Rio Grande do Sul ter├í Selo Verde para prote├şna animal

O Rio Grande do Sul caminha para instituir um selo verde para as cadeias de produ├ž├úo de prote├şna animal. A confirma├ž├úo para a certifica├ž├úo aconteceu ao final da primeira edi├ž├úo do Semin├írio RS Carbon Free. O compromisso com o equil├şbrio ambiental dever├í se iniciar pelo levantamento dos indicadores e das metas.

Nova marca-conceito, Carbono Nativo, promove valoriza├ž├úo de sistemas silvipastoris

Al├ęm de ser um pilar econ├┤mico, essa atividade desempenha um papel importante na mitiga├ž├úo das mudan├žas clim├íticas, oferecendo servi├žos ecossist├¬micos significativos. O compromisso do Brasil em reduzir as emiss├Áes de gases de efeito estufa resultou na implementa├ž├úo do “Plano ABC” em 2010, uma pol├ştica p├║blica voltada para uma agricultura de baixa emiss├úo de carbono.

Desafios e Proje├ž├Áes do Mercado de Carbono

Com regulamenta├ž├úo ainda em curso no Brasil, a comercializa├ž├úo dos cr├ęditos de carbono ├ę uma fonte promissora de renda para agricultores e pecuaristas ainda praticamente inexplorada pelo agroneg├│cio no Rio Grande do Sul. Atualmente, a venda de cr├ęditos de carbono ocorre, principalmente, no chamado mercado volunt├írio (alternativo), uma vez que n├úo h├í regulamenta├ž├úo formalizada nacionalmente.

In├ędita no Pantanal, certifica├ž├úo de cr├ęditos de carbono garante conserva├ž├úo de 135 mil hectares que abrigam o maior felino das Am├ęricas

O primeiro projeto certificado para a emiss├úo de cr├ęditos de carbono na regi├úo do Pantanal foi anunciado nesta ter├ža-feira (30) em Corumb├í, no Mato Grosso do Sul. Formando um corredor de biodiversidade para a on├ža-pintada e outras dezenas de esp├ęcies animais em uma ├írea de 135 mil hectares ÔÇô equivalente a cerca de 200 mil campos de futebol ÔÇô, o lan├žamento ├ę a primeiro iniciativa REDD+ com emiss├úo de cr├ęditos de carbono no bioma.

Como se justifica a prospec├ž├úo de petr├│leo em plena bacia amaz├┤nica quando as energias limpas e renov├íveis j├í s├úo uma realidade?

O presidente Lula n├úo deve estar conseguindo dormir direito, apesar de sua cama ultraconfort├ível que custou aos cofres p├║blicos a bagatela de R$ 42 mil reais. Isso porqu├¬, neste m├¬s de maio, n├úo p├íram de pipocar not├şcias antag├┤nicas ao seu plano de Governo. A pen├║ltima, da semana passada, veio da Petrobr├ís que submeteu ao Ibama um pedido de autoriza├ž├úo para perfura├ž├úo de po├žos de petr├│leo em plena bacia amaz├┤nica, a 500 kms da Foz do Rio Amazonas, e a 175 kms do Amap├í. Bem, a estatal tem o direito de tentar prospectar novos po├žos onde bem entender, mas deveria respeitar a decis├úo do Ibama, que negou essa autoriza├ž├úo. E o que ela f├¬z? Se f├¬z de tonta, e disse que vai entrar com recursos para ter o seu pedido analisado novamente pelo Ibama. Ou seja, respeito zero pela palavra do mais importante instituto brasileiro sobre o nosso meio-ambiente. Deu, literalmente, de ombros.

FGV inicia estudos sobre pecuária de baixo carbono

J├í faz alguns anos que a pecu├íria ├ę uma das principais fontes de renda do Brasil, fazendo do nosso pa├şs refer├¬ncia mundial neste aspecto. Com tecnologias e investimentos, a pecu├íria brasileira vem aumentando sua produ├ž├úo sem, necessariamente, ter que comprometer o desenvolvimento sustent├ível.

Mercado de carbono e suas oportunidades para o agroneg├│cio brasileiro

O Brasil ├ę mundialmente reconhecido como um dos pa├şses com elevado protagonismo no mercado de carbono. Boa parte desse protagonismo pode vir do agroneg├│cio brasileiro.

Este setor tem potencial para ser um dos maiores fornecedores de servi├žos ambientais para o mundo e, atrav├ęs do mercado de carbono, poder├í emitir cr├ęditos por emiss├Áes evitadas.

Pecu├íria com m├ędia lota├ž├úo no pasto gera cr├ędito de carbono.

Na Embrapa Pecu├íria Sudeste, um sistema de m├ędia lota├ž├úo de 3,3 UA/ha recuperou pastagem degradada e neutralizou emiss├Áes de gases de efeito estufa, gerando cr├ęditos de carbono equivalentes a seis ├írvores de eucalipto. Foram avaliados quatro sistemas para medir a sustentabilidade ambiental da atividade. O estudo, feito em quatro n├şveis de intensifica├ž├úo de sistemas pastoris […]

Mudan├ža clim├ítica eleva pre├žo da carne e polui├ž├úo da pecu├íria.

Aqueles que est├úo desembolsando R$ 40 por quilo de carne de segunda ou at├ę mesmo deixando de consumi-la em 2021, podem pensar que a situa├ž├úo n├úo pode piorar. No entanto, de acordo com os cientistas, h├í m├ís not├şcias por vir: a situa├ž├úo pode se agravar ainda mais, apesar do ditado popular brasileiro que afirma que […]