abril 21, 2024

Por que o Passaporte Verde é bom para a pecuária

Projeto para a pecuária de Mato Grosso quer mostrar ao mundo que a carne produzida no estado é confiável e sustentável

Por: Caio Penido

Sou presidente do IMAC (Instituto Mato-grossense da Carne) e nele desenvolvemos ações em Mato Grosso. Como apoio à regularização ambiental, intensificação da pecuária, melhora do balanço de carbono da carne, rastreabilidade. São ações em que a gente está trabalhando a sustentabilidade do Estado, a conscientização.

Acho que a questão do pequeno produtor chegou forte nos negócios agrícolas, tanto na agricultura quanto na pecuária. É a nova fronteira aí de preocupação do ESG, da COP27. Então, tem de ter um olhar. Sim, é complexo, e a gente, no IMAC, também está olhando. Hoje (18), aqui na COP, apresentamos o Passaporte Verde.

A gente quer dar um passaporte para carne de Mato Grosso, para que ela consiga acessar os mercados do mundo, mostrando a sustentabilidade que está inserida nessa carne. Que é uma carne que garante a conservação da biodiversidade por lei. Que tem um sistema de rastreabilidade nos abates. Toda a carne que é exportada passa por um sistema de rastreabilidade; e 80% dos abates de Mato Grosso já são verificados. A gente tem que mostrar isso para o mundo e o Passaporte Verde vai mostrar isso.

Além disso, a gente estimula uma pecuária de Baixo Carbono, intensificando as passagens degradadas, reduzindo a idade do abate, porque ao reduzir a idade de abate você tem uma carne mais jovem, um boi mais jovem e uma carne mais macia. Então, tudo é um ganha ganha, onde o estado se regulariza, os pecuaristas ganham mais e as indústrias frigoríficas têm mais escala.

E temos o desafio, também, da rastreabilidade do indireto. E que é o (fornecedor de gado) indireto? É o fornecimento indireto para a indústria. O fornecimento direto é o boi que está indo para o abate. O indireto é bezerro e o bezerro, muitas vezes, está nas pequenas propriedades. Então, tem um desafio importante para a gente olhar para esse pequeno produtor, que muitas vezes não têm acesso à regularização ambiental. Como a gente vai desfazer esse nó e garantir que toda a cadeia de Mato Grosso esteja seguindo a legislação brasileira. A gente quer dar um Passaporte Verde para toda a carne de Mato Grosso.

Caio Penido é pecuarista com fazenda na Serra do Roncador, no Vale do Araguaia, em Mato Grosso. Foi um dos idealizadores do movimento Liga do Araguaia, hoje um instituto que reúne cerca de 60 produtores do vale. Atualmente, é presidente do IMAC ( Instituto Mato-grossense da Carne), organismo que reúne os elos da cadeia produtiva para o investimento em pesquisas e tecnologias.

Fonte: Forbes

Curadoria: Boi a Pasto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter para ficar atualizado.

POST RECENTES

A tecnologia contra o desperdício de alimento

Em 27 de março, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) divulgou um dado alarmante:  mais de 1 bilhão de refeições foram desperdiçadas por dia, em 2022, em todo o mundo. Isso ocorre enquanto 783 milhões de pessoas passam fome e um terço da população mundial enfrenta algum tipo de insegurança alimentar, de acordo com o Relatório do Índice de Desperdício de Alimentos 2024. O impacto ambiental também impressiona, pois o desperdício de alimentos é responsável por emissões de gases de efeito estufa cinco vezes maiores do que as do setor de aviação.

Leia Mais »

USP e Embrapa oficializam parceria para pesquisas em rastreabilidade

Pesquisas voltadas à sustentabilidade da agricultura estão no foco de um novo acordo assinado no último dia 11 entre a Embrapa e a Universidade de São Paulo (USP). O protocolo de intenções acordado abrange o uso compartilhado do Centro de Agricultura Tropical Sustentável (STAC) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da USP.

Assinado durante o Fórum de Agricultura Tropical Sustentável, realizado na capital paulista, na USP, o documento tem como objeto trabalhos de desenvolvimento de métricas e selos de sustentabilidade ligados às práticas ESG, sigla em inglês para definir a abordagem de governança ambiental, social e corporativa.

Leia Mais »