eskişehir televizyon tamirDiş eti ağrısıAntika mobilya alanlarwordpress en iyi seo eklentilerihttps://www.orneknakliyat.comantika alanlarEtimesgut evden eve nakliyathayır lokmasıpendik evden eve nakliyatbeykoz evden eve nakliyatdarıca evden eve nakliyateskişehir protez saçavcılar lokmacıankara ofis taşımacılıgıankara parca esya tasımatuzla evden eve nakliyatAnkara implant fiyatlarıodunpazarı emlakmersin evden eve nakliyatığdır evden eve nakliyatvalizweb sitesi yapımıçekici ankaraAntika alan yerlerEtimesgut evden eve nakliyateskişehir web sitesiMedyumMedyumlarEtimesgut evden eve nakliyatankara evden eve nakliyatantika alanlarmamak evden eve nakliyatankara evden eve nakliyatankara evden eve nakliyatçankaya evden eve nakliyatistanbul saç ekimiEtimesgut evden eve nakliyatniğde evden eve nakliyateskişehir emlakgoogle ads çalışmasıtuzla evden eve nakliyateskişehir uydu tamirtomi club maldivespoodleeryaman evden eve nakliyatpoodlepomeraniandextools trendingdextools trending botfront run botdextools trending costdextools trending servicepancakeswap botdextools botdextools trending algorithmcoinmarketcap trending botpinksale trending botcoinmarketcap trendingfront running botpancakeswap sniper botuniswap botuniswap sniper botmev botpinksale trending botprediction botGaziantep uygun evden eve taşımaköpek ilanlarıMedyumeskişehir evden eve nakliyatantika alanlarmersin evden eve nakliyatcasibomseo çalışmasıistanbul hayır lokmasıgoogle adsbeykoz evden eve nakliyatbetturkeyUc Satın aloto çekicipoodle

maio 19, 2024

Agricultores plantam árvores para cultivar pimenteira-do-reino

Novo sistema usa a árvore leguminosa gliricídia para substituir estacas de madeira como suporte para o crescimento da pimenteira-do-reino.  

O uso da gliricídia como tutor vivo da pimenteira-do-reino reduz o impacto ambiental da atividade e os custos ao produtor, melhora a produtividade e favorece o número de frutos por espiga

Nativa da América Central, a árvore leguminosa gliricídia (Gliricidia sepium L.) apresenta rápido crescimento e tem se mostrado um ótimo suporte (tutor vivo) da pimenteira-do-reino em um sistema sustentável desenvolvido por pesquisadores da Embrapa Amazônia Oriental (PA). O uso da gliricídia como tutor vivo da pimenteira-do-reino em substituição às estacas de madeira evita o corte de árvores da floresta, melhora a produtividade do pimental e diminui os custos ao produtor. A prática, que reduz drasticamente o impacto ambiental da atividade, ganha cada vez mais adeptos no estado do Pará, segundo maior produtor de pimenta-do-reino do País.

Os especialistas registraram a redução em 28% dos custos ao produtor com o novo sistema, quando comparado ao tradicional com estacas de madeira. “Além disso, o manejo dessa planta proporciona o aumento do teor de matéria orgânica no solo e a diversificação de microrganismos, a fixação de nitrogênio do ar e consequente redução do uso de fertilizantes nitrogenados e o favorecimento de um microclima nos pimentais”, ressalta o analista da Embrapa João Paulo Both. Esse conjunto de vantagens faz com que o pimental no tutor vivo da gliricídia tenha mais longevidade e tempo de produção em relação ao sistema tradicional.

Foco na sustentabilidade

No sistema tradicional de cultivo da pimenteira-do-reino o tutor é obtido do tronco de árvores. “Para a implantação de um hectare de pimenta-do-reino é necessário o corte de 25 a 30 árvores para a produção de tutores para a pimenta”, conta o pesquisador da Embrapa Oriel Lemos. O impacto ambiental da atividade, a escassez e o preço elevado da madeira foram importantes motivações para a pesquisa buscar uma alternativa, segundo o cientista.

As pesquisas com o tutor vivo tiveram início na década de 1990 no estado do Pará com a parceria da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica). “Todo o sistema de produção de pimenta naquele momento era em tutor morto obtido a partir de madeiras nobres extraídas da floresta amazônica. Essa era a nossa grande preocupação”, relembra Lemos.

Ele conta que foram testadas várias espécies e a gliricídia se destacou pelo seu crescimento rápido e menor competição com a pimenteira-do-reino. Desde então, os cientistas vêm aprimorando o sistema de produção da pimenteira-do-reino com foco na sustentabilidade ambiental e econômica da atividade.

Redução de custos ao produtor

A aquisição das estacas de madeira, o chamado tutor morto, é o item que mais pesa no bolso do agricultor. “A estaca de madeira aqui na região chega a custar de 25 a 30 reais, enquanto que a estaca de gliricídia não passa de 5 reais”, conta o pipericultor (produtor de pimenta) Osvaldo Donizete, do município de Capitão Poço, na região nordeste do estado do Pará. É nesse município que está o maior número de pimentais no tutor vivo de todo o estado.

O estudo de impacto econômico da tecnologia, realizado em 2022, calculou os custos de implantação e manutenção por três anos do sistema tradicional e do sustentável. Um hectare de pimenta com o tutor morto (sistema tradicional) custa ao produtor, em média, 58.251 reais. Já com a tecnologia do tutor vivo (sistema sustentável) esse mesmo hectare custa 41.715 reais. Isso representa uma redução de 16.535 reais, o que equivale a 28% de economia ao produtor em cada hectare de pimenta.

“O impacto econômico se dá, de imediato, na redução de custo ao produtor, e considera todos os componentes, como mão de obra empregada, preparo de área, insumos (estacas, adubos), mudas de pimenteira-do-reino, manejo do plantio e outros”, explica o economista da Embrapa Aldecy Moraes.

“Para o produtor, a questão econômica é importante, especialmente porque a pimenta-do-reino é produzida, majoritariamente, pela agricultura familiar no estado do Pará”, acrescenta o economista.

Ampliação das áreas com o tutor vivo

A avaliação de impacto mostrou ainda que, em 2022, houve um aumento de 83% na área plantada com tutor vivo nos pimentais do Pará, em relação a 2021. O trabalho estima que o estado tenha em torno de 300 hectares de pimenta na gliricídia e o município paraense de Capitão Poço é o que mais se destaca nessa ampliação. Exemplo disso é a ampliação do pimental do Osvaldo Donizete, conhecido na região como “Tica Caneta”. Ele começou a plantar pimenta-do-reino com o pai na década de 1970 e, atualmente, cultiva cerca de 50 mil pés de pimenta no tutor vivo de gliricídia. O primeiro contato com a tecnologia foi em 2011 por meio da Embrapa. Desde então, o agricultor apostou no sistema sustentável e, anualmente, vem substituindo as estacas de madeira pelo tutor vivo.

“Hoje a maior parte da minha produção já é no tutor vivo. Só no ano passado plantei 20 mil pés de pimenta na gliricídia. Além do preço, que é o primeiro ponto positivo, tem muita diferença na planta, ela fica mais vigorosa e produz muito bem. Na estaca morta, o pimental com quatro, cinco anos já está morrendo. No tutor vivo, o pimental de oito anos está bem formado e produzindo bastante”, conta o agricultor.

“Os agricultores da região acreditam nessa tecnologia e estimamos que haja em torno de 300 mil pés de pimenta na gliricídia no município de Capitão Poço”, conta o agrônomo Augusto Rodrigues dos Santos, extensionista da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater-Pará).

O extensionista acredita que a escassez de madeira, o preço para a aquisição das estacas e a questão ambiental são os fatores que levam os agricultores a optarem pelo tutor vivo. “Quem usa essa tecnologia não está derrubando e sim plantando árvores”, diz.  Outra vantagem ressaltada pelo técnico é a possibilidade de multiplicação das estacas de gliricídia pelo próprio agricultor. “Ele pode fazer um campo de multiplicação de gliricídia para ampliar seu pimental e também para vender a outros produtores”, conclui.

Plantas vigorosas e produtivas

Os especialistas afirmam que ainda pouco se sabe sobre o comportamento da pimenteira-do-reino em tutor vivo de gliricídia. Porém, um dos mais recentes trabalhos científicos sobre o tema, realizado no estado do Pará, mostrou a influência que o tipo de tutor exerce na planta.

A pesquisa avaliou o comportamento das cinco variedades de pimenteira-do-reino mais utilizadas no campo, tanto no sistema sustentável quanto no tradicional. As cultivares Bragantina, Cingapura, Kuthiravally, Uthirankotta (foto à direita) e cv. Embrapa/Clonada tiveram respostas diferentes para o crescimento das plantas e produção de grãos em relação ao tipo de tutor utilizado no sistema.

O uso do tutor vivo foi positivo para a altura das plantas – uma das variáveis de crescimento – para quatro das cinco cultivares. A cultivar Bragantina, desenvolvida pela Embrapa e amplamente utilizada no País, apresentou maior comprimento e peso das espigas quando cultivada na gliricídia (sistema sustentável). 

Já o número de frutos por espiga também obteve resultado positivo em quatro das cinco variedades analisadas. No tutor vivo a média de frutos foi de 77 por espiga; no tutor morto foi de 70 frutos por espiga. E, mais uma vez, a Bragantina saiu na frente com quase 86 frutos por espiga no sistema sustentável.

“A cultivar Bragantina é um material genético bastante utilizado nas lavouras do Pará e, principalmente, no Espírito Santo; e tanto o crescimento da planta quanto a produção de grãos têm apresentado desempenho melhor no tutor vivo de gliricídia na região no nordeste paraense”, explica Both. 

Solos mais férteis

Experimentos mostram que a gliricídia melhora a fertilidade do solo e atua na fixação de nitrogênio. “Esse elemento é um dos nutrientes mais exigidos pela pimenteira-do-reino e a gliricídia é uma leguminosa capaz de realizar fixação biológica de nitrogênio. Então, vimos que há uma resposta positiva com relação à produção de grãos verdes de pimenta”, afirma Both.

Ele explica que a gliricídia produz rapidamente grande quantidade de folhas, que acumulam nutrientes. E o manejo dessa planta nos pimentais envolve podas de condução e podas drásticas. “A cada quatro meses podem ser colhidos cerca de 50 quilos de biomassa por planta adulta. Esse material picado e colocado sobre o solo é decomposto em até 16 dias, liberando os nutrientes para o solo”, explica Both.

A adubação verde, segundo o especialista, é um ganho adicional importante dessa tecnologia. Ela ajuda a reter a umidade, diminui a incidência de plantas invasoras, estimula a presença de organismos no solo, os quais melhoram a aeração e transformam a matéria orgânica em adubo mineral.

Resultados positivos no campoO Pará é o segundo maior produtor de pimenta-do-reino do Brasil, com uma produção de 36 mil toneladas em 2021, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As maiores produções se concentram nos municípios de Tomé-Açu, Capitão Poço, Igarapé-Açu e Baião, localizados na mesorregião nordeste do estado.A cultura da pimenteira-do-reino no estado é uma atividade majoritariamente da agricultura familiar e gera 75 mil empregos diretos. A área do agricultor familiar Maciel Ferreira, do município de Baião, é um exemplo. Ele, que herdou do avô a tradição da pipericultura, tem atualmente 4 mil pés de pimenteira-do-reino e investiu na gliricídia há cerca de três anos. “A pimenta no tutor vivo é mais pesada e, para nós que trabalhamos com o peso do grão, o rendimento na balança é muito importante”, conta o agricultor. Além disso, a produtividade do pimental também foi maior no tutor vivo. “Do primeiro para o segundo ano, a pimenta rendeu três quilos de grão seco por planta, quantidade que no tutor morto só conseguia a partir do terceiro ano do pimental”, acrescenta. Já para o agricultor Cley Pantoja, também de Baião, um dos ganhos do sistema sustentável é no período das chuvas, o chamado “inverno amazônico”. “Nesse período, as plantas ficam menos encharcadas e há uma incidência bem menor de plantas daninhas no pimental”, afirma. O agricultor João Pompeu Pantoja conta que a produção de pimenta-do-reino é uma das principais atividades do município de Baião. “Aqui o plantio da pimenta melhorou a vida de muita gente. Há quem planta mil pés, 2 mil, 10 mil ou 500 mil, mas todo mundo tem um pouco de pimenta na região”, afirma. Para ele e os vizinhos, a gliricídia é o futuro das novas gerações na pimenta.

Futuro da pesquisa

Novos estudos já indicam que o tutor vivo também melhora a qualidade e densidade do grão da pimenta-do-reino. “Estamos avaliando alguns indicadores físicos e químicos de qualidade do grão e já temos resultados preliminares de que, em algumas variedades de pimenta, o uso do tutor vivo influencia na quantidade de substâncias químicas importantes, como a piperina e o óleo essencial”, anuncia o especialista.

A piperina é um alcaloide e o principal composto bioativo natural da pimenta-do-reino. Essa substância tem propriedades terapêuticas conhecidas pela ciência. Já o óleo essencial da pimenta é o que confere sabor à especiaria. É composto por diferentes moléculas e possui propriedades farmacológicas, sendo um produto promissor para remédios naturais.

O trabalho é realizado na área da empresa Tropoc, uma das maiores exportadoras de pimenta-do-reino do Brasil, localizada no município de Castanhal (PA), e já aponta que a pimenta na gliricídia tem melhores características aromáticas e nutricionais. “Os resultados podem agregar valor à pimenta produzida no Brasil com a produção de blends, por exemplo”, analisa.

Para o empresário André Kisch, da empresa alemã de ervas e especiarias Fuchs, esses resultados fortalecem ainda mais a pimenta-do-reino produzida no Brasil. “O diferencial da produção brasileira em relação aos outros países é a ausência de resíduos químicos nos grãos. Praticamente 90% dos grãos da pimenta brasileira não apresentam resíduos de defensivos e os que apresentam estão muito abaixo dos limites legais estabelecidos pelos mercados mais exigentes”, relata o industrial. Isso, segundo ele, é resultado do esforço e parceria da pesquisa, extensão, empresas e dos produtores brasileiros.

Cenário nacionalO Brasil é o segundo maior produtor mundial de pimenta-do-reino, só perdendo para o Vietnã. Em 2021, segundo o IBGE, a produção nacional foi de 118 mil toneladas de grãos secos de pimenta-do-reino em uma área de quase 38 mil hectares, movimentando quase 2 bilhões de reais no agronegócio brasileiro.Espírito Santo e Pará são os maiores produtores de pimenta-do-reino do País, com uma produção de 72 mil e 36 mil toneladas em 2021, respectivamente.Os principais países compradores da pimenta-do-reino brasileira são Alemanha, Vietnã, Emirados Árabes e Estados Unidos.A pimenta no BrasilAs primeiras mudas de pimenteira-do-reino chegaram ao Brasil nos séculos XVII e XVIII, na Paraíba e na Bahia. Mas foi somente no século XX, na Amazônia, que a planta se estabeleceu no solo brasileiro. Em 1933, famílias de imigrantes japoneses trouxeram 20 mudas dessa planta para o estado do Pará, mais especificamente para a região do município de Tomé-Açu, no nordeste paraense.As mudas foram da variedade Cingapura, que é cultivada até hoje na região. A partir da década de 1940, a pimenta se estabeleceu no Brasil, onde encontrou no Norte do País as condições ambientais ideais ao seu desenvolvimento.

Fonte: Embrapa

Curadoria: Boi a Pasto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter para ficar atualizado.

POST RECENTES

A tecnologia contra o desperdício de alimento

Em 27 de março, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) divulgou um dado alarmante:  mais de 1 bilhão de refeições foram desperdiçadas por dia, em 2022, em todo o mundo. Isso ocorre enquanto 783 milhões de pessoas passam fome e um terço da população mundial enfrenta algum tipo de insegurança alimentar, de acordo com o Relatório do Índice de Desperdício de Alimentos 2024. O impacto ambiental também impressiona, pois o desperdício de alimentos é responsável por emissões de gases de efeito estufa cinco vezes maiores do que as do setor de aviação.

Leia Mais »

USP e Embrapa oficializam parceria para pesquisas em rastreabilidade

Pesquisas voltadas à sustentabilidade da agricultura estão no foco de um novo acordo assinado no último dia 11 entre a Embrapa e a Universidade de São Paulo (USP). O protocolo de intenções acordado abrange o uso compartilhado do Centro de Agricultura Tropical Sustentável (STAC) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da USP.

Assinado durante o Fórum de Agricultura Tropical Sustentável, realizado na capital paulista, na USP, o documento tem como objeto trabalhos de desenvolvimento de métricas e selos de sustentabilidade ligados às práticas ESG, sigla em inglês para definir a abordagem de governança ambiental, social e corporativa.

Leia Mais »
hacklinkbig bass bonanzaSweet bonanza demoCasinoslotgates of olympus oynaSweet bonanza demosugar rush oynaCasinoslotBahisnowbayan escortTürkiye Escort Bayanbuca escortKlasoyun TwitterKlasoyun Giriş TwitterUltrabet TwitterBetsoo Giriş Twitterfethiye escortbornova escortmarsbahisDeneme Bonusu Veren Sitelercasibom girişŞişli escortizmir escortDenizli escortMalatya Escortşanlıurfa escortHacklinkBeşiktaş escortAtaşehir escortBeylikdüzü escortkadıköy escortcialisViagraBahis siteleriBeylikdüzü escortmasözmasözantalya escortcasibombetturkeyfixbetdeneme bonusu veren sitelerdeneme bonusu veren sitelercasibombets10jojobet girişpusulabetbaywinGrandpashabetcasibom girişholiganbet girişbettiltcasibom girişslot sitelerisekabetbetmatikbetkanyonsekabetholiganbetbetmatikcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomhitbetsahabetsahabetbettiltvdcasinoilbetcratosroyalbettümbetbaywinslot sitelericanlı casino sitelericasino sitelerislot siteleribahis siteleribaywinİnterbahisbelugabahismadridbetcasibomcasibombetkom girişcasibomcasibommarsbahiscasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomcasibomBetoffice girişPusulabetBelge istemeyen bahis sitelerisahabet1xbetbahiscombycasinoikimisliorisbetkaçak maç izlecasibom girişcasibom girişcasibom girişcasibom giriş twittercasibom girişcasibom girişcasibom