julho 23, 2024

Exportações de carne bovina in natura podem ultrapassar 200 mil toneladas em novembro, aponta USP

Levantamento divulgado pelo Cepea, de Piracicaba, mostra que o índice de exportações até o momento se aproxima do total registrado em todo o mês de novembro em 2022.

Fonte: Por g1 Piracicaba e Região

Curadoria: Portal Boi a Pasto.


Legenda: Exportação de carne bovina cresce, aponta estudo da USP de Piracicaba — Foto: Divulgação

As exportações brasileiras de carne bovina in natura totalizaram, até a terceira semana de novembro, 119,27 mil toneladas. O índice se aproxima do volume total escoado em todo o mês de novembro de 2022, que foi de 148,83 mil toneladas. Os dados, da Secex, foram divulgados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea, novembro, 2022), USP.

De acordo com pesquisadores do Cepea, caso o atual desempenho de vendas ao exterior seja mantido até o final do mês, o total de exportações brasileiras de carne bovina in natura pode ultrapassar as 200 mil toneladas. O levantamento aponta que a média diária de embarques que atinge 10,82 mil toneladas em novembro, uma alta de 45,41% frente aos dados do mesmo período do ano passado.

Suínos

Os preços da carne suína vêm registrando altas desde a segunda semana de novembro, o que, segundo pesquisadores do Cepea, pode ser explicado pelo aumento da procura por parte de atacadistas que têm procurado formar estoques para as demandas de final de ano.

Entretanto, segundo o levantamento, até o dia 21 de novembro, o valor médio mensal da carcaça especial está 0,8% abaixo do preço de outubro, o que pode ser explicado pelas vendas estagnadas no início do mês, segundo o Cepea, que aponta que, no atacado da Grande São Paulo, a carcaça especial suína está sendo vendida, em média, por R$ 9,76 o quilo na parcial de novembro.

Milho

O faturamento com as exportações brasileiras de produtos agropecuários somou somando 126 bilhões de dólares de janeiro a setembro de 2023. A marca representa crescimento de 3,2% na comparação com o mesmo período do ano passado, conforme apontam pesquisas do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), o campus da USP em Piracicaba. “Trata-se de um recorde para o período”, observam especialistas do instituto. Segundo pesquisadores do Cepea, esse resultado segue atrelado ao maior volume embarcado – que aumentou 14,7% –, já que os preços médios em dólar caíram 10%.

O milho, como no semestre passado, é o responsável por puxar esse aumento, com a maior taxa de crescimento nos envios externos, uma alta é de 40% no volume embarcado. Veja ranking de produtos, abaixo, na reportagem. O estudo é feito com base em dados Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Secretaria de Comércio Exterior – sistema Siscomex e indicam que o setor registra bom desempenho em 2023, e a receita deste ano pode atingir novo recorde.

Expectativa

Se o setor mantiver o mesmo desempenho do último trimestre de 2022, a receita pode superar o valor de US$ 160 bilhões, o que seria um novo recorde. Para que essa meta seja atingida, é importante que o Real não se valorize muito frente ao dólar norte-americano ao longo dos próximos meses.

Produtos

A soja em grão, por sua vez, se mantém como líder na quantidade exportada. De acordo com pesquisadores do Cepea, além dos produtos do complexo da soja e do milho, o ano tem sido favorável ao setor sucroalcooleiro e às carnes de frango e suína.

China e Estados Unidos

Pesquisadores do Cepea indicam que as economias chinesa e norte-americana têm apresentado boas taxas de crescimento neste ano, o que tem dado suporte à demanda internacional. “Do lado da oferta, o Brasil apresentou produção recorde, o que sustentou os bons volumes embarcados. No entanto, diante do crescimento da produção também em outros países relevantes no cenário internacional, os preços caíram ao longo dos nove meses de 2023”, concluem os pesquisadores do Cepea.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp