Dobradinha milho/sorgo pode reduzir riscos na segunda safra

A escassez de chuvas e/ou precipitações irregulares no Brasil Central entre setembro e outubro foram suficientes para ligar o sinal de alerta entre os produtores brasileiros. Sem condições ideais de cultivo em sequeiro, muita gente teve de atrasar a entrada da soja (safra de verão), o que, em princípio, poderia comprometer a segunda safra caso se levasse em conta apenas o cultivo do milho. No entanto, a possibilidade de uso do sorgo granífero após a colheita da soja plantada mais tardiamente, pode reduzir sensivelmente este risco, funcionando como uma espécie de “esteio” ou “seguro” para o agricultor, abrindo a possibilidade de maior rentabilidade para todo o sistema.

Sobre áreas de pasto degradado, lavouras de grãos avançam no norte de Mato Grosso

Áreas de pastagens degradadas estimulam o investimento no sistema de integração lavoura-pecuária proporcionando qualidade de solo e rentabilidade A grande disponibilidade de áreas de pastagens degradadas tem estimulado o investimento no sistema de integração lavoura-pecuária em Marcelândia, norte de Mato Grosso. O município, que atualmente conta com um rebanho bovino de aproximadamente 200 mil animais, vive a expectativa de também tornar-se referência na produção de grãos no estado. Marcelândia conta hoje com uma área de 140 mil hectares destinada às lavouras. A expectativa, pontua o Sindicato Rural do município, conforme trazido no episódio 72 do Patrulheiro Agro desta semana, é que a oleaginosa ganhe espaço significativo nos próximos cinco anos e chegue a aproximadamente 300 mil hectares, aproveitando áreas de pastagens degradadas. Delegado da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) e produtor rural em Marcelândia, Diego Francisco Bertuol, comenta que o crescimento da produção de soja em cima de área de pastagem, bem como milho e algodão, no município é um conjunto de fatores. “Mas, o principal é o regime de chuvas que nós temos aqui. Isso favorece fazer duas safras, tanto a de soja e a de milho. Aqui mesmos vizinhos já estão começando a fazer experimentos com o algodão. E, claro a rentabilidade, porque hoje o boi deu uma diminuída e o pessoal tem procurado vir para a lavoura”, comenta Bertuol. Nesta safra 2022/23, Bertuol comenta ter destinado cerca de 700 hectares para a soja em sua propriedade. “O pessoal já vem com a parte de conhecimento, a parte técnica, vem investindo em perfil de solo, em calcário, em gesso. Aí você coloca soja em cima e dá esse sojão que está dando aí”. Maior produtividade por hectare Uma das pioneiras em Marcelândia a ingressar no sistema de lavoura-pecuária é a agricultora Silvania Miranda Garcia Martins. A propriedade da família produz hoje 1,5 mil hectares de soja e contam com um armazém. “Aquelas áreas degradadas que não produzia, que era uma cabeça de vaca por hectare, hoje estão produzindo em média 70 sacas por hectare. Eu sempre falo que temos uma Sorriso dentro de Marcelândia. Então, nós temos tudo para daqui a pouco estar ganhando a fama de Sorriso e ser a capital da produção de soja no estado de Mato Grosso”, diz a agricultora. Conforme o presidente do Sindicato Rural de Marcelândia, Marcelo Ricardo Cordeiro, muitos produtores estão realizando a integração entre lavoura e pecuária no município.“E, muitos deles estão indo para a lavoura. A pecuária depende da lavoura porque o trato do gado depende da lavoura. O pecuarista cada vez mais, e isso já é feito, está investindo em genética. Então, aquele gado que dependia de uma área muito maior, hoje faz em uma área menor e com mais qualidade”, salienta Cordeiro. Logística é outro fator para crescimento das lavouras De acordo com o segundo vice-presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Agenor Vieira de Andrade Neto, a logística é outro ponto que tem atraído os produtores quanto a implantação de lavouras. “O produtor rural de Marcelândia em virtude da logística, que ficou bem interessante com o escoamento dos grãos pelos Portos do Pará, passou a ter a opção e a viabilidade de agregar as duas atividades, que na nossa maneira de entender se complementam. Elas somam e oferecem a oportunidade de o produtor estar fazendo tanto grão quanto carne ou genética na sua propriedade”. Fonte: Canal Rural Curadoria: Boi a Pasto

Produtividade e precocidade da soja estão nos lançamentos da Embrapa e Meridional no Show Rural

A Embrapa e a Fundação Meridional lançaram duas novas cultivares de soja A Embrapa e a Fundação Meridional lançam no dia 7 de fevereiro, às 10h 30, na Vitrine de Tecnologias da Embrapa, no Show Rural, a ser realizado em Cascavel (PR), duas novas cultivares de soja com a tecnologia Xtend® (XTD) que combinam a alta produtividade com tolerância aos herbicidas glifosato e dicamba (BRS 2560XTD e BRS 2562XTD) e, portanto, são opções para áreas de refúgio próximas às lavouras que utilizarem a tecnologia Intacta2 Xtend® (I2X). As cultivares Intacta2 Xtend® (I2X), além da tolerância aos herbicidas, agregam a resistência às principais lagartas da soja. Com o intuito de prolongar a vida útil dessa tecnologia e evitar a resistência das lagartas nas cultivares Intacta2 Xtend®, a Embrapa considera imprescindível a adoção do refúgio. Portifólio de soja Na Vitrine de Tecnologias, a Embrapa Soja e a Fundação Meridional estarão demonstradas cultivares transgênicas com resistência ao herbicida glifosato (BRS 5804RR, BRS 5601RR e BRS 599 RR), cultivares com resistência ao glifosato e a algumas espécies de lagartas (BRS 1064 IPRO, BRS 1056 IPRO, BRS 1061IPRO, BRS 1003 IPRO, BRS 1054 IPRO) e cultivares com tolerância aos herbicidas glifosato e dicamba (BRS 2553 XTD, BRS 256-XTD, BRS 2562XTD, BRS 2578 XTD).  Lançamento BRS 2560XTD – Além de ser excelente opção de refúgio para áreas com cultivares com a tecnologia I2X (grupo de maturidade entre 5.8 e 6.2), a BRS 2560XTD é uma cultivar com alto potencial produtivo e arquitetura de planta que favorece a ramificação abundante. Outro diferencial, apontado pelo pesquisador Carlos Lasaro Pereira Melo,  da Embrapa Soja, é que a nova cultivar é adaptada à antecipação de semeadura, permitindo encaixe em sistemas de sucessão/rotação de culturas. A BRS 2560XTD é recomendada para Serra do Nordeste e Planalto Superior do Rio Grande do Sul (REC103); Centro-sul do Paraná (REC103) e Sul de São Paulo (REC103). Quanto à reação das cultivares às doenças, a BRS 2560XTD é resistente ao cancro da haste, mosaico comum da soja e podridão radicular de Phytophthora e moderadamente resistente a mancha olho-de-rã, oídio. Também possui resistência ao nematoide de galha Meloidogyne javanica. “Esta cultivar é ainda tolerante a sulfoniluréias (grupo químico de herbicidas utilizado para o controle de plantas daninhas), portanto é seletiva a ação desses herbicidas, seja quando utilizados para o controle das plantas daninhas em pré ou pós emergência da cultura, bem como para o controle da soja voluntária”, explica Pereira Melo. Lançamento BRS 2562XTD – Este lançamento também é excelente opção de refúgio para áreas com cultivares com a tecnologia I2X com grupo de maturidade entre 6.0 e 6.4, por sua precocidade. A BRS 2562XTD possui alta estabilidade e performance produtiva, adaptada a diferentes ambientes de produção. “Além disso, a cultivar permite semeadura antecipada, possibilitando o encaixe em sistemas de sucessão/rotação de culturas. Esses atributos de lavoura podem variar em razão do clima, solo e manejo, mas em geral seguem as características mencionadas”, destaca o pesquisador Marcos Petek, da Embrapa Soja. Quanto à reação das cultivares às doenças, a BRS 2562XTD é resistente ao cancro da haste, mosaico comum da soja e podridão radicular de Phytophthora e moderadamente resistente à mancha olho-de-rã e ao oídio. Também possui resistência aos nematoides de cisto (raças 3 e 14). É indicada para o Paraná (REC 201), São Paulo (REC 201), Mato Grosso do Sul (REC 204 e 301) Goiás (REC 304 e 401), Minas Gerais (REC 304) e Distrito Federal (REC 304). Segundo Ralf Udo Dengler, gerente executivo da Fundação Meridional, as duas cultivares já estão com campos de produção de sementes implantados na safra 22/23. “Nossos colaboradores, produtores de sementes, já estarão garantindo a oferta de sementes já na próxima safra, ampliando nosso portfólio inovador com a tecnologia Xtend® (XTD), que são as cultivares BRS 2560XTD e BRS 2562XTD. A disponibilidade pode ser consultada em nosso site: www.fundacaomeridional.com. É importante destacar que estas cultivares de soja XTD, não servem apenas para refúgio para I2X, pois com seu alto potencial de rendimento e suas excelentes características agronômicas, apresentam-se como uma ótima opção para regiões indicadas”, completa Dengler. Proteção Ampliada contra Lagartas – A soja Intacta2 Xtend® reúne três proteínas (Cry1A.105 e Cry2Ab2 e Cry1Ac), o que proporciona proteção contra seis espécies de lagartas que incidem na cultura da soja: Helicoverpa armigera, Spodoptera cosmioides, lagarta falsa medideira (Chrysodeixis includens), lagarta da soja (Anticarsia gemmatalis), lagarta das maças (Chloridea virescens) e broca das axilas (Crocidosema aporema). “A piramidação de três proteínas nesta tecnologia reduz a probabilidade de quebra da resistência”, explica o pesquisador Daniel Sosa Gomez, da Embrapa Soja. “Porém, um aspecto fundamental para evitar a seleção de populações de lagartas resistentes nas lavouras com esta tecnologia é o plantio de áreas de refúgio estruturado”, explica Sosa Gomez.  A recomendação atual de refúgio para a cultura da soja é, no mínimo, 20% da área com tecnologia diferente da Intacta2 Xtend®. Segundo o pesquisador, esta é uma medida preventiva que consiste no plantio de parte da lavoura com a tecnologia Xtend® – ou outras opções de soja não-Bt (sem a toxina Bacillus thuringiensis – Bt) a uma distância máxima de 800 metros de lavouras com a tecnologia Intacta2 Xtend®. “A adoção da área de refúgio possibilita o acasalamento aleatório de mariposas oriundas das áreas com a tecnologia Intacta2 Xtend® e das áreas de refúgio, favorecendo a manutenção de populações suscetíveis e retardando a seleção de populações resistentes”, diz. A Embrapa defende ainda que o manejo de pragas nas lavouras com a tecnologia Intacta2 Xtend® siga as mesmas premissas do Manejo Integrado de Pragas (MIP). Manejo de Plantas Daninhas – As cultivares de soja com tecnologia Intacta2 Xtend® e tecnologia Xtend® são tolerantes aos herbicidas glifosato e dicamba, cuja molécula  apresenta eficiência no manejo de plantas daninhas de folhas largas, como a buva, o caruru, a corda-de-viola, o picão-preto, dentre outras. “O dicamba é um herbicida recomendado para aplicação no pré-plantio da soja. É fundamental que sejam seguidas as informações contidas na bula, pois o uso em desacordo com as orientações técnicas pode ocasionar injúrias em culturas não-alvo da aplicação do herbicida”, conclui o pesquisador Dionísio Gazziero, da Embrapa Soja Na avaliação do pesquisador, o agricultor deve estar

BRS Sulina: cultivar de ervilha é testada com sucesso para adubação verde e cobertura de solo

BRS Sulina está sendo testada em Santa Catarina Horizontes promissores para a cultivar BRS Sulina, variedade de ervilha indicada para adubação verde e para cobertura de solo no cultivo de grandes culturas, como trigo, milho, soja e feijão. Uma parceria entre a Embrapa Hortaliças e a empresa RAIX Sementes Ltda. está avaliando o potencial das sementes da leguminosa para cultivo em mix de plantas de cobertura (mistura de espécies gramíneas, crucíferas e leguminosa) na produção de biomassa, aporte de nitrogênio e tolerância a doenças de solo, e vem apresentando resultados bastante animadores.  “A cultivar apresentou rusticidade e adaptação a diferentes tipos de ambientes, com boa produção de biomassa mesmo em solos de média e baixa fertilidade, além de apresentar potencial para uso em consórcio com outras cultivares, gramíneas (aveia e centeio), nabo forrageiro e em esquemas de rotação, antecedendo o milho e soja, entre outras culturas”, registra Ana Maccari, pesquisadora da RAIX Sementes, que vem acompanhando os ensaios. Segundo Maccari, os resultados obtidos nesses estudos permitirão fundamentar as decisões no momento de recomendar a cultivar em termos de regiões adaptativas para formação de consórcios de cobertura de solo em sistemas de plantio direto (SPD). Sediada no município São Miguel do Oeste, em Santa Catarina, a empresa RAIX Sementes atua na identificação de alternativas com capacidade de gerar benefícios envolvendo o aumento da sustentabilidade dos sistemas produtivos. O estabelecimento da parceria entre as duas instituições teve como ponto de partida o dia de campo promovido pela Fundação Agropecuária de Pesquisa Agrária – FAPA (Guarapuava-PR) em 2021, ocasião em que a BRS Sulina chamou a atenção de representantes da empresa, quando da apresentação de inovações tecnológicas disponíveis para cultivo no período de vazio outono e inverno. Às tratativas iniciais, que incluíram a formalização do acordo entre a empresa e a Embrapa Hortaliças, ensaios passaram a ser conduzidos em diferentes ambientes e épocas de semeadura para avaliar a adaptabilidade, o potencial agronômico, ciclo de produção e rendimento da massa seca da cultivar – conforme as primeiras avaliações, a BRS Sulina vem se constituindo numa “excelente alternativa para adubação verde e formação de cobertura de solo no período de vazio outonal/invernal”. BRS Sulina Leguminosa indicada para adubação verde e para cobertura de solo, a variedade de ervilha BRS Sulina foi desenvolvida em pesquisas conjuntas entre as Unidades Hortaliças e Trigo da Embrapa. O material foi trazido em 2010 para o Distrito Federal, onde predomina um clima mais ameno a mil metros de altitude e, nos experimentos conduzidos na Embrapa Hortaliças, foram selecionados materiais que apresentaram rusticidade, resistência a doenças e, principalmente, volume de massa verde. Com um rendimento em torno de 1,5 toneladas de grãos e cerca de 13 toneladas de massa verde, a variedade supera alternativas como a ervilhaca, aveia e nabo. Extremamente adaptada à Região Sul, devido ao rápido crescimento inicial, precocidade e uniformidade, a BRS Sulina proporciona grandes reduções de custo aos produtores de diversos segmentos, com a redução da dependência de fertilizantes químicos das culturas subsequentes. A facilidade e estabilidade na produção de sementes da cultivar são superiores a outras leguminosas anuais de inverno, como a ervilhaca comum e a ervilhaca peluda. A aptidão dos grãos para a formulação de ração animal, principalmente suínos, representa também mais uma alternativa de utilização da BRS Sulina. Para o pesquisador Warley Nascimento, chefe geral da Embrapa Hortaliças, os resultados dos experimentos que vêm sendo realizados pela empresa RAIX Sementes representam um aval a mais às características da cultivar, “além de possibilitar ao produtor uma diversificação de espécies com essa finalidade, que é a cobertura do solo e rotação de culturas, principalmente para a Região Sul do País, onde essa prática sustentável tem sido adotada por grande parte dos produtores”. Fonte: Embrapa Curadoria: Boi a Pasto

TECNOLOGIA NO AGRONEGÓCIO: O QUE SERÁ TENDÊNCIA EM 2023?

Uso de imagens, inteligência artificial, ferramentas de automação e monitoramento devem ter avanços significativos em 2023. Tudo isso depende, no entanto, de mais conectividade A previsão de safra recorde de grãos — o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima uma produção de 288,1 milhões de toneladas – e o crescimento no Produto Interno Bruto (PIB) – na ordem de 10,9%, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) – permitem projetar um robusto crescimento para o agronegócio em 2023. Atrelado ao cenário otimista, o desenvolvimento de tecnologia segue a todo vapor. Essencial para a expansão do setor, com soluções que vão desde piloto automático, monitoramento de colheita e uso de drones, até ferramentas de planejamento e análise de resultados, a tecnologia tem revolucionado a maneira como se produz. A garantia de mais produtividade, sem deixar de lado a sustentabilidade, passa por diversas soluções inovadoras. Os avanços, no entanto, levam tempo. Segundo Alexandre Alencar, Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da divisão de Agricultura da Hexagon, as operações extremamente complexas e diferentes umas das outras, fazem com que os passos da tecnologia no setor agropecuário, principalmente com relação a automação, sejam mais lentos. “Eu sempre elenco no mínimo cinco etapas: pré-plantio, plantio, adubação, pulverização e colheita. São cinco diferentes tipos de autonomia exigidas para uma safra completa autônoma. A complexidade disso é enorme e não vai acontecer da noite para o dia”. Confira, abaixo, algumas tendências para o ano de 2023: Uso de imagens e inteligência artificial Antigamente, os problemas na lavoura, como doenças e pragas, por exemplo, eram detectados somente por meio de monitoramento visual: era preciso percorrer pessoalmente a área plantada, o que tornava o processo muito mais lento e bem menos eficiente. Hoje, tecnologias de detecção por imagem, como voos por drone, com infraestrutura que identifica de forma automática as falhas na lavoura, são capazes de percorrer grandes áreas em um tempo muito menor. Segundo Alexandre, o uso de imagens permite um processamento mais complexo e avançado de dados, como consequência, um melhor planejamento para a execução das operações. “Atividades que antes eram feitas de maneira manual hoje estão sendo aceleradas pelo uso de imagens. E por trás disso temos a atuação de machine learning e inteligência artificial, que treinam algoritmos que permitem um monitoramento mais preciso das áreas”, explica. Automação plena A automação completa — em 100% das atividades no campo — ainda está longe de ser realidade, mas muitas ferramentas já permitem facilitar o dia a dia do produtor. “Um dos grandes sonhos dos produtores é ter a máquina totalmente independente da ação humana,executando as operações de forma independente. Isso não significa acabar com o emprego, mas aumentar a produção agrícola e deixar para as máquinas o trabalho físico enquanto o homem fica com o esforço intelectual”, explica Alexandre. Apesar dessa realidade ainda estar distante, a agricultura já conta com vários elementos de semi-automação, e a tendência para o ano de 2023 é que os investimentos aumentem ainda mais. “Na divisão de Agricultura da Hexagon, por exemplo, o piloto automático foi desenvolvido para ajudar na navegação de tratores, máquinas e implementos agrícolas e florestais, garantindo o alinhamento e minimizando a sobrepassagem durante o plantio, aplicação de insumos e tratos culturais”, exemplifica. Monitoramento remoto Outra área que deve receber atenção em 2023 é o monitoramento remoto. “Antigamente você mandava um exército de pessoas para o campo, não só para executar a atividade, mas também controlar se estava tudo correto. Tínhamos uma série de coordenadores de campo, gerentes, líderes de frente, que tinham a missão de verificar se a operação estava sendo feita de maneira correta. Hoje a atividade, até pela expansão da agricultura corporativa, é gerenciada de forma remota”, conta Alexandre. Por meio de salas de controle, no caso de grandes operações, ou pelo uso de dispositivos móveis, como tablets ou celulares, no caso de pequenos produtores, é possível coordenar as operações de forma mais eficiente. “A gente costuma dizer que a sala de controle da agricultura é quase como uma torre de operações de um aeroporto. Você consegue ver as colhedoras e tratores trabalhando dentro de áreas específicas, e ao mesmo tempo acompanhar as movimentações de caminhões no transporte da matéria-prima para a indústria”. Segundo o diretor, em 2023 os produtores devem investir cada vez mais na tecnologia, já que é possível manter uma melhor sincronização de todos os equipamentos e máquinas e resolver os problemas de maneira muito mais rápida e precisa. Fonte: Compre Rural Curadoria: Boi a Pasto

A importância da semente para o agronegócio

Responsáveis por 12% a 15% do total do custo de produção, as sementes são o início de toda a estratégia para a sequência de uma boa safra, além de serem o principal insumo da produção agrícola e assegurarem um campo sadio e vigoroso.

Novo padrão para café torrado entra em vigor e indústria já está se preparando

As mudanças nos rótulos poderão ser feitas pelas empresas ao longo dos próximos 18 meses esde o dia 1º de janeiro, estão em vigor os padrões de classificação para o café torrado comercializado no Brasil estabelecidos pelo Ministério da Agricultura e Pecuária, a partir da Portaria nº 570 . A classificação atendeu uma demanda apresentada pelo setor e com o padrão oficial definido, o órgão fiscalizador poderá verificar e controlar a qualidade, as condições higiênico-sanitárias e a identidade dos produtos oferecidos aos consumidores, o que pode ainda aumentar o consumo e a exportação do café. Entre as mudanças, algumas poderão ser percebidas diretamente pelo consumidor, já que estarão expostas nas embalagens: a espécie de café, o ponto de torra e a denominação “fora de tipo” caso o produto não consiga atingir os padrões mínimos de cafeína, extrato aquoso e a nota de qualidade global da análise sensorial estabelecidos pela Portaria. A rigor o que se busca é a garantia da qualidade do café torrado para todos os tipos de cafés. Atualmente, na comercialização desse produto, os consumidores baseiam-se na qualidade expressa na embalagem ou na fidelidade a uma marca, onde se cria uma expectativa positiva sobre o café que se pretende consumir. “A nova regra vem ao encontro dos objetivos do Ministério, que é assegurar a oferta de produto de qualidade e seguro ao consumo e ao mesmo tempo estimular o desenvolvimento sustentável de toda a cadeia produtiva e uma concorrência leal no mercado”, explica o coordenador-geral de Qualidade Vegetal da Secretaria de Defesa Agropecuária, Hugo Caruso. Indústria em preparação Embora a indústria tenha um ano e meio para se adequar, algumas empresas já se anteciparam e estão prontas para atender às novas exigências. O presidente da Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic), Pavel Cardoso, disse que desde outubro do ano passado as indústrias estão se movimentando para providenciar a nova rotulagem. “Acredito que em abril ou maio o mercado já terá produtos expostos com a nova identidade”, afirmou. As embalagens impressas antes do início da vigência do padrão continuam válidas até meados de 2024. Mas a partir de agora, novos rótulos encomendados devem trazer as informações obrigatórias. Cardoso contou que a Abic adotou o Selo de Pureza em 1989, seguindo resolução da Anvisa, que já previa no máximo 1% de impurezas naturais da lavoura presentes no produto. Em 2004, a associação lançou o Programa de Qualidade do Café, que classifica e diferencia quatro categorias de café a partir de análise sensorial: gourmet, superior, tradicional e extraforte. De acordo com Cardoso, em função da nova Portaria, os dois programas de certificação da Abic serão unificados e a concessão do selo será mais rigorosa. Os cafés “fora de tipo”, por exemplo, não poderão receber o selo da instituição. A Abic continuará atuando como certificadora do café torrado e, em parceria com o Ministério da Agricultura e Pecuária, vai ampliar o monitoramento do mercado visando coibir a prática de adulteração e fraude dos produtos, indicando, aos organismos de fiscalização, os produtos que não atendam à legislação. Corresponsabilidade Com a nova portaria, a responsabilidade pela venda de produto adulterado será compartilhada entre os produtores de café e o varejo. “Até então não havia um dispositivo de corresponsabilidade pela compra de café fraudado. É uma vitória avassaladora da indústria”, afirmou. Na prática, essa medida deve coibir a venda de produtos irregulares e elevar o padrão de qualidade do café. Outras mudanças A Portaria 570 vai permitir que órgãos de defesa do consumidor possam atuar em denúncias de fraude no produto. As torrefações deverão se registrar junto ao Ministério da Agricultura por meio do Sistema Integrado de Produtos e Estabelecimentos Agropecuários (Sipeagro). Em relação à classificação do produto, que será obrigatória, as empresas terão as opções de terceirizar o processo, contratando uma empresa já credenciada no Ministério, ou implantar seus processos próprios processos, com classificadores e laboratórios internos. Neste caso, será necessário apresentar um manual de boas práticas ao Ministério. Se aprovado, as indústrias poderão classificar na frequência e maneira que acharem mais conveniente dentro do seu fluxo produtivo. Ainda de acordo com a portaria, pessoa física ou jurídica, incluindo o microempreendedor individual, que processe ou embale café e realize a venda direta ao consumidor final, efetuada no próprio estabelecimento de elaboração ou produção, em feiras livres, por meio de comércio eletrônico ou para cafeterias, fica facultada a apresentação do Documento de Classificação, desde que assegurada a conformidade, identidade e qualidade do produto conforme previsto no documento. Informações à imprensaAna Maio e Patrícia Távoraimprensa@agro.gov.br Curadoria: Boi a Pasto

Produção familiar de café Conilon cresce em média 30% ao ano no Vale do Rio Doce, desde 2017

Espécie se adaptou bem à região por ser mais rústica, de fácil manejo, além de resistente ao déficit hídrico Quanta história tem por trás de uma xícara de café? Se a bebida significa mais energia e conforto para quem a consome, para quem a produz não é diferente. Café é sinônimo de prosperidade. Minas Gerais é o maior estado produtor do grão do Brasil. Por aqui, ele é cultivado em diversas regiões, inclusive naquelas menos prováveis, como no Vale do Rio Doce. Em geral, o café é uma planta de altitudes maiores e climas mais amenos, mas o tipo Conilon se adaptou muito bem na região, garantindo renda para muitos produtores, que antes precisavam migrar para conseguir sustentar a família. Como o senhor Valdeci, que durante muitos anos deixou a mulher e filhos em Água Boa, para trabalhar na colheita do café Conilon, no estado do Espírito Santo. Nessa lida foi adquirindo experiência no cultivo, trouxe sementes e começou uma pequena produção ainda na terra do seu sogro. Em poucos anos investindo na cultura conseguiu comprar seu próprio pedaço de chão e viu a vida melhorar. “Quando eu mudei pra cá eu não tinha muitas coisas não. Eu morava com meu sogro e saía para o Espírito Santo pra apanhar café. Trouxe as sementes, eu mesmo fiz minhas mudas, plantei e consegui comprar minha terra. Eu paguei a terra só com dinheiro de café. Se não fosse o café, eu não conseguiria. E hoje eu já trabalho pra mim mesmo e as coisas estão muito boas”, conta satisfeito. Assim como Valdeci, vários agricultores familiares dos municípios de Água Boa, José Raydan, Santa Maria do Suaçuí, São José do Jacuri e São Pedro do Suaçuí, no Vale do Rio Doce, viram no café Conilon uma ótima oportunidade. Tanto que, de 2017 para cá, segundo dados da Emater-MG, a produção do grão na região cresceu cerca de 30% ao ano. Em 2017, esses municípios tinham juntos 62 agricultores familiares na atividade, hoje já são 93, além de 5 produtores de maior porte, que também entraram no ramo. A área plantada saltou de 135 hectares para 380, e a produção saiu de 3, 6 mil sacas para 9,2 mil ao ano. Volume ainda muito baixo para atender a demanda da região. Conforme a Emater, em Capelinha, que está próxima desses municípios produtores de Conilon, a demanda das seis torrefadoras que operam na cidade é de 4 mil sacas deste tipo de grão ao mês. Ou seja, ainda há muito mercado para explorar, o que deve incentivar mais produtores a investir na atividade. “Há uma tendência de aumentar principalmente o número de pequenos agricultores e não de aumentar expressivamente a área com grandes produtores”, comenta o extensionista da Emater-MG, em Água Boa, Luiz Antônio Borges. Segundo ele, as áreas plantadas são, em média, de 2 a 3 hectares. “Nesses espaços os produtores conseguem conduzir tranquilamente as lavouras, com custo de produção menor que o café Arábica, por exemplo, e assim sustentar a família. Eu recomendo que eles se dediquem ao café Conilon”, diz. Produzindo assim, em pequenos espaços, Edivano Batista Machado está satisfeito com os resultados do Conilon. Conta que em apenas meio hectare conseguiu uma alta produtividade, que na última safra lhe rendeu aproximadamente 70% de lucro. “Quem quiser plantar e cuidar dá lucro mesmo. Meu lucro aqui foi de 70%, de cada 100 reais sobrou 70 pra mim e não é fácil sobrar 70. Trabalho de tardinha, até de noite com prazer, porque é muito bom trabalhar e ver o resultado. E sempre tem a expectativa de todo ano colher ainda mais. Posso reclamar não, depois que passei a mexer com café foi só melhora”, diz satisfeito. Incentivo e qualidade A Emater-MG tem incentivado o cultivo do Conilon na região, promovendo Dias de Campo, prestando assistência técnica direta aos produtores. Segundo o coordenador técnico da empresa, José Mauro de Azevedo, o Conilon é uma espécie de café mais rústica, por isso mais resistente a pragas e doenças, além de se comportar bem mesmo com o déficit hídrico. “Esta região não está no semiárido, mas infelizmente, nos últimos anos, tem sofrido com a falta de chuvas. Sem contar que o Conilon é uma lavoura de manejo mais simples e bem-adaptada à produção em pequenas áreas”, explica. E os produtores da região não estão preocupados apenas com a quantidade de café que produzem, mas também com a qualidade. Com uma pós-colheita caprichosa, o produtor Adílson Melo conseguiu atingir 85 pontos no seu café, no último concurso regional de qualidade do grão. Trabalhando com a família, pretende deixar esse legado para os filhos. “O meu sonho aqui não é só fazer um café bom, que eu possa vender a mil, cinco mil reais. Meu interesse maior é ver meus filhos que estão aí crescendo, meus sucessores, darem continuidade”, finaliza. Fonte: Aline Louise – Ascom/Emater-MG Curadoria: Boi a Pasto

Exportação de arroz cresce 82,6% em Goiás

As exportações nacionais do cereal também registraram aumento de 95,1% no faturamento alcançado no acumulado de 2022 (janeiro a outubro), frente ao mesmo período de 2021. O montante foi de US$ 516,1 milhões De janeiro a outubro deste ano, as exportações de arroz em Goiás cresceram 82,6% em comparação com o mesmo período de 2021. O volume embarcado para fora do País foi de 4 mil toneladas, aumento de 84,9% em relação ao ano passado, tendo como principais destinos Venezuela, Senegal e Bolívia. O montante registrado foi de US$ 2,0 milhões. Com esse resultado, o Estado ocupa a quarta posição entre os principais exportadores nacionais do cereal, atrás de Rio Grande do Sul, Roraima e Santa Catarina. As informações integram a edição de dezembro do Agro em Dados, publicação mensal da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). ARROZ EM ALTA De acordo com o boletim, as exportações nacionais do cereal também registraram aumento de 95,1% no faturamento alcançado no acumulado de 2022 (janeiro a outubro), frente ao mesmo período de 2021. O montante foi de US$ 516,1 milhões, proveniente de embarques de mais de um milhão de toneladas de arroz, destinados principalmente ao México, Senegal e Venezuela. Em relação ao cultivo de arroz, Goiás havia plantado, até o dia 26 de novembro, quase 73% do total destinado à cultura na atual safra. Segundo o Agro em Dados deste mês, a projeção é de crescimento de 15,7% em produtividade, alcançando 5,2 toneladas por hectare. Entretanto, a perspectiva é de redução de área cultivada, registrando 16,3 mil hectares, e de produção do arroz goiano, que deve ser de 85,3 mil toneladas. PRODUTORES Entre os principais municípios goianos produtores, os destaques são Flores de Goiás, São Miguel do Araguaia e São João D´Aliança. Localizado a 440 quilômetros de Goiânia, na região Nordeste do Estado, Flores de Goiás lidera a produção. É reconhecido pelo cultivo de arroz irrigado, que movimenta a economia e gera renda para vários agricultores familiares que vivem em assentamentos rurais na região. O titular da Seapa, Tiago Mendonça, ressalta que a cultura tem conquistado mais espaço entre as atividades agrícolas desenvolvidas no Estado. O reflexo disso é no campo e na balança comercial. “É o principal cereal consumido no mundo e isso chama a atenção do produtor. Com investimentos em manejo e tecnologia, o agricultor goiano tem aumentado a produtividade em suas lavouras, trazendo resultados para a economia, especialmente em municípios que se destacam no cultivo. Atualmente, além de abastecer o mercado interno, o arroz produzido em solo goiano alcança outros países e registra, ano após ano, crescimento em exportações. Isso mostra a importância do cereal cultivado em Goiás”, enfatiza. AINDA O Agro em Dados de dezembro traz análises e números (reais e estimativos) de sete segmentos agropecuários: soja, milho, arroz, bovinos, suínos, frangos e lácteos. Os itens abordados incluem valor bruto de produção (VBP), produção total, área plantada, produtividade média, ranking nacional, abates, exportações e principais compradores. O boletim dedica ainda um capítulo especial ao Programa de Melhoria da Qualidade Genética do Rebanho Bovino Brasileiro (Pró-Genética). Concebido pela Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) e implementado conjuntamente com os governos estaduais e municipais representados pelos órgãos de extensão rural. O objetivo do programa é tornar acessível a comercialização de touros puros de origem (PO). Em Goiás, o Pró-Genética é realizado por meio de parceria entre ABCZ e Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater). SAIBA MAIS A Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) promove o Agro em Dados. O levantamento e a edição das informações estão sob a responsabilidade da Gerência de Inteligência de Mercado da Superintendência de Produção Rural Sustentável, com formatação e diagramação da Comunicação Setorial da Seapa. As fontes são: Emater, Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Conab, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Ministério da Economia. A periodicidade é mensal. Curadoria: Boi a Pasto

Romanelli destaca qualidade do café produzido por mulheres do Norte Pioneiro

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSD) destacou a qualidade do café produzido por mulheres do Norte Pioneiro. Produtoras da bebida em Tomazina, Joaquim Távora e Pinhalão foram vencedoras da 6ª edição do Cup das Mulheres. O evento foi realizado no Centro de Qualidade do Café, no IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater) e premiou os melhores grãos produzidos artesanalmente no Norte Pioneiro, por mulheres da agricultura familiar. “Mais uma vez o Norte Pioneiro mostra a força da mulher paranaense. A fragilidade de antes deu lugar à garra, à força e ao empoderamento feminino, que mostra cada dia mais que o lugar da mulher é onde ela quiser estar, e que tudo o que elas fazem, apresentam resultados positivos”, disse o deputado. As Mulheres do Café participaram do concurso com 22 lotes, que foram avaliados por uma comissão de provadores do IDR-Paraná. Os critérios têm base no protocolo da SCA (sigla, em inglês, para Associação de Cafés Especiais). Além de representar a força da mulher do Norte Pioneiro e apresentar a qualidade da produção regional, as cafeicultoras participaram de uma oficina de degustação. Vencedoras — O 6º Cup das Mulheres não apenas revelou a qualidade e dedicação com as quais as cafeicultoras se preocupam com a produção da bebida, como possibilitou ainda ampliar as discussões das etapas de processamento dos grãos depois que eles saem do campo. O café do Norte Pioneiro do Paraná é um dos 12 produtos paranaenses que contam com a certificação de IGP (Indicação Geográfica de Procedência) desde 2012, o que faz com que o Paraná seja o terceiro estado com mais reconhecimentos de origem no Brasil. As vencedoras da 6ª edição do concurso são de Tomazina, Joaquim Távora e Pinhalão. O café produzido por Claudionira Inocencia de Souza, de Tomazina, venceu na categoria cereja descascado. Márcia Cristina da Silva, da mesma cidade, foi a vencedora na fermentação induzida. Na categoria café natural, a campeã foi Fátima Aparecida da Cruz, de Joaquim Távora. Já o júri popular escolheu o café de Sirlene Soares Santos Souza, como o melhor entre todos os participantes. Iniciado em 2013, o Cup das Mulheres reúne cerca de 250 cafeicultoras, organizadas em 12 grupos de 11 municípios do Norte Pioneiro: Curiúva, Figueira, Ibaiti, Japira, Jaboti, Pinhalão, Tomazina, Siqueira Campos, Salto do Itararé, Joaquim Távora e Carlópolis. Fonte: Tribuna do Vale Curadoria: Boi a Pasto