poodlepomeraniandextools trendingdextools trending botfront run botdextools trending costdextools trending servicepancakeswap botcreate openbook market idNewseskişehir televizyon tamirHair TransplantDiş eti ağrısıAntika mobilya alanlarwordpress en iyi seo eklentileridextools bothttps://www.orneknakliyat.comdextools trending algorithmcoinmarketcap trending botpinksale trending botGaziantep uygun evden eve taşımaantika alanlarköpek ilanlarıMedyumeskişehir evden eve nakliyatantika alanlarEtimesgut evden eve nakliyathayır lokmasıpendik evden eve nakliyatbeykoz evden eve nakliyatdarıca evden eve nakliyateskişehir protez saçavcılar lokmacıankara ofis taşımacılıgıankara parca esya tasımatuzla evden eve nakliyatAnkara implant fiyatlarımersin evden eve nakliyatodunpazarı emlakmersin evden eve nakliyatığdır evden eve nakliyatmarsbahiscasibomseo çalışmasıistanbul hayır lokmasıvalizweb sitesi yapımıçekici ankaragoogle adsbeykoz evden eve nakliyatAntika alan yerlerEtimesgut evden eve nakliyateskişehir web sitesiMedyumMedyumlarEtimesgut evden eve nakliyatankara evden eve nakliyatantika alanlarmamak evden eve nakliyatcasibomankara evden eve nakliyatankara evden eve nakliyatçankaya evden eve nakliyatistanbul saç ekimiEtimesgut evden eve nakliyatniğde evden eve nakliyateskişehir emlakgoogle ads çalışmasıtuzla evden eve nakliyateskişehir uydu tamirtomi club maldivespoodleeryaman evden eve nakliyatpoodlepomeraniandextools trendingdextools trending botfront run botdextools trending costdextools trending servicepancakeswap botcreate openbook market idNewsHair Transplantdextools botdextools trending algorithmcoinmarketcap trending botpinksale trending botGaziantep uygun evden eve taşımaköpek ilanlarıMedyumeskişehir evden eve nakliyatantika alanlarmersin evden eve nakliyatmarsbahiscasibomseo çalışmasıistanbul hayır lokmasıgoogle adsbeykoz evden eve nakliyatcasibom

abril 25, 2024

“A economia é baseada no mundo natural, e não sobrevive sem ele”, diz ambientalista indiano

Para pacifista Satish Kumar, humanidade hoje vive uma fantasiosa separação entre ser humano e natureza

Por Fernanda Mena

SÃO PAULO

“A economia é baseada no mundo natural e, portanto, se não houver água, solo, madeira, animais, de onde virá a economia?”, questiona o ambientalista e pacifista indiano Satish Kumar, 87, fundador do Schumacher College, uma renomada faculdade de sustentabilidade com sede no Reino Unido.

“A economia é um meio para um fim, e o fim é o bem-estar humano e o bem-estar planetário. Mas não temos isso”, diz o educador, para quem a economia praticada no mundo atual se distanciou tanto de seu sentido original (eco, do grego “oikos”, é lar ou local de morada, e “oikonomia” é sua administração) que deveria se chamar “dinheironomia”.

Crítico dos meios de produção em massa, Satish nomeou sua escola em homenagem ao amigo e economista britânico, nascido na Alemanha, E.F. Schumacher (1911-1977), autor do livro “Small is Beautiful” e para quem a economia é uma subárea da ecologia. As ideias de Schumacher inspiraram movimentos como o “fair trade” (compra justa, em inglês) e “buy local”, de incentivo à compra de produtos locais.

Depois de receber mais de 500 brasileiros no campus do sudoeste da Inglaterra, em 2014 uma unidade da Schumacher College foi aberta no Brasil.

Satish diz que a humanidade hoje vive uma fantasiosa separação entre ser humano e natureza. Para ele, a incompreensão dessa interdependência está na raiz da atual crise climática.

“O homem escravizou a natureza, como se ela não tivesse vida e pudesse ser explorada infinitamente”, diz. “Enxergamos a natureza como algo separado de nós, algo inferior. Só que nós também somos natureza.”

O ambientalista, que se tornou monge jainista aos nove anos, defende a redução do crescimento econômico, da produção e do consumo excessivos. Propõe o que chama de “simplicidade elegante”, um modo de vida de baixo impacto, com foco no “ser” e não no “ter”, que dá título a um de seus poucos livros lançados no Brasil pela editora Palas Athena.

No auge da Guerra Fria, Satish iniciou uma marcha pela paz, inspirada nas ideias de Mahatma Gandhi. Partiu da Índia, sem dinheiro, e atravessou 13 mil quilômetros e três continentes a pé e de barco ao longo de dois anos e meio para encontrar líderes das potências nucleares da época em Moscou, Paris, Londres e Washington.

Sua filosofia é objeto do documentário “Teaching Nature”, de Lucas Barragan, que estreia agora no Brasil na plataforma Aquarius, a mesma que lançará em abril o filme “Amor Radical”, do brasileiro Julio Hey, sobre a jornada de vida do ativista indiano. Satish vem em 2024 ao Brasil para o lançamento e uma série de conferências e encontros.

Satish avalia que o Brasil deve priorizar o combate à fome e a proteção de seus biomas e povos indígenas. “O Brasil não deve destruir suas florestas para exportar alimentos para a China.”

Leia, a seguir, trechos da entrevista concedida à Folha.

Sua escola homenageia um economista que considerava a economia como subárea da ecologia. Por quê?
Porque a economia, sem a natureza, não é economia, e não pode sobreviver. Schumacher disse que a economia é um meio para um fim, e o fim é o bem-estar humano e o bem-estar planetário, mantendo a natureza íntegra, sem poluição, sem desperdício, sem emissões excessivas de carbono. Schumacher disse que a economia está a serviço das pessoas e do planeta, não as pessoas e o planeta a serviço da economia.

O sr. defende uma educação integral e prática. Como esse modelo serve aos desafios do mundo contemporâneo?
Nossa educação convencional, criada durante a Revolução Industrial, está obsoleta. Ela pensa que os jovens não têm corpo nem coração nem mãos nem pernas, e só ensina a cabeça, e apenas metade dela. Todos temos dois hemisférios do cérebro. O esquerdo é o hemisfério racional. O direito é o hemisfério da imaginação, da arte, do relacionamento, da compaixão. Nossa educação tem gastado bilhões apenas educando a metade esquerda do cérebro. Isso é trágico.

A educação não deve ser apenas para empregos, deve ser para a vida. A maioria dos empregos é muito destrutiva. Eles poluem, desperdiçam e só enxergam a natureza como recurso para a economia. Então, precisamos de uma revolução na educação para torná-la centrada na natureza, na vida e na Terra. O livro da natureza é o maior livro que temos, e as crianças têm que experimentar isso: não pode vir dos livros nem da internet, mas da experiência.

Emergências climáticas têm se intensificado, graças, segundo o sr., a uma guerra dos humanos contra a natureza. O que é essa guerra?
A guerra com a natureza é tratá-la como se ela não tivesse vida e pudesse ser explorada infinitamente. Escravizamos a natureza, a vemos como algo separado de nós, algo inferior. Só que nós também somos natureza.

Qual é o papel da pandemia de Covid nessa guerra contra a natureza?
Acredito que a razão pela qual tivemos uma pandemia é porque estamos invadindo e destruindo a natureza selvagem. Os animais selvagens e os vírus selvagens entram na cadeia alimentar, e temos a Covid. Que, portanto, foi produzida pelo homem, pela expansão da agricultura e da monocultura. A natureza não gosta de monocultura, ela prefere a biodiversidade.

Para evitar futuras pandemias, precisamos reduzir nosso impacto no meio ambiente e nosso consumo de carne e ter uma agricultura orgânica, mais humana e em menor escala.

Convenções climáticas tentam engajar países na contenção da temperatura mundial ao crescimento de 1,5ºC. Há motivo para otimismo?
É uma coisa boa que a ONU, governos e empresas estejam focando as mudanças climáticas. Mas estão fazendo isso de maneira errada. Em vez de reduzir sua pegada no planeta, querem encontrar soluções tecnológicas. E não se pode resolver o problema com a mesma ideia que causou o problema em primeiro lugar.

Essa ideia de crescimento econômico ilimitado não é possível, mas é o foco de todos os países e empresas. O crescimento se tornou um deus ou uma religião. Não existe crescimento econômico infinito em um planeta finito. Precisamos de crescimento no bem-estar, nas relações humanas, na saúde, na arte. Não temos isso. Temos cada vez mais pessoas doentes, física e mentalmente. Isso não é bem-estar. Nossos oceanos estão cheios de plástico, nossos rios estão cheios de esgoto, nosso solo está cheio de produtos químicos e fertilizantes venenosos.

O sr. prega a simplicidade elegante como parte da solução desse impasse. O que é isso?
Significa que precisamos ter uma vida simples para que os outros possam viver de forma simples. Hoje, uma parte muito rica da sociedade está gastando muito dinheiro em tudo. A sociedade de consumo é o motor do crescimento econômico e, portanto, promove o consumismo.

A indústria publicitária cria desejos por coisas que você nunca soube que precisava comprar e está semeando fome e inadequação, medo e complexo de inferioridade, falta de confiança em si mesmo e ganância. Por que ter tanto se só se pode usar um vestido ou um relógio por vez? Temos dinheiro, temos carros, temos casas, mas não temos tempo.

Se você vive de forma simples, consome menos recursos da natureza. Temos que lembrar que menos é mais: ser mais e ter menos. A simplicidade elegante é boa para a natureza, para a sociedade e para você mesma.

Performance contra o consumismo

Na avenida Paulista, a atriz e bailarina, Leila Queiroz, com um balde na cabeça, cheio, do que ela denominava, futilidades e consumismo, falava a todos sobre esse problema mundial, ou seja, o excesso de consumo

Na avenida Paulista, a atriz e bailarina, Leila Queiroz, com um balde na cabeça, cheio, do que ela denominava, futilidades e consumismo, falava a todos sobre esse problema mundial, ou seja, o excesso de consumo Marcus Leoni/FolhapressMAIS

O Brasil foi particularmente afetado nos anos de pandemia, tanto do ponto de vista humano quanto ambiental. Depois de ter sido liderança no campo ambiental, qual é o lugar do Brasil hoje neste debate?
No momento, vocês têm um bom presidente e também têm uma ótima ministra do Meio Ambiente, Marina Silva —ela é maravilhosa. O Brasil é um país muito afortunado, pois possui uma grande extensão de terra e menor população em comparação com a Índia e a China. Portanto, pode se dar ao luxo de ter mais florestas e proteger a Amazônia, plantar mais árvores e ter alimentos perenes. Por que o Brasil deveria destruir sua floresta e seu ambiente para produzir alimentos para a China, os Estados Unidos ou outros países? Especialmente enquanto há brasileiros passando fome.

Ninguém deve passar fome. Todas as outras coisas são secundárias. A produção de alimentos de boa qualidade deve ser prioridade. E, para isso, a agricultura deve ser valorizada. No momento, cultivar alimentos é visto como um trabalho árduo de pessoas sem educação, pobres e atrasadas.

O Brasil deveria levar mais pessoas para o campo, onde estarão mais saudáveis, em contato com a natureza. Os agricultores são o futuro do Brasil porque o alimento é fundamental e vem primeiro. Se os agricultores estiverem em baixa, o Brasil estará em baixa. Se os agricultores estiverem em alta, o Brasil estará em alta.

Garimpeiros alteram rotina da Terra Indígena Macuxi

Vista aérea do rio Uraricoera, próximo da Terra Indígena Boqueirão, em Roraima. Passagem dos garimpeiros rumo à terra yanomami, o rio ficou com suas águas barrentas e acabou com a pesca dos povos macuxis e wapichanas

Vista aérea do rio Uraricoera, próximo da Terra Indígena Boqueirão, em Roraima. Passagem dos garimpeiros rumo à terra yanomami, o rio ficou com suas águas barrentas e acabou com a pesca dos povos macuxis e wapichanas Lalo de Almeida/FolhapressMAIS 

E qual é o lugar da Índia, uma das potências do mundo multipolar, e um dos maiores consumidores de carvão do mundo?
A Índia está copiando o sistema ocidental de produção industrial, consumismo e crescimento econômico e se esqueceu de sua cultura. Embora o novo governo [do nacionalista Narendra Modi] exalte que somos hindus, ele deixou de lado as tradições e os valores hindus. O governo é hindu apenas no nome —adotou um chauvinismo hindu. Os valores hindus são simplicidade, não violência, harmonia com a natureza, igualdade. O país acabou de pousar na Lua enquanto crianças estão com fome nas ruas e pessoas vivem em favelas. Não me orgulho disso”.

RAIO-X

Satish Kumar, 87, nasceu no Rajastão, estado da Índia que faz fronteira com o Paquistão. Aos nove anos, tornou-se monge jainista (religião do século 6º a.C.). Aos 18, integrou movimentos pela reforma agrária na Índia, e, em 1962, iniciou uma marcha pela paz que atravessou três continentes em dois anos e meio de caminhada. Mudou-se para o Reino Unido nos anos 1970, onde fundou a revista Ressurgence & Ecological, referência no campo do ambientalismo, da qual hoje é editor emérito. Em 1991, fundou o Schumacher College, centro de estudos de sustentabilidade que se tornou referência global no assunto. Publicou dez livros, dos quais foram lançados no Brasil “Simplicidade Elegante” e “Solo, Alma, Sociedade”, ambos pela editora Palas Athena, e “Bússola Espiritual” (ed. Pensamento)

 VOLTAR

  • Facebook
  • Whatsapp
  • Twitter
  • Messenger
  • Linkedin
  • E-mail
  • Copiar link
Loading

Qual é o papel da pandemia de Covid nessa guerra contra a natureza?
Acredito que a razão pela qual tivemos uma pandemia é porque estamos invadindo e destruindo a natureza selvagem. Os animais selvagens e os vírus selvagens entram na cadeia alimentar, e temos a Covid. Que, portanto, foi produzida pelo homem, pela expansão da agricultura e da monocultura. A natureza não gosta de monocultura, ela prefere a biodiversidade.

Para evitar futuras pandemias, precisamos reduzir nosso impacto no meio ambiente e nosso consumo de carne e ter uma agricultura orgânica, mais humana e em menor escala.

Convenções climáticas tentam engajar países na contenção da temperatura mundial ao crescimento de 1,5ºC. Há motivo para otimismo?
É uma coisa boa que a ONU, governos e empresas estejam focando as mudanças climáticas. Mas estão fazendo isso de maneira errada. Em vez de reduzir sua pegada no planeta, querem encontrar soluções tecnológicas. E não se pode resolver o problema com a mesma ideia que causou o problema em primeiro lugar.

Essa ideia de crescimento econômico ilimitado não é possível, mas é o foco de todos os países e empresas. O crescimento se tornou um deus ou uma religião. Não existe crescimento econômico infinito em um planeta finito. Precisamos de crescimento no bem-estar, nas relações humanas, na saúde, na arte. Não temos isso. Temos cada vez mais pessoas doentes, física e mentalmente. Isso não é bem-estar. Nossos oceanos estão cheios de plástico, nossos rios estão cheios de esgoto, nosso solo está cheio de produtos químicos e fertilizantes venenosos.

O sr. prega a simplicidade elegante como parte da solução desse impasse. O que é isso?
Significa que precisamos ter uma vida simples para que os outros possam viver de forma simples. Hoje, uma parte muito rica da sociedade está gastando muito dinheiro em tudo. A sociedade de consumo é o motor do crescimento econômico e, portanto, promove o consumismo.

A indústria publicitária cria desejos por coisas que você nunca soube que precisava comprar e está semeando fome e inadequação, medo e complexo de inferioridade, falta de confiança em si mesmo e ganância. Por que ter tanto se só se pode usar um vestido ou um relógio por vez? Temos dinheiro, temos carros, temos casas, mas não temos tempo.

Se você vive de forma simples, consome menos recursos da natureza. Temos que lembrar que menos é mais: ser mais e ter menos. A simplicidade elegante é boa para a natureza, para a sociedade e para você mesma.

1 5

Performance contra o consumismo

Na avenida Paulista, a atriz e bailarina, Leila Queiroz, com um balde na cabeça, cheio, do que ela denominava, futilidades e consumismo, falava a todos sobre esse problema mundial, ou seja, o excesso de consumo
Na avenida Paulista, a atriz e bailarina, Leila Queiroz, com um balde na cabeça, cheio, do que ela denominava, futilidades e consumismo, falava a todos sobre esse problema mundial, ou seja, o excesso de consumo
Na avenida Paulista, a atriz e bailarina, Leila Queiroz, com um balde na cabeça, cheio, do que ela denominava, futilidades e consumismo, falava a todos sobre esse problema mundial, ou seja, o excesso de consumo
Na avenida Paulista, a atriz e bailarina, Leila Queiroz, com um balde na cabeça, cheio, do que ela denominava, futilidades e consumismo, falava a todos sobre esse problema mundial, ou seja, o excesso de consumo
Na avenida Paulista, a atriz e bailarina, Leila Queiroz, com um balde na cabeça, cheio, do que ela denominava, futilidades e consumismo, falava a todos sobre esse problema mundial, ou seja, o excesso de consumo

 VOLTAR

  • Facebook
  • Whatsapp
  • Twitter
  • Messenger
  • Linkedin
  • E-mail
  • Copiar link
Loading

O Brasil foi particularmente afetado nos anos de pandemia, tanto do ponto de vista humano quanto ambiental. Depois de ter sido liderança no campo ambiental, qual é o lugar do Brasil hoje neste debate?
No momento, vocês têm um bom presidente e também têm uma ótima ministra do Meio Ambiente, Marina Silva —ela é maravilhosa. O Brasil é um país muito afortunado, pois possui uma grande extensão de terra e menor população em comparação com a Índia e a China. Portanto, pode se dar ao luxo de ter mais florestas e proteger a Amazônia, plantar mais árvores e ter alimentos perenes. Por que o Brasil deveria destruir sua floresta e seu ambiente para produzir alimentos para a China, os Estados Unidos ou outros países? Especialmente enquanto há brasileiros passando fome.

Ninguém deve passar fome. Todas as outras coisas são secundárias. A produção de alimentos de boa qualidade deve ser prioridade. E, para isso, a agricultura deve ser valorizada. No momento, cultivar alimentos é visto como um trabalho árduo de pessoas sem educação, pobres e atrasadas.

O Brasil deveria levar mais pessoas para o campo, onde estarão mais saudáveis, em contato com a natureza. Os agricultores são o futuro do Brasil porque o alimento é fundamental e vem primeiro. Se os agricultores estiverem em baixa, o Brasil estará em baixa. Se os agricultores estiverem em alta, o Brasil estará em alta.

1 8

Garimpeiros alteram rotina da Terra Indígena Macuxi

Vista aérea do rio Uraricoera, próximo da Terra Indígena Boqueirão, em Roraima. Passagem dos garimpeiros rumo à terra yanomami, o rio ficou com suas águas barrentas e acabou com a pesca dos povos macuxis e wapichanas

LEIA MAIS

 VOLTAR

  • Facebook
  • Whatsapp
  • Twitter
  • Messenger
  • Linkedin
  • E-mail
  • Copiar link
Loading

E qual é o lugar da Índia, uma das potências do mundo multipolar, e um dos maiores consumidores de carvão do mundo?
A Índia está copiando o sistema ocidental de produção industrial, consumismo e crescimento econômico e se esqueceu de sua cultura. Embora o novo governo [do nacionalista Narendra Modi] exalte que somos hindus, ele deixou de lado as tradições e os valores hindus. O governo é hindu apenas no nome —adotou um chauvinismo hindu. Os valores hindus são simplicidade, não violência, harmonia com a natureza, igualdade. O país acabou de pousar na Lua enquanto crianças estão com fome nas ruas e pessoas vivem em favelas. Não me orgulho disso.

RAIO-X

Satish Kumar, 87, nasceu no Rajastão, estado da Índia que faz fronteira com o Paquistão. Aos nove anos, tornou-se monge jainista (religião do século 6º a.C.). Aos 18, integrou movimentos pela reforma agrária na Índia, e, em 1962, iniciou uma marcha pela paz que atravessou três continentes em dois anos e meio de caminhada. Mudou-se para o Reino Unido nos anos 1970, onde fundou a revista Ressurgence & Ecological, referência no campo do ambientalismo, da qual hoje é editor emérito. Em 1991, fundou o Schumacher College, centro de estudos de sustentabilidade que se tornou referência global no assunto. Publicou dez livros, dos quais foram lançados no Brasil “Simplicidade Elegante” e “Solo, Alma, Sociedade”, ambos pela editora Palas Athena, e “Bússola Espiritual” (ed. Pensamento).

  • COMPARTILHAMENTO ESPECIALAssinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
      Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da FolhaAssinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da FolhaASSINEouFAÇA LOGIN
    • Salvar para ler depoisSALVAR ARTIGOSRecurso exclusivo para assinantesASSINE ou FAÇA LOGIN
    • 5

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Facebook
    Twitter
    LinkedIn
    WhatsApp

    NEWSLETTER

    Assine nossa newsletter para ficar atualizado.

    POST RECENTES

    A tecnologia contra o desperdício de alimento

    Em 27 de março, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) divulgou um dado alarmante:  mais de 1 bilhão de refeições foram desperdiçadas por dia, em 2022, em todo o mundo. Isso ocorre enquanto 783 milhões de pessoas passam fome e um terço da população mundial enfrenta algum tipo de insegurança alimentar, de acordo com o Relatório do Índice de Desperdício de Alimentos 2024. O impacto ambiental também impressiona, pois o desperdício de alimentos é responsável por emissões de gases de efeito estufa cinco vezes maiores do que as do setor de aviação.

    Leia Mais »

    USP e Embrapa oficializam parceria para pesquisas em rastreabilidade

    Pesquisas voltadas à sustentabilidade da agricultura estão no foco de um novo acordo assinado no último dia 11 entre a Embrapa e a Universidade de São Paulo (USP). O protocolo de intenções acordado abrange o uso compartilhado do Centro de Agricultura Tropical Sustentável (STAC) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da USP.

    Assinado durante o Fórum de Agricultura Tropical Sustentável, realizado na capital paulista, na USP, o documento tem como objeto trabalhos de desenvolvimento de métricas e selos de sustentabilidade ligados às práticas ESG, sigla em inglês para definir a abordagem de governança ambiental, social e corporativa.

    Leia Mais »
    betmatikbetinetumbet girişhacklinkslot sitelericanlı casino sitelericasino sitelerislot siteleribahis siteleribig bass bonanzabaywinİnterbahisbelugabahismadridbetcasibomSweet bonanza demograndpashabetCasinoslotgates of olympus oynaSweet bonanza demosugar rush oynaCasinoslotBahisnowcasibombetsatbets10holiganbetbaywinMaltcasinohacklinkmatadorbetbayan escortTürkiye Escort Bayanbuca escortKlasoyun TwitterKlasoyun Giriş TwitterUltrabet TwitterikimisliBetsoo Giriş Twittervbetdeneme bonusu veren siteler1xbetbycasinomarsbahisikimisli girişen güvenilir slot sitelerideneme bonusu veren sitelerfethiye escortbornova escortmarsbahiscasibombetkom girişDeneme Bonusu Veren Sitelercasibomcasibom girişŞişli escortizmir escortDenizli escortMalatya Escortcasibomşanlıurfa escortHacklinkBeşiktaş escortAtaşehir escortBeylikdüzü escortkadıköy escortcialisViagraBahis siteleriBeylikdüzü escortmasözmasözantalya escortcasibombetturkeyfixbetdeneme bonusu veren sitelerdeneme bonusu veren sitelercasibombets10jojobet girişpusulabetbaywinGrandpashabetcasibom girişholiganbet girişbettiltcasibom girişslot sitelerisekabetbetmatikbetkanyonsekabetholiganbetbetmatikcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomhitbetsahabetsahabetbettiltvdcasinoilbetcratosroyalbettümbetbaywindinamobetelexbetsekabetbetkanyonbetmatikbetinetumbet girişslot sitelericanlı casino sitelericasino sitelerislot siteleribahis siteleribaywinİnterbahisbelugabahismadridbetcasibomgrandpashabetcasibombetsatbets10holiganbetbaywinMaltcasinohacklinkmatadorbetikimislivbetdeneme bonusu veren siteler1xbetbycasinomarsbahisikimisli girişen güvenilir slot sitelerideneme bonusu veren sitelercasibombetkom girişcasibomcasibom