° oficialmente apresentada √† cadeia produtiva da avicultura ga√ļcha.  O objetivo do app √© concentrar um centro de acesso aos canais de comunica√ß√£o, m√≥dulos de servi√ßos e informa√ß√Ķes referentes ao segmento. No aplicativo, ser√° poss√≠vel acessar not√≠cias em tempo real, cen√°rios e¬†estat√≠sticas, newsletter, revista Asgav/Sipargs, fornecedores credenciados, contatos dos √≥rg√£os oficiais, eventos setoriais e outras informa√ß√Ķes complementares. Entidades como a Organiza√ß√£o de Avicultura do Rio Grande do Sul (Asgav/Sipargs),¬†Programa Ovos RS, Comit√™ Estadual de Sanidade Av√≠cola do Estado do Rio Grande do Sul (Coesa-RS) ir√£o abastecer a plataforma com conte√ļdos e esclarecimentos importantes para o setor. O presidente executivo da OARS, Jos√© Eduardo dos Santos, comentou que a tecnologia √© uma obstina√ß√£o da √°rea, integrando as rotinas produtivas dos alimentos e tamb√©m melhorando e otimizando os canais de comunica√ß√£o da avicultura do RS. ‚ÄúO aplicativo vem para somar a um trabalho cada vez mais consolidado do setor no universo virtual. √Č tamb√©m uma consequ√™ncia evolutiva da atua√ß√£o forte da avicultura das redes sociais, que cada vez aumenta o engajamento junto aos elos da cadeia e tamb√©m aos consumidores‚ÄĚ, relatou. Sucesso nas redes sociais A avicultura ga√ļcha termina 2022 com destaque nas m√≠dias digitais. O motivo desta informa√ß√£o √© o sucesso do setor nas redes sociais e no site. O relat√≥rio de engajamento nas redes sociais no per√≠odo de janeiro a dezembro de 2022 indicou uma expans√£o tanto nos dados referentes ao alcance, quanto nos √≠ndices de visualiza√ß√£o das redes da Asgav e do Programa Ovos RS. O instagram foi a rede com aumento mais expressivo. O instagram Asgav registrou alcance acima de 300 mil pessoas, um crescimento de 28,2% de janeiro a dezembro deste ano. O n√ļmero de visitas ao perfil passou de 9 mil, quase 98% de alta durante o per√≠odo. J√° o instagram do Programa Ovos RS fechou o ano com alcance acima de 306 mil pessoas, e registrou um aumento de 65% no n√ļmero de visitantes ao perfil, somando mais de 10,5 mil visitantes no per√≠odo. O site da Asgav¬†tamb√©m finaliza 2022 com saldo positivo, contabilizando mais de 94 mil visitas no exerc√≠cio, 61,63% a mais do que as realizadas em 2021. A entidade ainda registra aumento de alcance nos sites Ovos RS, Ovos Plus Quality e COESA-RS. ‚Äú√Č resultado de um trabalho di√°rio de relacionamento que visa atingir n√£o apenas o setor, mas todos aqueles ligados indiretamente com avicultura e tamb√©m os consumidores‚ÄĚ, disse Jos√© Eduardo dos Santos, presidente executivo da OARS. Fonte: AviSite Curadoria: Boi a Pasto

Everton Krabbe defende mais ciência e inovação na avicultura

Chefe-geral da Embrapa Su√≠nos e Aves questiona at√© quando a comunidade cient√≠fica vai ficar inerte aos avan√ßos que est√£o acontecendo ao redor mundo, salientando que √© preciso agir, empregar mais tecnologias nos processos, criar patentes, aprimorar ferramentas para que o setor se sobressaia e ganhe espa√ßo em um mercado que est√° cada vez mais competitivo. O que os consumidores modernos desejam do setor av√≠cola? Com esse questionamento, o chefe-geral da Embrapa Su√≠nos e Aves, Everton Lu√≠s Krabbe, deu in√≠cio a palestra sobre ‚ÄúA ci√™ncia enfrentando velhos e novos desafios‚ÄĚ na Latin American Scientific Conference (PSA Latam) ‚Äď Confer√™ncia Cient√≠fica Latino-Americana de Ci√™ncia Av√≠cola, realizada em outubro na cidade de Foz do Igua√ßu, PR. Com a tecnologia como aliada, o consumidor contempor√Ęneo busca por uma maior autonomia para escolher produtos e servi√ßos, al√©m de valorizarem a experi√™ncia na compra. ‚ÄúO consumidor atual pesquisa, compara e ent√£o compra. Diante deste perfil, se o meu produto tiver uma proposta inovadora provavelmente eu tenho maior chance de conquistar o desejo de compra desse consumidor. √Č preciso se reinventar, buscar novas alternativas e inovar para se diferenciar no mercado. Temos muitas oportunidades, mas para alcan√ß√°-las √© necess√°rio aprimoramento‚ÄĚ, inicia Krabbe, que √© mestre e doutor em Zootecnia. Conforme a Organiza√ß√£o Mundial de Propriedade Intelectual, os 10 pa√≠ses mais inovadores do Hemisf√©rio Norte solicitaram cerca de 2.444,57 milh√Ķes de patentes em 2021, com a China liderando esse ranking com 695,400 mil pedidos. ‚ÄúEntendemos a China como um pa√≠s que copia e faz mais barato, por√©m quando eu falo que a China lidera o n√ļmero de patentes no mundo todo √© preciso perceber que o pa√≠s vive um novo momento‚ÄĚ, exp√Ķe o chefe-geral da Embrapa Su√≠nos e Aves, complementando: ‚ÄúEnt√£o precisamos pensar o que isso representa para n√≥s do ponto de vista de neg√≥cio e de perspectiva para o futuro. A China est√° fazendo um investimento absurdo para que at√© 2025 cerca de 13% do Produto Interno Bruto seja oriundo de neg√≥cios que envolvem inova√ß√£o‚ÄĚ. Enquanto no Hemisf√©rio Sul foram registrados em 2020 exatas 7.123 mil patentes, uma m√©dia de 1.018 pedidos com base nos sete pa√≠ses mais inovadores. O Brasil ocupa o 1¬ļ lugar com 5.280 mil pedidos de patentes, o que representa 0,75% em rela√ß√£o ao pa√≠s chin√™s. ‚ÄúUma patente fornece prote√ß√£o de inven√ß√£o ao titular por um per√≠odo de at√© 20 anos. O √≠ndice brasileiro √© muito baixo quando se trata de inova√ß√£o, at√© quando vamos continuar com essa realidade? Hoje com essa gama de startups que possuem uma proposta de neg√≥cio inovadora, aliada a iniciativas de empresas privadas e setores p√ļblicos, √© preciso que estes setores se comuniquem para estarem cada mais conectados, trabalhando junto para interagir e reunir esfor√ßos‚ÄĚ, congrega Krabbe. At√© quando? O pesquisador questiona at√© quando a comunidade cient√≠fica vai ficar inerte aos avan√ßos que est√£o acontecendo ao redor mundo, salientando que √© preciso agir, empregar mais tecnologias nos processos, criar patentes, aprimorar ferramentas para que o setor se sobressaia e ganhe espa√ßo em um mercado que est√° cada vez mais competitivo. ‚ÄúFalando de f√°brica de ra√ß√Ķes, de equipamentos, de aditivos etc., o que que a ci√™ncia pode fazer pensando nas ind√ļstrias de alimentos, porque n√≥s n√£o temos muitas certezas de como vai ser a disponibilidade de mat√©rias-primas no futuro, muito em fun√ß√£o obviamente de problemas geopol√≠ticos e das mudan√ßas clim√°ticas‚ÄĚ, pontua Krabbe. O doutor em Zootecnia sublinha que atualmente cerca de 70 a 75% do custo de produ√ß√£o est√° concentrado na alimenta√ß√£o, expondo que diante desta varia√ß√£o √© muito importante que seja mensurado com precis√£o essa variabilidade de mat√©rias-primas. ‚ÄúH√° v√°rios sistemas de medi√ß√£o, o que n√≥s precisamos √© saber como aproveitar melhor essas informa√ß√Ķes e para isso contamos com a ¬†ci√™ncia para encontrar uma maneira de fazer com que a tecnologia nos ajude no monitoramento das varia√ß√Ķes dentro das ind√ļstrias para que consigamos fazer uma manuten√ß√£o mais precisa, porque n√£o √© poss√≠vel que sigamos produzindo alimentos com essa variabilidade toda em mat√©rias-primas sem que isso seja medido de forma mais precisa‚ÄĚ, exp√īs Krabbe. Nutri√ß√£o A respeito da nutri√ß√£o dos animais, o chefe-geral da Embrapa Su√≠nos e Aves diz que ainda h√° muito o que fazer nesta √°rea para acelerar a conex√£o entre o campo e a f√°brica. ‚ÄúAcredito ainda que a nutri√ß√£o ser√° feita fora da f√°brica de ra√ß√£o, que deve ser mais uma etapa da produ√ß√£o e o ajuste dos n√≠veis ideais para atingir determinado desempenho dos animais vai ter que ser feito direto na granja. Vamos precisar de sistemas inteligentes de alimenta√ß√£o que consigam l√° no campo fazer os ajustes atrav√©s de combina√ß√Ķes e dietas para que a gente consiga sair dessa l√≥gica de alimenta√ß√£o di√°ria por fase‚ÄĚ, sustenta Krabbe. Em rela√ß√£o a produtividade do plantel, o profissional afirma que j√° est√£o sendo desenvolvidos sistemas que usam da intelig√™ncia artificial para captar o som das aves afim de interpretar a condi√ß√£o do bem-estar desse animal, o que vai contribuir para identificar, com maior rapidez, dentro dos lotes aquelas aves que n√£o s√£o produtivas. Destina√ß√£o de animais machos Outra quest√£o levantada por Krabbe foi em rela√ß√£o a destina√ß√£o dos machos que nascem nos incubat√≥rios para produzir pintainhos para a ind√ļstria de ovos, visto que, segundo ele, existem movimentos ambientalistas questionando seriamente para onde s√£o enviados esses animais machos. ‚ÄúN√≥s precisamos achar meios de trabalhar com isso. Existem propostas, por exemplo, de trabalhos que sugerem que esses animais machos sejam criados e que a gente produza carne a partir deles, o que honestamente, considerando a ind√ļstria atual de prote√≠na animal, n√£o sei se √© poss√≠vel fazer isso em todas as partes do mundo‚ÄĚ, pontua, ampliando: ‚ÄúAgora ficarmos eliminando animais rec√©m-nascidos em massa √© algo problem√°tico e que tem uma repercuss√£o social muito grande‚ÄĚ. Sistemas de aquecimento Conforme Krabbe, os sistemas de aquecimento usados nas camas dos avi√°rios instalados na Am√©rica Latina, em sua maioria, s√£o a base de queima de madeira, no entanto, ele enfatiza que as √°reas de reflorestamento n√£o est√£o sendo reflorestadas √† medida que as √°rvores s√£o cortadas. ‚ÄúSe os pre√ßos do milho e